Translate

13 de novembro de 2019


US ECONOMICS



BRAZIL / REFUGEES



U.S. Department of State. 11/13/2019. The United States, Poland, and Brazil Announce Details of Warsaw Process Working Group on Humanitarian Issues and Refugees

The United States, Poland, and Brazil are pleased to announce that the Warsaw Process working group on humanitarian issues and refugees will meet in Brasilia on February 5-6, 2020.  The working group will share best practices and lessons learned on the education and protection of children and youth in humanitarian responses to crises in the Middle East.



ECONOMY



FED. November 13, 2019. Testimony. The Economic Outlook. Chair Jerome H. Powell. Before the Joint Economic Committee, U.S. Congress, Washington, D.C.

Chairman Lee, Vice Chair Maloney, and members of the Committee, I appreciate the opportunity to testify before you today. Let me start by saying that my colleagues and I strongly support the goals of maximum employment and price stability that Congress has set for monetary policy. We are committed to providing clear explanations about our policies and actions. Congress has given us an important degree of independence so that we can effectively pursue our statutory goals based on facts and objective analysis. We appreciate that our independence brings with it an obligation for transparency and accountability. Today I will discuss the outlook for the economy and monetary policy.

The Economic Outlook

The U.S. economy is now in the 11th year of this expansion, and the baseline outlook remains favorable. Gross domestic product increased at an annual pace of 1.9 percent in the third quarter of this year after rising at around a 2.5 percent rate last year and in the first half of this year. The moderate third-quarter reading is partly due to the transitory effect of the United Auto Workers strike at General Motors. But it also reflects weakness in business investment, which is being restrained by sluggish growth abroad and trade developments. These factors have also weighed on exports and manufacturing this year. In contrast, household consumption has continued to rise solidly, supported by a healthy job market, rising incomes, and favorable levels of consumer confidence. And reflecting the decline in mortgage rates since late 2018, residential investment turned up in the third quarter following an extended period of weakness.

The unemployment rate was 3.6 percent in October—near a half-century low. The pace of job gains has eased this year but remains solid; we had expected some slowing after last year's strong pace. At the same time, participation in the labor force by people in their prime working years has been increasing. Ample job opportunities appear to have encouraged many people to join the workforce and others to remain in it. This is a very welcome development.

The improvement in the jobs market in recent years has benefited a wide range of individuals and communities. Indeed, recent wage gains have been strongest for lower-paid workers. People who live and work in low- and middle-income communities tell us that many who have struggled to find work are now getting opportunities to add new and better chapters to their lives. Significant differences, however, persist across different groups of workers and different areas of the country: Unemployment rates for African Americans and Hispanics are still well above the jobless rates for whites and Asians, and the proportion of the people with a job is lower in rural communities.

Inflation continues to run below the Federal Open Market Committee's (FOMC) symmetric 2 percent objective. The total price index for personal consumption expenditures (PCE) increased 1.3 percent over the 12 months ending in September, held down by declines in energy prices. Core PCE inflation, which excludes food and energy prices and tends to be a better indicator of future inflation, was 1.7 percent over the same period.

Looking ahead, my colleagues and I see a sustained expansion of economic activity, a strong labor market, and inflation near our symmetric 2 percent objective as most likely. This favorable baseline partly reflects the policy adjustments that we have made to provide support for the economy. However, noteworthy risks to this outlook remain. In particular, sluggish growth abroad and trade developments have weighed on the economy and pose ongoing risks. Moreover, inflation pressures remain muted, and indicators of longer-term inflation expectations are at the lower end of their historical ranges. Persistent below-target inflation could lead to an unwelcome downward slide in longer-term inflation expectations. We will continue to monitor these developments and assess their implications for U.S. economic activity and inflation.

We also continue to monitor risks to the financial system. Over the past year, the overall level of vulnerabilities facing the financial system has remained at a moderate level. Overall, investor appetite for risk appears to be within a normal range, although it is elevated in some asset classes. Debt loads of businesses are historically high, but the ratio of household borrowing to income is low relative to its pre-crisis level and has been gradually declining in recent years. The core of the financial sector appears resilient, with leverage low and funding risk limited relative to the levels of recent decades. At the end of this week, we will be releasing our third Financial Stability Report, which shares our detailed assessment of the resilience of the U.S. financial system.

Monetary Policy

Over the past year, weakness in global growth, trade developments, and muted inflation pressures have prompted the FOMC to adjust its assessment of the appropriate path of interest rates. Since July, the Committee has lowered the target range for the federal funds rate by 3/4 percentage point. These policy adjustments put the current target range at 1-1/2 to 1‑3/4 percent.

The Committee took these actions to help keep the U.S. economy strong and inflation near our 2 percent objective and to provide some insurance against ongoing risks. As monetary policy operates with a lag, the full effects of these adjustments on economic growth, the job market, and inflation will be realized over time. We see the current stance of monetary policy as likely to remain appropriate as long as incoming information about the economy remains broadly consistent with our outlook of moderate economic growth, a strong labor market, and inflation near our symmetric 2 percent objective.

We will be monitoring the effects of our policy actions, along with other information bearing on the outlook, as we assess the appropriate path of the target range for the federal funds rate. Of course, if developments emerge that cause a material reassessment of our outlook, we would respond accordingly. Policy is not on a preset course.

The FOMC is committed to ensuring that its policy framework remains well positioned to meet its statutory goals. We believe our existing framework has served us well. Nonetheless, the current low interest rate environment may limit the ability of monetary policy to support the economy. We are currently conducting a public review of our monetary policy strategy, tools, and communications—the first of its kind for the Fed. With the U.S. economy operating close to maximum employment and price stability, now is an especially opportune time to conduct such a review. Through our Fed Listens events, we have been hearing a diverse range of perspectives not only from academic experts, but also from representatives of consumer, labor, business, community, and other groups. We will draw on these insights as we assess how best to achieve and maintain maximum employment and price stability. We will continue to report on our discussions in the minutes of our meetings and share our conclusions when we finish the review, likely around the middle of next year.

In a downturn, it would also be important for fiscal policy to support the economy. However, as noted in the Congressional Budget Office's recent long-term budget outlook, the federal budget is on an unsustainable path, with high and rising debt: Over time, this outlook could restrain fiscal policymakers' willingness or ability to support economic activity during a downturn.1 In addition, I remain concerned that high and rising federal debt can, in the longer term, restrain private investment and, thereby, reduce productivity and overall economic growth. Putting the federal budget on a sustainable path would aid the long-term vigor of the U.S. economy and help ensure that policymakers have the space to use fiscal policy to assist in stabilizing the economy if it weakens.

I will conclude with a few words on the technical implementation of monetary policy. In January, the FOMC made the key decision to continue to implement monetary policy in an ample-reserves regime. In such a regime, we will continue to control the federal funds rate primarily by setting our administered rates, not through frequent interventions to actively manage the supply of reserves. In the transition to the efficient and effective level of reserves in this regime, we slowed the gradual decline in our balance sheet in May, and stopped it in July. In response to the funding pressures in money markets that emerged in mid-September, we decided to maintain a level of reserves at or above the level that prevailed in early September. To achieve this level of reserves, we announced in mid-October that we would purchase Treasury bills at least into the second quarter of next year and would continue temporary open market operations at least through January. These actions are purely technical measures to support the effective implementation of monetary policy as we continue to learn about the appropriate level of reserves. They do not represent a change in the stance of monetary policy.

Thank you. I would be pleased to take your questions.

Note

1. Congressional Budget Office (2019), The 2019 Long-Term Budget Outlook (PDF) (Washington: CBO, June).



FOREIGN POLICY



U.S. Department of State. 11/13/2019. Secretary Michael R. Pompeo with Hugh Hewitt of the Hugh Hewitt Show. Michael R. Pompeo

QUESTION:  And pleased to welcome back to the show United States Secretary of State Michael Pompeo.  Mr. Secretary, welcome.  Good morning.

SECRETARY POMPEO:  Hugh, it’s great to be with you this morning.  Good morning to you as well.

QUESTION:  I was listening to your speech in Berlin on the plane yesterday and you remarked to a lot of laughter that this was the first time you had spent two nights in a foreign destination in a row for as long as you can remember.  Is that true?

SECRETARY POMPEO:  It’s often the case I’m in and out of these places, traveling to many places, trying to be as efficient as possible.  So it was great to get to spend what was really, goodness, almost two full days there in Germany commemorating an important part of American history and German history.

QUESTION:  It is a terrific speech.  We’ll come back and talk about it, about your Hudson Institute speech as well, but first, a couple of questions.  House impeachment hearings open today.  Mike Gallagher, your friend from Wisconsin and a member of the House, said moments ago on this show that these hearings in the impeachment vortex create, quote, “a permissive atmosphere for communists and the authoritarians.”

Secretary Pompeo, do you think American political soap operas endanger our friends in Hong Kong, the poor people of Venezuela, even our neighbor — or even our ally Israel by taking our eye off the big ball?

SECRETARY POMPEO:  My job, Hugh, is to make sure that doesn’t happen.  Look, there’s a lot of noise.  There’ll be noise today.  There’ll be noise for the rest of this week.  My mission here and my team’s mission at the State Department is to make sure that it doesn’t do precisely what you describe.  I’ve told the team to stay focused.  There’s all this chatter, but then there’s challenges and opportunities for America around the world, and our mission set has to be to make sure that that risk that Representative Gallagher identified doesn’t come to bear.

QUESTION:  When you were a member of the House, and specifically when you were on the Benghazi select committee, did the majority block two-thirds of the witnesses the minority wanted to call, which is what Adam Schiff has done here?

SECRETARY POMPEO:  That process was very different from this process.  We were patient.  We allowed the agencies to produce their witnesses at a time when they were prepared.  We allowed them to have counsel.  It was a completely different process than what’s taken place so far.  I regret that.  I regret that for the team that works for me here at the State Department that I believe has been treated incredibly unfairly, but most importantly, I regret it for the American people that we haven’t had a process that has allowed an inquiry to proceed in a way that’s fair and equitable and gets the facts in an appropriate way to the American people.  I hope that’ll change.

QUESTION:  Last question on these hearings, Mr. Secretary:  A couple of news outlets have attempted to create a narrative that you are at cross purposes with career staff and morale is low at the State Department.  I know morale at the State Department because my son works there.  I always disclose that when I talk to you.  But your support for the career staff has never been in doubt in my mind.  What do you make of these stories?

SECRETARY POMPEO:  More Washington insider-y stuff, a long history of the press reporting about unhappiness at the State Department, especially, frankly, in Republican administrations.  The truth of the matter is my team, my senior team, which includes folks like David Hale and Carol Perez, very capable senior Foreign Service officers, are doing good work investing in the future of the institution, investing in our diplomacy, working hard to deliver good outcomes for the American people.  I’ll leave it to others to characterize morale.  It’s a big organization.  I’m sure there’s lots of different thoughts, but suffice it to say the American people should be comfortable knowing that we are continuing to do the hard work to deliver good policy outcomes for President Trump and the United States.

QUESTION:  Now I want to turn to your Hudson Institute speech, Mr. Secretary.  You received the prestigious Herman Kahn Award.  I don’t know that there’s an award that matters more among center-right and intellectually-minded foreign policy mavens.  In it, you talked about a pivot time, and you and the Vice President and the National Security Advisor have all talked about the pivot that is happening with the People’s Republic of China, but you preceded that – we’ll get to that – by saying, “Look, we have a long-cherished tradition of friendship with the Chinese people.”  I’m quoting here.  “We continue to do so today.  We have a Chinese American community here in America that we love and treasure.  I’ve known them through business and personal ties.”  You went on to try and reassure people there is no new McCarthyism on the horizon, which I think is important because I’ve heard it from some of my Chinese American friends.

SECRETARY POMPEO:  It’s very important, Hugh.  We know the people of China.  We know the people who come to do business here from China.  We know people who have emigrated here from China.  They’re great people trying to do the same things Americans want to do: live a life of freedom, live a life with liberty and all the human dignity that comes with the nature of humanity.  But what’s happening inside of China today is a threat to that.  It’s a threat to that both inside the country and it’s a threat as President Xi uses tools that put that freedom at risk.  We saw it with what happened with the NBA.  We’ve seen it happen with other commercial endeavors where pressure has been put in place.  And then we’ve seen it as they’ve used economic power throughout the world to put real pressure on governments to behave in a way that’s politically inconsistent with what those governments should be doing for their people.

QUESTION:  Now, I am today chairing the meeting of the Nixon Foundation.  President Nixon opened China about 50 years ago, and you said at Hudson, “We’ve been slow to see the risk of China.”  That’s a quote.  But this President sounded this alarm on his very first day.  You added, “We didn’t realize how China was evolving.  Frankly, the American people didn’t get the full story.”  Truth be told, we fell in love with China, didn’t we?

SECRETARY POMPEO:  Yeah, I think that’s a pretty fair description.  We, for an awful long time – when I say “we,” it’s collectively – collectively it’s the United States and the West more broadly, democratic institutions across the world, watched as China used the tools of internationalism, right – the WTO, the United Nations, those institutions that we think of as creating rule of law and democracy.  And we watched China use them in ways that were deeply inconsistent with that, and China rose and is now engaged in activity – the Chinese Communist Party is engaged in activity that poses real risk to nations like the United States.  Not today, frankly, it’s not tomorrow perhaps, but as – it is time that we turn our attention the way that President Trump has done over these first 18 months that I’ve been his Secretary of State.

QUESTION:  Now, Secretary Pompeo, you were also the director of the CIA and so you’re uniquely positioned to answer this question.  Michael Pillsbury and others have written that the Chinese have developed asymmetric capabilities that actually threaten the United States in ways that the Soviets never did because we were in the era of assured mutual destruction.  We are now in an era of technology, anti-satellite weapons, cyber attacks, under-the-water sorts of things.  Do you have any doubt that we can survive and respond to any sort of destabilizing attack on the United States?

SECRETARY POMPEO:  This is what I was talking about in my remarks about our need to make this transition, to make this pivot, to recognize these risks.  We didn’t do it fast enough; we didn’t do it soon enough.  Having said that, I have enormous confidence in American ingenuity, creativity, our democratic system to respond when challenged.  I’m very confident that we will do the things under President Trump’s leadership that will build back American security, that will build back American capacity, and will engage the American people in a way that is appropriate to explain why this matters, how it is we should deliver against this challenge, and ensure that prosperity and peace for the American people continues.

QUESTION:  I want to quote your Hudson Institute speech one more time.  Quote, “Today, we’re finally realizing the degree to which the Chinese Communist Party is truly hostile to the United States and our values, and its worse deeds and words and how they impact us.”  General Secretary Xi, who’s also President Xi, is an enormously talented individual.  Do we have to be in conflict with him or is it possible that upon recognition and recalibration we can develop the relationship in mutually beneficial but very appropriate ways?

SECRETARY POMPEO:  Hugh, I hope that’s the case, and we are working to make that the case.  President Trump has done real good work developing a relationship with General Secretary Xi, working to develop a situation where China will begin to act in ways that are consistent with what I’ve just described to you.  That is our hope.  It is more than just our hope.  It is the project on which we’re working, but we all need to be eyes wide open.  We all need to understand that that may not be the way that the Chinese Communist Party proceeds, that – the way that their interaction with the world develops.  And we have to be serious about ensuring that we protect the American people.

QUESTION:  What is the message of the United States about the demonstrators in Hong Kong to General Secretary Xi?

SECRETARY POMPEO:  Two messages.  First, for all those who are in Hong Kong, we – we’re telling them, please, no violence.  This is a political dispute; they should settle it in that way.  They should have conversations that – we’re asking each of them to engage in this activity in a way – the President’s described it as behave in a humane way.

Second, we’ve spoken to our Chinese counterparts and made clear to them the American expectation that they will live up to the commitments that they made.  Not commitments that the United States imposed on them, but commitments that they made when they agreed that there would be one country but two separate systems there in Hong Kong.

QUESTION:  Okay.  Turning to your Berlin speech of last week where you said you mixed celebration with sobriety – “The Lessons of 1989” – you said about President Reagan – I agree – that we had the ultimate advantage, leaders who believed in good and confidence – and who were confident in a free people.  I think we still generally have that, but there is a lot of confusion about American exceptionalism that I think goes back to President Obama’s rhetoric and to the left’s move to blame America for everything, back to the 1984 Democrats.  How do we fix this?

SECRETARY POMPEO:  I’ve talked about this a lot; so has President Trump.  It’s an imperative that the American people understand that America, wherever we go in the world, is a force for good, and that this is truly the greatest nation in the history of civilization.  That’s not bluster, that’s not hype, that’s just – that’s the reality of what our founders created for us and what the American people have continued to create in the intervening couple hundred-plus years.  We should be proud of that.  We should work hard; we should be humble.

It’s not that we get everything right every day, Hugh.  You know that.  But it’s that our motive, what it is we’re trying to do, is deeply rooted in American history and in our founding and in these central notions of life and liberty.  When we do those things and do those things well, we should move – here in the United States and as we travel around the world, we should act with our counterparts in a way that reflects the greatness of our nation and our willingness to help other peoples rise to live in a way that’s consistent with what it is we believe every human being should have.

QUESTION:  In Berlin, you also said, quote, the practices of the Communist Party of China would be “horrifyingly familiar” to the people of the German Democratic Republic.  That’s the old East Germany run by the old Stalinist, Honecker.  They had the Stasi, which you talked about.  But truth be cold, the CRP in Beijing is better equipped, largely because of American technology companies.  It’s sort of as though American armament factories were selling weapons to the Krupp iron works in the ’30s.  What are you telling our friends in Silicon Valley about the uses to which their technology is being put in these repressive regimes?

SECRETARY POMPEO:  This trip was really special.  It was the 30th anniversary of the fall of the Berlin Wall.  I’ve been a young soldier patrolling that border 30 years ago.  I left in October of 1989 just before the glorious moment.  And what we shared that day there in Germany was that we need to make sure that history continues to march forward, forward towards liberty and away from authoritarianism and the kinds of conditions that you just talked about.

When we talk to our private sector friends about the tools, I remind them – you talked about in the context of information authoritarianism.  I think about it from our networks as well.  No one, Hugh, would have thought that it was appropriate to put Soviet technology in their communications infrastructure back in the 1980s.  In that same way, we need to make sure that our networks today are secure, and we should urge every company to think about what it is they’re providing, what – who it is they’re providing that information to, and what the Chinese Communist Party might take of that information or that technology, and to what ends it might be put.

QUESTION:  Let me then close with Iran.  I have been talking to Michael Oren about his piece in The Atlantic, which I hope you have had a chance to read.  You’ve been abroad, though.  He warns of a full-scale war with Iran as Iran moves towards nuclear breakout, as they move towards arming the Hizballah militias with deadly weaponry and Hamas opens up a southern front.

What is going on there, Mr. Secretary?  Are we ready to stand by Israel and under any circumstance?

SECRETARY POMPEO:  Yes, sir.  The President’s policy with respect to the Islamic Republic of Iran has been very clear.  We have worked to deny them the capacity for just the things that Michael Oren described, right.  We’ve denied them resources.  We’ve been very effective at that.  There’s still an awful lot of work to do.  And we have, at the same time, tried to ensure that there was adequate level of deterrence, and we’ve seen that Iran is determined to inflict harm not only on its neighbors, but the world by taking down – gracious, what, 5-plus percent of the world’s energy supply.

President Trump understands that the driver of instability in the Middle East is, in fact, the Islamic Republic of Iran.  We took over from an administration that had decided to make Iran its partner in security.  We’ve flipped that script, and the United States and Israel are working together along with our friends in the Gulf, the Kingdom of Saudi Arabia, and the United Arab Emirates, the Bahrainis, and others to try our best to ensure that there’s adequate levels of deterrence and make sure that the Iranian leadership knows that we will not tolerate their continued creation of instability in the region.

QUESTION:  With threats everywhere, Mr. Secretary – last subject – have you discussed with President Trump, Vice President Pence, Secretary Esper the need to back up these recent speeches with spending and resources: a 355-ship Navy, the latest technology in cyber anti-satellite weaponry and satellite defense?  Is this an ongoing commitment of the administration to raise the level of attention the way Reagan did on the need for the buildup he oversaw?

SECRETARY POMPEO:  It is, Hugh.  It’s one thing to make remarks.  It’s another thing to make sure that resources are aligned against the problem set that you’ve identified so that you can actually deliver the outcomes that you’ve hypothesized at the remarks you give.  So it’s an ongoing conversation.  I hope – I hope that on Capitol Hill, we’ll do better than a CR, that we’ll get an actual budget that begins to realign American taxpayer resources to the true challenges that confront the American people.

QUESTION:  Sir, the last question:  Your old colleagues in the House haven’t even passed a National Defense Authorization Act, much less a defense appropriation act – so caught up with this impeachment circus are they.  What is your message to them about the message that sends to our genuine enemies?  Not our political opponents at home, but the people who would have us dead.

SECRETARY POMPEO:  Hugh, this is where we actually began, about whether this noise in Washington, D.C. puts America at risk.  It is absolutely the case that if we don’t pass an NDAA, if we don’t pass defense appropriation bills, we put the world on notice that we’re not serious about confronting these challenges.  And I hope – I hope the House of Representatives will begin to take these measures up.  They’ve got just a handful of weeks in session here before the year ends.  This needs to get done.

QUESTION:  Mr. Secretary, thank you for your time.

SECRETARY POMPEO:  Hugh, thank you, sir.  So long.



________________



ORGANISMS



INDUSTRY



IMF. NOVEMBER 13, 2019. All the Way to the Top: Industrial Policy, Innovation, and Sustained
By Reda Cherif and Fuad Hasanov

The odds of poor or middle-income countries achieving the stardom of the “Asian Miracles” within a generation or two, or even three, are small. Between 1960 and 2014, only 16 developing economies worldwide were able to vault into high-income status, and many of those were fortunate enough to have discovered oil or join the European Union.

The “miracles”—such as Hong Kong SAR, Korea, and Singapore—as well as Japan, Germany, and the United States before them, veered from the standard growth recipes and instead aimed high. What they had in common was ambition, accountability, and adaptability. They strove to develop sophisticated industries that were far beyond their prior technological abilities and experience. They focused on building robust export-powered economies. And, they created fiercely competitive businesses.

The wild successes of these economies were a result of unique public-private partnerships that they forged. The state intervened to remove market obstacles. Businesses, in turn, innovated, invented, and vowed accountability for the support they received. The process was a “true” industrial policy, or more specifically a Technology and Innovation Policy or “TIP”, which we describe in our recent paper as one that succeeded in building sophisticated sectors that fueled high and sustainable economic growth and that ultimately benefited the whole of their societies.

Making a miracle depends critically on a technological leap early on toward sophisticated industries.

Each of these countries built their economic reputations by being daring. They entered industries—computers, electronics, pharmaceuticals, transport, and machinery—where they had no previous experience and no reasonable expectation that they would succeed. But they did succeed beyond anyone’s dreams.

Not easy to replicate

But the “miracles” were indeed anomalies. For most of the rest of the world, the development experience of the past half century was largely a record of mixed ambitions and missed opportunities in trying to implement the principles of TIP. For the most part, the majority of countries around the world adopted the first two of the following three categories, and they fell far short of the “Asian Miracle” economies.

Snail Crawl: This approach adapts a standard growth recipe that includes improving the business environment, restructuring institutions and infrastructure, preserving macro-stability, investing in general education and minimizing government interventions. To a large extent, this approach is the lowest gear of TIP. Generally, it does not generate high sustained growth, and more commonly it results in relatively low growth. Barely any economies following this path catch up with advanced countries. Instead, these policies mostly fix “government failures” but fail to fix “market failures,” especially in the development of sophisticated sectors beyond comparative advantage.

Leapfrog: The middle gear is mostly focused on attracting foreign direct investment in sophisticated industries and/or climbing the quality ladder around existing industries such as commodities (e.g. Malaysia and Chile). This approach may provide relatively high growth leading to middle-income status, but it is unlikely to catapult an economy to high-income status within a couple of generations, that is, within the lifetime of a new entrant to the workforce. In addition to the standard growth recipe, active policies to attract foreign direct investment in manufacturing and other industries and develop industries around comparative advantage sectors may result in leapfrogging.

Moonshot: The Asian miracles are the outcome of this approach to TIP. It consists of the state intervening to fix market failures so that competitive domestic firms in sophisticated industries with frontier technologies can develop. Market failures could stem from firms not fully incorporating productivity gains from entering a sector, or not getting compensated for investment that also benefits other firms. These preclude firms from entering sophisticated sectors. The state’s role transcends the standard provision of general infrastructure development, facilitating education and encouraging a favorable business environment. By being proactive, the state could increase the odds of success and create conditions ripe for firms to enter sophisticated sectors, compete domestically and internationally, and cultivate an environment where high growth can be sustained well into the future.

Synchronized approach

The success of TIP lies in the actions of both the state and the private sector. To paraphrase Min Zhu, the former Deputy Managing Director of the IMF, an economy needs both wings to fly, the state and the market, to create sustained growth.

Making a miracle depends critically on a technological leap early on toward sophisticated industries—mostly in manufacturing—led by domestic firms. The example of the “Asian miracles” in identifying and implementing the three key principles of TIP, offers a promising roadmap for other countries to emulate on their journeys to economic success.

FULL DOCUMENT: https://blogs.imf.org/2019/11/13/all-the-way-to-the-top-industrial-policy-innovation-and-sustained-growth/?utm_medium=email&utm_source=govdelivery



________________



ECONOMIA BRASILEIRA / BRAZIL ECONOMICS



BRICS



PR. 13/11/2019. BRICS NO BRASIL. Conselho Empresarial do BRICS formulam propostas de recomendações para o Relatório Anual. Fórum que reúne empresários acontece no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB) no dia 13/11. Representantes do Conselho Empresarial do BRICS formulam propostas de recomendações para o Relatório Anual. Os grupos de trabalho funcionam como órgãos consultivos do Conselho empresarial do Brics

Os nove grupos de trabalho (GTs), do Conselho Empresarial do BRICS (Cebrics), reuniram-se nesta terça-feira (12), no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), em Brasília (DF), para discutir recomendações a serem entregues aos chefes de Estado durante a 11ª Cúpula do BRICS.

Os grupos de trabalho são especializados em temas relevantes para o Conselho Empresarial do BRICS. Eles são divididos entre os temas de Agronegócio; Aviação Regional; Energia e Economia Verde; Infraestrutura; Desregulamentação; Desenvolvimento de Competências; Serviços Financeiros; Manufaturados; e Economia Digital.

Os GTs funcionam como órgãos consultivos do Cebrics, na medida em que formulam propostas de recomendações para o Relatório Anual do conselho. O documento final será entregue aos chefes de Estado: presidente Jair Bolsonaro; presidente da República Popular da China, Xi Jinping; presidente da República da África do Sul, Cyril Ramaphosa; primeiro-ministro da República da Índia, Narendra Modi e o presidente da Federação da Rússia, Vladimir Putin, ao final do Fórum.

O Fórum

O Fórum Empresarial do BRICS é organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O evento reúne 800 representantes de governo e do setor privado dos cinco países para debater três temas na agenda do bloco: comércio, infraestrutura e inovação. A CNI é a responsável pela secretaria-executiva da Seção Brasileira do Cebrics.

CNI. 12/11/2019. Grupos de Trabalho do Conselho Empresarial do BRICS se reúnem nesta terça-feira (12), em Brasília. Grupos funcionam como órgãos consultivos e vão apresentar recomendações a serem entregues aos chefes de Estado e governo durante a XI Cúpula do BRICS, na quinta-feira (14).  Os grupos de trabalho funcionam como órgãos consultivos do Conselho empresarial do Brics

Os nove grupos de trabalho (GTs) do Conselho Empresarial do BRICS (Cebrics) reúnem-se nesta terça-feira (12), em Brasília, para discutir recomendações a serem entregues aos chefes de Estado durante a XI Cúpula do BRICS. Os chefes de Estado do Brasil, Rússia, China e África do Sul se reúnem em Brasília nesta quinta-feira (14).

Os grupos de trabalho são especializados em temas relevantes para o Conselho Empresarial do BRICS. Eles são divididos entre os temas de Agronegócio; Aviação Regional; Energia e Economia Verde; Infraestrutura; Desregulamentação; Desenvolvimento de Competências; Serviços Financeiros; Manufaturados; e Economia Digital. O grupo de Economia Digital se reúne das 11h às 13h e os demais, das 14h às 18h. Os encontros são realizados no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), em Brasília.

Os GTs funcionam como órgãos consultivos do Conselho empresarial do Brics, na medida em que formulam propostas de recomendações para o Relatório Anual do conselho. Esse documento consolida as prioridades do colegiado e é entregue aos chefes de Estado e governo durante a Cúpula do BRICS.

Durante as reuniões desta quarta-feira, serão discutidos apenas ajustes a serem realizados nas propostas. Durante o ano, as ideias sugeridas pelos grupos já foram submetidas aos membros do Conselho empresarial para considerações.

Fórum Empresarial do BRICS – A Confederação Nacional da Indústria (CNI) organiza nesta quarta-feira (13), no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), o Fórum Empresarial do BRICS. O evento reúne 800 representantes de governo e do setor privado dos cinco países para debater três temas na agenda do bloco: comércio, infraestrutura e inovação. A CNI é a responsável pela secretaria executiva da Seção Brasileira do Conselho Empresarial do BRICS (CEBRICS). Os Chefes de Estados e Governo dos cinco países participam do encerramento.

CNI. 13/11/2019. Indústria brasileira quer ampliar comércio e investimentos com a China, diz presidente da CNI. Em reunião com a presidente do Câmara de Comércio Internacional da China, Robson Braga de Andrade defende multilateralismo e redução de tarifas no comércio com outros países

Indústrias brasileiras estão interessadas em ampliar o comércio e os investimentos com a China, declarou o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, em reunião com a presidente da Câmara de Comércio Internacional da China (CCPIT), Gao Yan, e outros representantes empresariais chineses nesta quarta-feira (13), em Brasília. A entidade trouxe ao Brasil uma comitiva de 180 empresários chineses para participar do Fórum do BRICS, em Brasília.

“Na CNI, há grupo de 52 empresas transnacionais com investimentos fora do Brasil e querem ampliá-los, inclusive com a China”, disse Andrade. Entre indústrias brasileiras que já investem na China estão a fabricante de aviões Embraer, Weg e Marcopolo. Andrade afirmou ainda que a CNI vem defendendo o multilateralismo na agenda do governo brasileiro junto à Organização Mundial do Comércio (OMC). “Entendemos ser a melhor forma de o Brasil se inserir no mercado internacional. A CNI tem defendido a abertura do Brasil a parcerias internacionais, com redução de tarifas e regras claras”, declarou.

Gao também reforçou a necessidade de fortalecer o multilateralismo nesse momento, em países que tendem a serem mais protecionistas. “Precisamos de um multilateralismo transparente. Temos de trabalhar em conjunto para mostrar a posição dos empresários em favor da facilitação e liberalização do comércio", afirmou a representante empresarial chinesa.

Ela disse ainda que as relações entre Brasil e China já produziram resultados significativos no comércio e investimentos. “A relação dos dois países tem boa base e enorme potencial de crescimento com a melhora das nossas economias”.

BRICS – Tanto Andrade quanto Gao trataram de oportunidades de negócios entre Brasil e China em diversos setores, como infraestrutura e inovação, e declararam que o Fórum dos BRICS, que ocorre nesta semana, é importante para estreitar a relação entre os dois países. “A expectativa é que tenhamos bons resultados do encontro empresarial hoje à tarde”, disse Andrade.

O presidente da CNI comentou sobre a aprovação dos Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) e sua instalação da sede da CNI, em Brasília, e no escritório em São Paulo. Ele sugeriu ainda a instalação de escritórios da Câmara de Comércio Internacional da China dentro das instalações da CNI em Brasília e São Paulo.

Também propôs parceria entre as duas instituições para realização de encontros empresariais anuais entre os dois países, aos moldes do que já é feito pela CNI com entidades congêneres na Alemanha, Japão e Estados Unidos. Além disso, Gao fez uma contraproposta de instalar um escritório da CNI na sede da Câmara, em Pequim. “É fundamental estabelecermos relação mais próxima e estratégica entre as duas instituições”, afirmou Gao.

PR. 13/11/2019. BRICS NO BRASIL. Primeiro-ministro da República da Índia chega a Brasília. Ele participará de bilateral nesta quarta-feira (13) no Palácio do Planalto

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, desembarcou no início da manhã desta quarta-feira (13) em Brasília (DF).

Ele será recebido pelo presidente da República do Brasil, Jair Bolsonaro, hoje no Palácio do Planalto, onde participa de uma bilateral.

Na quinta (14), ele se encontrará com os outros chefes de Estado na 11ª Cúpula do BRICS, bloco que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

O primeiro-ministro indiano foi recepcionado na Base Aérea de Brasília pelo brigadeiro do Ar Vicent Dang.

Ao desembarcar, Narendra Modi também assinou o livro de honras militares da Aeronáutica.

PR. 12/11/2019. BRICS NO BRASIL. África do Sul – possibilidades de ampliar a cooperação com o Brasil em diferentes setores. País disputa atualmente com a Nigéria o posto de principal economia do continente africano

Em 2011 a África do Sul aderiu formalmente ao Brics, incluindo a letra S no acrônimo criado dez anos antes para designar países que teriam um elevado crescimento econômico durante o século XXI.

A África do Sul disputa atualmente com a Nigéria o posto de principal economia do continente africano. Enquanto a África do Sul se destaca na produção de ouro - sendo a nona maior produtora do mundo, depois de ter ficado por 100 anos na liderança mundial, perdida para China em 2007 -, a Nigéria faz parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opec, na sigla em inglês), com uma produção de petróleo diária de 1.6 milhão de barris, e reservas comprovadas de óleo de 36.972 bilhões de barris. 

O país africano também faz parte do G20, grupo das maiores economias do mundo, e é rico em recursos minerais como platina e crómio, além de recursos vegetais como milho, trigo, cana de açúcar, frutas e vegetais.

A indústria do país ainda inclui segmentos como o têxtil, automobilístico, siderúrgico, químico, naval, de fertilizantes, e de máquinas e equipamentos. Esta economia diversa tem complementariedades com o Brasil, o que pode ampliar o comércio entre os dois países de acordo com o economista da Escola Nacional de Administração Pública (Enap), José Luiz Pagnussat.

“No caso da África do Sul, eles precisam de alguns produtos que nós temos, inclusive industriais, como tratores. Já tivemos exportações pra eles desse tipo de produto. Só para dar um exemplo. Mas tem uma diversidade de outros produtos de interesse do Brasil e de interesse deles que poderiam ampliar o comércio”, afirmou Pagnussat.

O analista político e fundador da consultoria Dharma Political Risk and Strategy, Creomar de Souza, apresentou outras áreas nas quais a cooperação entre os dois países pode avançar. “Há uma enorme potencialidade de exploração de algumas indústrias, passando pelo potencial turístico de ambos os lados, chegando também a algumas questões da cadeia produtiva do agro, que a gente poderia explorar”, defendeu Creomar de Souza.

Trocas Comerciais

De acordo com o ministério da Economia, o volume de comércio entre a África do Sul e o Brasil foi de US$ 2.025,41 bilhões em 2018, com superávit para o Brasil de US$ 699, 53 milhões.

Na balança comercial os destaques das exportações nacionais, no ano passado, para a África do Sul, foram carne de frango, com 19% de participação nas vendas, e tratores, com 11% de participação. Petróleo, zinco, ferro, motores para veículos, aviões, açúcar e celulose também têm relevo na pauta exportadora.

Em termos de importações o produto mais comprado pelo Brasil, em 2018, foi a hulha [espécie de carvão mineral], com 13% de participação nas compras, seguido pelo metal paládio, com 11%. Alumínio, inseticidas, herbicidas e produtos laminados de ferro e aço também compõem a lista. 

  • População: 55.380.210 – estimativa julho de 2018
  • Economia: US$ 349,3 bilhões – estimativa em 2017
  • PIB per capita: US$ 13,6 mil – estimativa em 2017

Presidente da África do Sul chega para Cúpula dos BRICS. Cyril Ramaphosa participará da 11ª Cúpula, que será realizada nos dias 13 e 14 de novembro

O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, chegou a Brasília no final da tarde desta terça-feira (12) para participar da 11ª Cúpula do BRICS, que será realizada nos dias 13 e 14 de novembro na capital do País. Os chefes de Estado Vladimir Putin, da Rússia, Narendra Modi, da Índia, e Xi Jinping, da China, além do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, participarão do encontro.

Acompanhado da primeira-dama, Tshepo Motsepe, Ramaphosa foi recebido pelo comandante da Ala 1, Brigadeiro do Ar Vincent Dang. Ao desembarcar, o chefe de Estado sul-africano assinou o Livro de Honras Militares da Força Aérea Brasileira.

A África do Sul ocupa um lugar geograficamente estratégico no continente africano, é forte no setor turístico, na produção de alimentos e minérios, e rivaliza com a Nigéria como maior economia da África.


A Cúpula de Brasília é evento resultante das diversas atividades organizadas pela presidência brasileira do BRICS durante o ano de 2019, entre as quais se destacam o encontro informal de líderes à margem do G20 (Osaka, junho) e 16 reuniões em nível ministerial.

PR. 12/11/2019. BRICS NO BRASIL. Presidente chinês chega a Brasília para a Cúpula que será realizada nesta quarta e quinta. Xi Jinping chegou acompanhado da primeira-dama Peng Liyuan na Base Aérea

O presidente da República Popular da China, Xi Jinping, acompanhado da primeira-dama Peng Liyuan, chegou a Brasília na noite desta terça-feira (12) para integrar a 11ª Cúpula do BRICS, que será realizada na capital brasileira nos dias 13 e 14 de novembro.

O líder chinês foi recebido pelo secretário-geral do Itamaraty, Otávio Brandelli, e pelo comandante da Ala 1, Brigadeiro do Ar Vincent Dang.

No fim da manhã da quarta-feira (13), Xi Jinping será recebido pelo presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Itamaraty, haverá cerimônia de assinatura de Assinatura de Atos, declaração à imprensa e um almoço.

Há quase um mês, o presidente brasileiro foi recebido pelo chefe de Estado em Pequim, na China. Na ocasião, houve assinatura de atos, reuniões com autoridades chinesas e uma visita à Muralha da China.

A China registrou um crescimento econômico, em média, de dois dígitos nas duas últimas décadas e alcançou a segunda posição na economia mundial, sendo o maior exportador global em termos de volume de produtos. Também ocupa o Conselho de Segurança da ONU como membro permanente.

A Cúpula de Brasília é evento culminante das diversas atividades organizadas pela presidência brasileira do BRICS, em 2019, entre as quais se destacam o encontro informal de líderes à margem do G20 (Osaka, junho) e 16 reuniões em nível ministerial.

CHINA. REUTERS. 13 DE NOVEMBRO DE 2019. Brasil está conversando com China sobre livre comércio, diz Guedes
Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira que o Brasil está conversando com a China sobre a possibilidade de uma área de livre comércio no âmbito de esforços que têm sido feitos pelo governo para integrar o país às cadeias globais de valor.

“Agora estamos conversando com a China sobre a possibilidade de considerarmos uma free trade area (área de livre comércio), ao mesmo tempo em que falamos em entrar na OCDE”, disse ele, listando as ações que estão em curso após o Mercosul ter fechado acordo com a União Europeia.

Em seminário sobre a relação do Brasil com o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), o banco do Brics, o ministro frisou que a decisão de abrir o Brasil está consolidada no governo Jair Bolsonaro e é urgente.

“Perdemos tempo demais, temos pressa”, disse o ministro.

Questionado sobre o possível acordo com a China e sobre um prazo viável para sua conclusão, o ministro não deu mais informações a jornalistas, se limitando a reiterar que o Brasil precisa olhar para o crescimento asiático em sua estratégia comercial.

“O que nós estamos falando é o seguinte: desde o início nós estamos procurando níveis de integração maior”, afirmou.

Durante sua fala inicial no seminário, o ministro disse, em relação ao comércio com a China, que apesar de o montante negociado passar hoje dos 100 bilhões de dólares, ele particularmente não se incomodaria se a balança com o gigante asiático passasse do superávit ao equilíbrio, “com as importações duplicando ou triplicando”.

“O que queremos é mais integração ainda”, pontuou.

Quanto à Índia, Guedes avaliou que há um grande atraso em relação ao potencial de comércio.

“O maior upside de integração de comércio agora é com a própria Índia porque o comércio é muito baixo”, disse.

Guedes também sublinhou que ao Brasil não interessam guerras comerciais, tensões e incertezas.

“Ao contrário, vamos dançar com todo mundo”, afirmou.

O ministro destacou que, para além das trocas comerciais, o Brasil também quer mais investimentos estrangeiros no país, citando, por exemplo, a carteira do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

Sobre a atuação do NDB, Guedes avaliou que o banco do Brics poderá financiar projetos de infraestrutura, citando portos, rodovias e ferrovias.

“Por exemplo: como escoar toda essa produção do Centro-Oeste brasileiro através de investimentos em ferrovias, para a Calha Norte, para subir, e isso tudo chegar à Ásia em menos tempo e mais barato. Ao mesmo tempo, como cortar através do Peru uma Transpacífica para o Brasil também escoar a produção do Centro-Oeste”, disse. “Tudo isso são possibilidades de financiamento do NDB.”

À Reuters, membros da comitiva do NDB afirmaram que o banco já aprovou empréstimos que somam 1,4 bilhão de dólares ao país até agora. A meta para 2020 é de mais 2 bilhões de dólares em financiamentos, levando o total a 3,4 bilhões de dólares.

NOVO MARCO INSTITUCIONAL PARA PETRÓLEO

Em seu discurso, Guedes também avaliou que o mega leilão de petróleo da cessão onerosa não pode ser considerado um marco institucional em meio à falta de interesse de operadoras internacionais privadas.

Nesse sentido, o ministro afirmou que o governo quer trabalhar num novo marco institucional, sinalizando o abandono ao modelo de partilha nos certames.

“Nosso objetivo não tem que ser maximizar arrecadação e minimizar investimentos futuros, temos que fazer com que competição ocorra numa outra dimensão, quem vai investir mais e não quem vai fechar buraco fiscal este ano”, disse.

CNI. 12/11/2019. Cúpula do BRICS é oportunidade para Brasil avançar em acordos de comércio e de investimento. A Confederação Nacional da Indústria avalia ser possível avançar em 13 negociações bilaterais com Rússia, Índia, China e África do Sul para reduzir custos dos exportadores e dos investidores brasileiros

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) identificou pelo menos 13 acordos de comércio e de investimento entre o Brasil e os demais países do BRICS, Rússia, Índia, China e África do Sul, com potencial de melhorar o ambiente de negócios e facilitar as exportações e os investimentos brasileiros em cada uma dessas economias. Na avaliação do diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi, a Cúpula do BRICS é uma oportunidade para iniciar e avançar nessas negociações.

Segundo Abijaodi, a participação do Brasil no BRICS permite avaliar acordos que devem ser feitos de forma bilateral, apesar do grupo buscar temas de interesse transversal. Entre eles, está o acordo previdenciário do Brasil com a África do Sul e com a Índia. Em março de 2017, os governos brasileiro e indiano finalizaram o texto do acordo de Previdência Social entre os dois países, mas o documento ainda aguarda assinatura. Esse acordo reduz em cerca de 60% os gastos do setor privado com os trabalhadores expatriados.

Além disso, a indústria defende a ampliação do acordo de comércio Mercosul-Índia e Mercosul-União Aduaneira da África Austral (Sacu), bloco da África do Sul. Esses acordos são considerados muito restritos e não são de livre comércio. O tratado com a Índia prevê margens de preferência, com descontos de 10% e 20% no imposto de importação, e engloba apenas 450 produtos, de um universo total de mais de 10,2 mil.

O acordo entre Mercosul e Sacu também é pouco ambicioso. “Ele não inclui temas modernos nas negociações como investimentos, compras governamentais e medidas sanitárias e fitossanitárias. E deixou de fora produtos importantes para a pauta exportadora brasileira como os produtos lácteos, carne de frango, frutas e alimentos processados”, diz Abijaodi.

A indústria também avalia ser importante a modernização dos acordos para evitar dupla tributação (ADT) com a África do Sul, China e Índia. Nos três casos, os governos devem deixar de cobrar imposto de renda dos serviços técnicos na fonte, tribuntando o serviços apenas no destino, além de reduzir a alíquota de tributação sobre juros e sobre royalties de 15% para 10%. Essas mudanças vão adequar esses acordos ao modelo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A CNI defende ainda a negociação de Acordos de Cooperação e Facilitação de Investimento (ACFI) com todos os países do BRICS. E ainda tornar permanente o acordo de propriedade intelectual com a China. “A estrutura do BRICS ainda pode se beneficiar muito desses acordos bilaterais. Precisamos fechar essas lacunas para viabilizar mais comércio e mais investimentos entre as cinco economias”, diz o diretor da CNI.

FÓRUM EMPRESARIAL DO BRICS – A CNI organiza nesta quarta-feira (13), no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), o Fórum Empresarial do BRICS. O evento reúne 800 representantes de governo e do setor privado dos cinco países para debater três temas na agenda do bloco: comércio, infraestrutura e inovação. A CNI é a responsável pela secretaria executiva da Seção Brasileira do Conselho Empresarial do BRICS (CEBRICS). Os Chefes de Estados e Governo dos cinco países participam do encerramento.



VENEZUELA



VENEZUELA. REUTERS. 13 DE NOVEMBRO DE 2019. Grupo ligado a Guaidó ocupa embaixada da Venezuela em Brasília
Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - Um grupo de venezuelanos ligados ao autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, entrou nesta quarta-feira na embaixada do país em Brasília, segundo eles, depois de terem tido o acesso liberado por servidores da representação, enquanto diplomatas ligados ao governo de Nicolás Maduro acusaram os ocupantes de terem invadido o local.

De acordo com informações passadas pela assessoria de María Teresa Belandria, a embaixadora de Guaidó no Brasil, funcionários da embaixada liberaram a entrada do ministro-conselheiro do governo interino, Tomás Silva. Ao ingressar no local, ele e outros membros do grupo de apoio a Guaidó encontraram venezuelanos que moram na representação diplomática.

Segundo informações levantadas pelo Itamaraty, ao saber de da entrada do grupo de Guaidó, representantes de Maduro que ainda estão no Brasil —entre eles o encarregado de negócios e o adido militar— foram até o local para tentar retirá-los, e a situação chegou a ficar tensa.

Um diplomata brasileiro foi enviado ao local, junto com o batalhão Rio Branco —a tropa da Polícia Militar do Distrito Federal encarregada da segurança das embaixadas— para tentar mediar a situação.

Em nota, Belandria afirmou que o Itamaraty foi avisado imediatamente da entrada na embaixada, o que os diplomatas brasileiros negam. O Itamaraty informa que foi avisado apenas na manhã desta quarta, quando enviou um representante para mediar a situação.

O governo brasileiro, no entanto, não tem jurisdição sobre a embaixada, que é oficialmente território venezuelano. De acordo com uma fonte diplomática, a situação é confusa, com um grupo acusando o outro de invasão, e há um impasse no momento.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, discutiu a situação com o presidente Jair Bolsonaro nesta manhã e o Itamaraty deve soltar uma nota, segundo uma fonte da diplomacia brasileira.

O chanceler do governo Maduro, Jorge Arreaza, afirmou no Twitter que a embaixada foi “invadida à força na madrugada” e cobrou o governo brasileiro a garantir a segurança de seu pessoal e de suas instalações. “Exigimos respeito à Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas”, afirmou.

Por volta das 11h da manhã, os aliados de Guaidó ainda estavam dentro da embaixada e os apoiadores de Maduro, do lado da fora. A PM fazia a segurança do entorno.

O governo brasileiro reconheceu Belandria e sua equipe como representantes acreditados do governo de Guaidó em Brasília e não renovou as credenciais dos representantes do governo de Maduro. Os diplomatas, no entanto, não foram expulsos. De acordo com o Itamaraty, é necessário manter as relações consulares entre os dois países, mesmo que a relação diplomática com o atual governo seja praticamente inexistente.

A crise na embaixada acontece às vésperas do início da reunião de cúpula dos Brics (Brasil, Rússia, índia, China, África do Sul), com Brasília tomada por um alto grau de segurança. A Venezuela promete ser um ponto de divergência entre os países.

Enquanto em anos anteriores havia um acordo na defesa do diálogo com o governo de Maduro, dessa vez o novo governo brasileiro tem posição oposto a China e Rússia, que ainda mantêm relações com Maduro.

Bolsonaro repudia interferência de atores externos em situação na embaixada da Venezuela em Brasília. Apoiador do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, briga com apoiador do líder de oposição da Venezuela, Juan Guaidó, do lado de fora da embaixada venezuelana em Brasília

O presidente Jair Bolsonaro repudiou nesta quarta-feira a interferência de atores externos na situação da embaixada da Venezuela em Brasília, e disse que o governo brasileiro está agindo para resguardar a ordem pública respeitando a Convenção de Viena.

“Diante dos eventos ocorridos na Embaixada da Venezuela, repudiamos a interferência de atores externos”, disse o presidente em sua conta no Twitter, sem deixar claro a quais atores estava se referindo.

“Estamos tomando as medidas necessárias para resguardar a ordem pública e evitar atos de violência, em conformidade com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas”, acrescentou.

Mais cedo, um grupo de venezuelanos ligados ao autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, entrou na embaixada do país em Brasília.

Segundo integrantes do grupo, isso ocorreu depois de terem tido o acesso liberado por servidores da representação, enquanto diplomatas ligados ao governo do presidente Nicolás Maduro acusaram os ocupantes de terem invadido o local.

Por Alexandre Caverni, em São Paulo



BOLÍVIA



BOLÍVIA. REUTERS. 13 DE NOVEMBRO DE 2019. Morales critica OEA e diz que entidade serve ao "império" dos EUA. Ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, concede entrevista coletiva na Cidade do México

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - O ex-presidente da Bolívia Evo Morales atacou nesta quarta-feira as conclusões da Organização dos Estados Americanos (OEA) de que houve sérias irregularidades durante a eleição de 20 de outubro, que levaram a protestos que provocaram sua renúncia.

“A OEA tomou uma decisão política, não uma decisão técnica ou legal”, disse Morales em entrevista coletiva na Cidade do México, onde ele chegou na condição de asilado na terça-feira.

“A OEA está a serviço do império norte-americano”, disse.

Morales também afirmou que está disposto a retornar à Bolívia caso o povo boliviano lhe peça.

Reportagem de Diego Oré

Presidente interina chega à sede do governo da Bolívia; protestos continuam. Membros das Forças Armadas da Bolívia protegem entrada de Palácio Presidencial em La Paz

LA PAZ (Reuters) - A líder interina da Bolívia, Jeanine Áñez, chegou nesta quarta-feira à Casa do Governo, no centro de La Paz, para assumir suas funções depois de se autoproclamar presidente no dia anterior na tentativa de acabar com o vácuo de poder surgido após a renúncia de Evo Morales.

Em meio à crise política desencadeada pela saída de Morales sob pressão das Forças Armadas, os enfrentamentos entre seguidores e opositores do ex-presidente continuavam. Na tarde desta quarta-feira se espera uma grande manifestação convocada por um sindicato de professores da capital boliviana.

Áñez chegou de manhã ao “Palácio Quemado”, como é conhecido o edifício presidencial boliviano histórico, que Morales havia deixado de usar por considerá-lo um símbolo do velho poder.

A presidenta interina é questionada pelos partidários de Morales porque a Assembleia Legislativa na qual assumiu a Presidência interinamente não reuniu o quórum necessário devido à ausência dos parlamentares leais ao ex-presidente, que na segunda-feira deixou o país para se asilar no México.

Com a ascensão de Áñez, a oposição pretende preencher o vácuo de poder surgido após a renúncia de Morales, de seu vice-presidente e dos titulares de ambas as câmaras do Congresso.

O líder indígena abandonou o cargo no domingo denunciando um golpe de Estado depois que as Forças Armadas lhe “sugeriram” renunciar em meio aos grandes protestos de opositores que o acusavam de cometer fraude nas eleições de 20 de outubro.

A situação institucional da Bolívia provocou divisões na América Latina entre uma centro-direita que considera que Morales cometeu fraude e devia deixar o poder e uma centro-esquerda que aponta um golpe de Estado contra ele.

Nesta quarta-feira, o governo do presidente Jair Bolsonaro reconheceu Áñez como presidente da Bolívia através de uma mensagem no Twitter.

Por Mónica Machicao e Daniel Ramos



COMÉRCIO VAREJISTA



IBGE. 13/11/2019. Vendas do varejo crescem 0,7% em setembro

As vendas no varejo cresceram 0,7% em setembro de 2019 na comparação com agosto do mesmo ano. É o quinto resultado positivo consecutivo, período em que o segmento acumulou ganho de 2,4%. Com esses resultados, a recuperação em curso, após recuos seguidos em 2015 e 2016, registrou a menor distância em relação ao nível recorde alcançado em outubro de 2014, situando-se 4,7% abaixo desse patamar.

PeríodoVarejoVarejo Ampliado
Volume de vendasReceita nominalVolume de vendasReceita nominal
Setembro / Agosto*0,70,70,90,7
Média móvel trimestral*0,60,60,60,3
Setembro 2019 / Setembro 20182,13,54,45,6
Acumulado 20191,34,63,66,3
Acumulado 12 meses1,55,13,86,7
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria
*Série COM ajuste sazonal 

Com o maior dinamismo da atividade comercial nos últimos três meses, o índice de média móvel no trimestre encerrado em setembro (0,6%) acentua ritmo de crescimento frente à estabilidade que vinha sendo observada entre março e junho de 2019.

Comparado a setembro de 2018, o varejo cresceu 2,1%, sexta taxa positiva seguida. Assim, os índices do setor comercial foram positivos tanto para o fechamento do terceiro trimestre de 2019 (2,6%), como para o acumulado dos nove primeiros meses do ano (1,3%), ambas as comparações contra iguais períodos do ano anterior. O indicador acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 1,4% em agosto para 1,5% em setembro, sinaliza estabilidade no ritmo de vendas.

Já no varejo ampliado, que inclui as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, o volume de vendas teve expansão de 0,9% em relação a agosto de 2019, sétima taxa positiva seguida, período em que acumulou ganho de 4,0%. Assim, a média móvel do trimestre encerrado em setembro (0,6%) mostrou aumento no ritmo das vendas, se comparada à média móvel no trimestre encerrado em agosto (0,3%).

Frente a setembro de 2018, o comércio varejista ampliado avançou 4,4%, sexta taxa positiva consecutiva. Com isso, o varejo ampliado cresceu 3,6% no indicador acumulado no ano e de 4,4% no terceiro trimestre de 2019. O indicador acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 3,7% até agosto para 3,8% até setembro, também apontou estabilidade nessa comparação.

Sete das oito atividades pesquisadas cresceram em setembro

Sete das oito atividades pesquisadas pela PMC tiveram resultados positivos em setembro, contribuindo para compor a taxa de 0,7% do varejo. As pressões positivas foram exercidas por Móveis e eletrodomésticos (5,2%), Tecidos, vestuário e calçados (3,3%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,8%), Combustíveis e lubrificantes (1,2%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,5%), Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,2%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (0,2%). A única taxa negativa ocorreu em Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-2,0%), após avanço de 3,8% no mês anterior.

Considerando o comércio varejista ampliado, o volume de vendas em setembro cresceu 0,9% frente a agosto de 2019, na série com ajuste sazonal, com predominância de taxas positivas, alcançando também Veículos, motos, partes e peças (1,2%) e Material de construção (1,5%), ambos, respectivamente, após recuos de 1,7% e 0,6% registrados no mês anterior.

Em setembro de 2019, frente a igual mês do ano anterior, o comércio varejista registrou avanço de 2,1%, sexta taxa positiva seguida. O efeito calendário pressionou positivamente o resultado do mês, na medida em que setembro de 2019 (21 dias) teve dois dias úteis a mais do que igual mês do ano anterior (19 dias).

Entre as atividades em crescimento estão Outros artigos de uso pessoal e doméstico (8,5%), seguido por Móveis e eletrodomésticos (8,2%) e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (6,7%). O setor de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,1%) perdeu ritmo e manteve-se próximo da estabilidade, enquanto Combustíveis e lubrificantes (-0,5%), Tecidos, vestuário e calçados (-1,8%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-1,3%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (-15,7%) registraram taxas negativas. Com avanço de 4,4%, frente a setembro de 2018, o comércio varejista ampliado teve a sexta taxa positiva. O resultado refletiu, principalmente, a contribuição do desempenho de Veículos, motos, partes e peças (10,5%), enquanto Material de construção apresentou variação de 5,7%.

INDICADORES DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA E COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO,
SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES: Setembro 2019 - Brasil
ATIVIDADESMÊS/MÊS ANTERIOR (1)MÊS/IGUAL MÊS DO ANO ANTERIORACUMULADO
Taxa de Variação (%)Taxa de Variação (%)Taxa de Variação (%)
JULAGOSETJULAGOSETNO ANO12 MESES
COMÉRCIO VAREJISTA (2)0,70,20,74,31,42,11,31,5
1 - Combustíveis e lubrificantes0,5-3,31,25,0-2,8-0,50,5-0,3
2 - Hiper, supermercados, prods.  alimentícios, bebidas e fumo1,10,60,21,72,50,10,30,8
       2.1 - Super e hipermercados1,00,60,12,12,80,30,71,2
3 - Tecidos, vest. e calçados0,8-2,13,36,5-3,4-1,8-0,30,5
4 - Móveis e eletrodomésticos1,7-1,95,27,4-1,38,20,80,0
       4.1 - Móveis---9,73,08,44,62,4
       4.2 - Eletrodomésticos---6,4-3,58,1-0,7-0,9
5 - Artigos farmaceuticos, med., ortop. e de perfumaria0,6-0,20,58,55,26,76,46,6
6 - Livros, jornais, rev. e papelaria2,20,40,2-18,1-16,9-15,7-24,4-25,5
7 - Equip. e mat. para escritório, informatica e comunicação-0,63,8-2,0-1,1-3,5-1,3-0,7-0,3
8 - Outros arts. de uso pessoal e doméstico2,30,11,88,14,78,55,36,3
COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO (3)0,70,10,97,71,44,43,63,8
9 - Veículos e motos, partes e peças-1,0-1,71,217,62,710,510,611,2
10- Material de construção1,0-0,61,58,1-1,55,73,93,5
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria.
(1) Séries com ajuste sazonal.
(2) O indicador do comércio varejista é composto pelos resultados das atividades numeradas de 1 a 8.
(3) O indicador do comércio varejista ampliado é composto pelos resultados das atividades numeradas de 1 a 10

Frente a setembro de 2018, o segmento de Outros artigos de uso pessoal e doméstico (8,5%), que engloba lojas de departamentos, óticas, joalherias, artigos esportivos, brinquedos, etc., ganhou ritmo em relação ao resultado de agosto (4,7%) e exerceu a maior contribuição ao resultado geral do varejo. O indicador acumulado nos últimos 12 meses registrou taxa de 6,3%, com ganho de ritmo em relação ao resultado de agosto (5,9%).

Móveis e eletrodomésticos (8,2%) exerceram o segundo maior impacto positivo na formação da taxa de setembro de 2019, após recuo de 1,3% registrado no mês de agosto.  Com isso, o indicador acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de uma variação de -0,8% até agosto para 0,0% em setembro, interrompeu sequencia de nove taxas negativas que vinham sendo observadas desde dezembro de 2018  (-1,3%).

A atividade de Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (6,7%) registrou o 29º crescimento consecutivo e exerceu a terceira maior contribuição para a taxa global do varejo. Em termos de resultado acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 6,2% até agosto para 6,6% em setembro, houve aumento na intensidade de crescimento.

O setor de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,1%) registrou a quarta taxa positiva consecutiva nessa comparação, porém a de menor magnitude entre elas. O desempenho da atividade vem sendo sustentado pela estabilidade da massa de rendimento real habitualmente recebida, a despeito da elevação dos preços do grupamento alimentação no domicílio. A análise pelo indicador acumulado nos últimos 12 meses assinalou estabilidade no resultado de setembro (0,8%) frente ao de outubro (0,8%).

Combustíveis e lubrificantes (-0,5%) exerceu contribuição negativa para o resultado total do varejo. Com isso, o indicador anualizado, acumulado nos últimos 12 meses (-0,3%) permanece no campo negativo desde março de 2015 (-0,3%).

O setor de Tecidos, vestuário e calçados (-1,8%) registrou a segunda taxa negativa consecutiva nessa comparação. Com isso, o indicador acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 0,7% em agosto para 0,5% em setembro, mantém a perda de ritmo iniciada em julho de 2019 (1,3%).

A atividade de Livros, jornais, revistas e papelaria (-15,7%) teve a 26ª variação negativa seguida. O comportamento desta atividade vem sendo influenciado pelas mudanças na forma de comercialização dos principais itens da atividade. Com isso, o indicador anualizado, acumulado nos últimos 12 meses, sinaliza estabilidade de ritmo ao repetir em setembro (-25,5%) a mesma variação de agosto (-25,5%).

O segmento de Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-1,3%) mostrou a quarta taxa negativa seguida. O indicador acumulado nos últimos 12 meses (-0,3%) intensifica o ritmo de queda nas vendas em relação a agosto (-0,1%).

O setor de Veículos, motos, partes e peças (10,5%) assinalou sexta taxa seguida positiva, exercendo a maior contribuição positiva ao resultado de setembro para o varejo ampliado. A análise pelo indicador acumulado nos últimos 12 meses, ao registrar 11,2 % até setembro, mostrou estabilidade em relação ao acumulado até agosto (11,3%),

Material de Construção (5,7%) voltou a mostrar crescimento após queda de 1,5% em agosto nessa comparação. O indicador acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 2,9% em agosto para 3,5% em setembro, mostrou ganho de ritmo nas vendas nessa comparação.

Varejo avança 2,6% no 3º trimestre de 2019

Sob a ótica trimestral, o comércio varejista, ao avançar 2,6% no terceiro trimestre de 2019, mantém o comportamento positivo presente há dez trimestres consecutivos, todas as comparações contra igual trimestre do ano anterior. O aumento na intensidade das vendas do comércio varejista na passagem do segundo (1,0%) para o terceiro (2,6%) trimestre de 2019 foi observada na grande maioria das atividades com destaque para Móveis e eletrodomésticos (de -0,3% para 4,7%) e Tecidos, vestuário e calçados (-1,9% para 0,5%). Por outro lado, apresentando perda de ritmo em relação ao segundo trimestre 2019, figuram somente Combustíveis e lubrificantes (de 0,9% para 0,5%) e Veículos, motos, partes e peças (de 13,6% para 10,0%) conforme mostra Tabela 2.

Vendas avançam em 22 das 27 unidades da federação

Na comparação com setembro de 2019, o varejo teve acréscimo de 0,7%, com predomínio de resultados positivos em 22 das 27 Unidades da Federação, com destaque para Minas Gerais (7,7%), Rondônia (6,3%) e Espírito Santo (4,0%). Por outro lado, pressionando negativamente, figuram cinco das 27 Unidades da Federação, com destaque para Amapá (-1,4%) e Maranhão (-1,3%).

Para essa mesma comparação, no comércio varejista ampliado, a variação entre agosto e setembro foi de 0,9%, com predomínio de resultados positivos em 21 das 27 Unidades da Federação, destacando-se: Goiás (4,0%), Piauí (3,9%) e Minas Gerais (3,5%). Por outro lado, figuram seis das 27 Unidades da Federação com resultados negativos, com destaque para o Amapá (-4,4%).

Frente a setembro de 2018, a variação das vendas do comércio varejista nacional mostrou aumento de 2,1%, com predomínio de resultados positivos em 16 das 27 Unidades da Federação, com destaque para Amapá (21,3%), Amazonas (12,5%) e Tocantins (9,7%). Por outro lado, pressionando negativamente, figuram 11 das 27 Unidades da Federação, com destaque para Sergipe (-4,8%), Rio Grande do Sul (-3,8%) e Rondônia (-3,7%). Quanto à participação na composição da taxa do varejo, veio de São Paulo (2,3%), Minas Gerais (6,4%) e Santa Catarina (9,6%) os principais impactos positivos.

Considerando o comércio varejista ampliado, no confronto com setembro de 2018, o aumento de 4,4% teve predomínio de resultados positivos, alcançando 21 das 27 Unidades da Federação, com destaque para Amapá (28,3%), Santa Catarina (13,1%) e Tocantins (11,3%). Por outro lado, pressionando negativamente, figuram seis das 27 Unidades da Federação, com destaque para Piauí (-2,7%), Rondônia (-2,5%) e Rio Grande do Sul (-1,7%). Quanto à participação na composição da taxa do varejo ampliado, novamente se observa destaque para São Paulo (4,8%), Minas Gerais (9,1%) e Santa Catarina (13,1%).

Vendas aumentam 0,7% em setembro e acumulam cinco altas consecutivas. As maiores altas nas vendas ocorreram nos segmentos de móveis e eletrodomésticos

Com altas generalizadas em sete das oito atividades pesquisadas, o volume de vendas do comércio varejista nacional cresceu 0,7%, em setembro em comparação com agosto. Este é o quinto resultado positivo consecutivo do setor no ano, com ganho acumulado de 2,4% no período, de acordo com Pesquisa Mensal de Comércio, divulgada hoje pelo IBGE.

As maiores altas em setembro ocorreram nos segmentos de Móveis e eletrodomésticos (5,2%), Tecidos, vestuário e calçados (3,3%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,8%) e Combustíveis e lubrificantes (1,2%).

Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,5%), Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,2%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (0,2%) mantiveram-se estáveis. A única taxa negativa foi observada em Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-2,0%), após avanço de 3,8% no mês anterior.

“Vale ressaltar a desaceleração das vendas no segmento de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,2%), que nos últimos meses vinha impactando positivamente o desempenho do setor varejista. O segmento cresce, mas a um ritmo menor em setembro”, analisou a gerente da pesquisa, Isabella Nunes.


Volume de vendas no comércio varejista (%)



Clique e arraste para zoom
Variação mês / mês anterior com ajuste sazonal | Brasiloutubro 2018novembro 2018dezembro 2018janeiro 2019fevereiro 2019março 2019abril 2019maio 2019junho 2019julho 2019agosto 2019setembro 2019-4-2024janeiro 20190,5 %
Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Comércio

Os índices do comércio varejista foram positivos tanto para o fechamento do terceiro trimestre de 2019 (2,6%), como para o acumulado dos nove primeiros meses do ano (1,3%), ante iguais períodos do ano anterior. No acumulado nos últimos 12 meses, o indicador ficou estável passando de 1,4% em agosto para 1,5% em setembro.

Isabella destacou que o trimestre encerrado em setembro é o décimo positivo e mostra uma recuperação no ritmo de venda em relação ao primeiro (0,3%) e o segundo (1%) trimestres. “Os números mostram um dinamismo nos últimos meses, evidenciando um maior ritmo da atividade comercial. Houve uma recuperação ao longo de 2019 e o terceiro trimestre mostrou um ritmo mais forte de vendas, espalhando o crescimento de outras atividades para além das vendas de hipermercado”, ressaltou.

Varejo cresce 2,1% em relação a setembro do ano passado

Em comparação com setembro de 2018, o varejo cresceu 2,1%, sexta taxa positiva seguida. Isabella ressalvou que, apesar do resultado positivo do mês, deve-se considerar o efeito calendário, pelo fato de setembro ter tido mais dois dias úteis que o mesmo mês de 2018.

O desempenho foi puxado pelas expansões de Outros artigos de uso pessoal e doméstico (8,5%), Móveis e eletrodomésticos (8,2%) e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (6,7%). O setor de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,1%) perdeu ritmo e registrou variação próxima a estabilidade.

Combustíveis e lubrificantes (-0,5%), Tecidos, vestuário e calçados (-1,8%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-1,3%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (-15,7%) registraram taxas negativas.

Considerando o comércio varejista ampliado, que inclui, além do varejo, as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, o volume de vendas mostrou expansão de 0,9% em relação a agosto de 2019, sétima taxa positiva seguida, período em que o varejo ampliado acumulou ganho de 4,0%. “O resultado de setembro de 2019 refletiu, principalmente, a contribuição do desempenho de Veículos, motos, partes e peças (10,5%) e Material de construção (5,7%), que têm vendas de atacado para empresas”, disse Isabella.

Em setembro de 2019, contra setembro de 2018, o comércio varejista ampliado mostrou avanço de 4,4%, sexta taxa positiva consecutiva. Com isso, o varejo ampliado acumulou avanço de 3,6% no indicador acumulado no ano e de 4,4% no terceiro trimestre de 2019. O indicador acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 3,7% até agosto para 3,8% até setembro, também apontou estabilidade nessa comparação.

DOCUMENTO: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25993-vendas-do-varejo-crescem-0-7-em-setembro



AGRICULTURA



IBGE. 13/11/2019. Para 2020, IBGE prevê recuo de 1,0% na safra de grãos

Em outubro, o primeiro prognóstico para a safra 2020 é de 238,5 milhões de toneladas, com redução de 1,0% em relação a 2019 (ou menos 2 357 854 toneladas). Espera-se queda na produção do milho 2ª safra (-7,5% ou menos 7 542 012 toneladas) e um crescimento de 4,7% para a soja (ou mais 5 353 363 toneladas).

Entre os cinco produtos de maior peso na safra, são esperados três recuos na produção: algodão herbáceo (-0,1%), feijão 1ª safra (-1,5%) e o milho 1ª safra (-1,2%). Já as variações positivas serão: arroz (1,6%) e soja (4,7%). Com relação à área, as variações positivas são: algodão herbáceo em caroço (4,4%), soja (0,8%) e milho (0,4%). Espera-se reduções de área no feijão 1ª safra (-0,3%) e no arroz (-0,9%).

PRODUÇÃO DE CEREAIS, LEGUMINOSAS E OLEAGINOSAS - 1º PROGNÓSTICO PARA 2020 - BRASIL
Produtos AgrícolasProjeção%Prognóstico%TotalPart %
ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço)131 0743,14 066 64396,94 197 7171.8
AMENDOIM (em casca) - TOTAL557 33995,824 1774,2581 5160.2
AMENDOIM (em casca) 1ª safra550 61496,122 3063,9572 9200.2
AMENDOIM (em casca) 2ª safra6 72578,21 87121,88 5960.0
ARROZ (em casca)339 4793,210 154 10596,810 493 5844.4
AVEIA (em grão)889 78698,513 9861,5903 7720.4
CENTEIO (em grão)8 263100-08 2630.0
CEVADA (em grão)340 274100-0340 2740.1
FEIJÃO (em grão) - TOTAL1 261 76944,31 584 80855,72 846 5771.2
FEIJÃO (em grão) 1ª safra209 90216,41 073 04983,61 282 9510.5
FEIJÃO (em grão) 2ª safra695 31263,1406 44236,91 101 7540.5
FEIJÃO (em grão) 3ª safra356 55577,2105 31722,8461 8720.2
GIRASSOL (em grão)9 0247,5110 63192,5119 6550.1
MAMONA (baga)0027 87610027 8760.0
MILHO (em grão) - TOTAL30 038 58132,462 655 75667,692 694 33738.9
MILHO (em grão) 1ª safra3 219 52112,622 386 30487,425 605 82510.7
MILHO (em grão) 2ª safra26 819 0604040 269 4526067 088 51228.1
SOJA (em grão)14 456 27112,2103 915 23487,8118 371 50549.6
SORGO (em grão)1 167 79945,61 394 73354,42 562 5321.1
TRIGO (em grão)5 269 90999,714 4000,35 284 3092.2
TRITICALE (em grão)29 930100-029 9300.0
TOTAL54 499 49822,9183 962 34977,1238 461 847100.0
Fonte: IBGE, Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, Out/2019.
NOTA: Para as Unidades da Federação que ainda não dispõem das estimativas iniciais, os dados correspondem à uma projeção obtida a partir das informações de anos anteriores.
(1) Caroço de algodão (61% do algodão em caroço).

ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) – O primeiro prognóstico da safra para 2020 estimou uma produção de 6,9 milhões de toneladas, declínio de 0,1% em relação a 2019. A área plantada, de 1,7 milhão de hectares, deve crescer 4,4%. Em 2019, as chuvas mais abundantes e regulares nas principais regiões produtoras do Mato Grosso e da Bahia, beneficiaram as lavouras que alcançaram uma elevada produtividade (4 234 kg/ha). Para 2020, as incertezas quanto ao clima estão reduzindo a estimativa do rendimento médio.

O Mato Grosso estimou uma produção de 4,7 milhões de toneladas, com alta de 0,5% em relação a 2019, e deve responder por 67,9% da produção nacional. Estima-se um aumento de área plantada de 5,7%, alcançando 1,2 milhão de hectares, mas o rendimento médio foi revisto para baixo (-4,9%), devendo alcançar 4 001 kg/ha.

ARROZ (em casca) – A primeira estimativa para a safra nacional de 2020 é de uma produção de 10,5 milhões de toneladas, crescimento de 1,6% em relação a 2019. O rendimento médio deve crescer 2,6%, para 6 262 kg/ha, enquanto a área plantada deve apresentar declínio de 1,8%. O Rio Grande do Sul, maior produtor de arroz do país, deve participar com 69,9% do total a ser colhido em 2020. A produção gaúcha foi estimada em 7,3 milhões de toneladas, crescimento de 2,2% em relação a 2019. A área plantada estimada de arroz recuou 2,7%, enquanto o rendimento estimado cresceu 3,5%, para 7 678 kg/ha. Em Santa Catarina, segundo produtor nacional, produção esperada é de 1,1 milhão de toneladas, com rendimento de 7 470 kg/ha e alta de 0,6% em relação a 2019.

FEIJÃO (em grão) – A primeira estimativa da produção de feijão para a safra 2020 é de 2,8 milhões de toneladas, declínio de 7,0% em relação à safra colhida em 2019. A 1ª safra deve produzir 1,3 milhão de toneladas; a 2ª safra uma produção de 1,1 milhão de toneladas e a 3ª safra, 461,9 mil toneladas. A área a ser colhida 1ª safra (1,6 milhão de hectares) recuou 1,5% em relação a 2019, e o rendimento médio (836 kg/há), recuou 1,2%.

O plantio e a colheita da 2ª e 3ª safra de feijão ocorrerão em 2020. Assim, as estimativas de produção podem ter grandes alterações nos próximos prognósticos, bem como os dados mensais do Levantamentos Sistemáticos da Produção Agrícola para 2020.

MILHO (em grão) – O primeiro prognóstico de milho em grão para 2020 estima uma produção de 92,7 milhões de toneladas, declínio de 7,5% em relação à safra 2019, o que representa uma redução de 7,5 milhões de toneladas. Mantém-se a tendência de um maior volume de produção do milho em 2ª safra, devendo esta safra participar com 72,4% da produção nacional para 2020, contra 27,6% de participação da 1ª safra de milho.

Para a 1ª safra de milho, a previsão é de 25,6 milhões de toneladas, 1,2% menor que em 2019. Aguarda-se declínio de 0,7% na área plantada e alta de 0,4% na área colhida. Para o rendimento médio, aguarda-se queda de 1,6%. Apesar dos preços atuais serem superiores aos da época da decisão de plantio da 1ª safra de 2019, os produtores não devem aumentar os investimentos no milho, pois a soja tem maior expectativa de rentabilidade.

Para o milho 2ª safra, a estimativa da produção é de 67,1 milhões de toneladas, declínio de 9,7% em relação a 2019, apesar de crescimento de 0,4% na área a ser colhida. Na safra 2019, o prolongamento das chuvas no primeiro semestre beneficiou a segunda safra.

Cerca de 40% das estatísticas de produção do milho segunda safra vêm de projeções nas médias dos cinco últimos anos, excluindo o rendimento médio da segunda safra de 2019, muito superior aos quatro anos anteriores. Isso reduziu a estimativa da produção.

SOJA (em grão) – A primeira estimativa de produção para 2020 soma 118,4 milhões de toneladas, crescimento de 4,7% em relação a 2019. A área a ser plantada é de 36,0 milhões de hectares, aumento de 0,7%. O rendimento médio estimado é de 3 286 kg/ha, aumento de 3,9%. Em 2019, houve excesso de calor e restrições de chuvas no Paraná, em São Paulo e no Mato Grosso do Sul, prejudicando a safra brasileira. Com os preços mais compensadores em relação ao milho, os produtores devem ampliar as áreas da soja que, em 2020, devem representar 56,8% da área total do plantio de grãos do País.

Em 2020, o Mato Grosso, deve responder por 26,6% do total produzido pelo País e colher 31,4 milhões de toneladas, com declínio de 2,4% em relação a 2019. O Paraná, segundo maior produtor (16,7% do total nacional) estima produzir 19,8 milhões de toneladas, com alta de 22,6%. O Rio Grande do Sul, terceiro maior produtor, estimou uma produção de 19,2 milhões de toneladas, com alta de 3,6% em relação a 2019.

Estimativa de outubro: safra 2019 deve crescer 6,3% em relação a 2018

A estimativa de outubro para a safra 2019 de cereais, leguminosas e oleaginosas alcançou 240,8 milhões de toneladas, 6,3% superior à de 2018 (226,5 milhões de toneladas), com crescimento de 77,5 mil toneladas em relação à estimativa do mês anterior (0,0%). O recorde anterior fora de 2017 (238,4 milhões de toneladas). A estimativa da área a ser colhida foi de 63,1 milhões de hectares, com alta de 3,6% frente a 2018. Em relação ao mês anterior, a estimativa da área a ser colhida cresceu 71,3 mil hectares (0,1%).

O arroz, o milho e a soja, os três principais produtos deste grupo, somados, representaram 92,8% da estimativa da produção e 87,0% da área a ser colhida.

Para a soja, foi estimada uma produção de 113,0 milhões de toneladas. Para o milho, uma produção recorde de 100,2 milhões de toneladas (25,9 milhões de toneladas de milho na primeira safra e 74,3 milhões de toneladas de milho na segunda safra). O arroz teve uma produção estimada de 10,3 milhões de toneladas e, para o algodão, uma produção de 6,9 milhões de toneladas, este último também um recorde da série histórica do IBGE. Em relação à 2018, ocorreram decréscimos de 4,1% para a soja e de 12,0% para o arroz, bem como acréscimos de 23,2% para o milho e de 39,7% para o algodão herbáceo.

Em relação a setembro, houve altas nas estimativas da produção da castanha de caju (9,4% ou 11,5 mil toneladas), do tomate (1,8% ou 72,2 mil toneladas), da uva (1,3% ou 18,7 mil toneladas), do algodão herbáceo (0,5% ou 33,9 mil toneladas), café canephora (0,1% ou 1,0 mil toneladas), e declínios nas estimativas do sorgo (-0,5% ou 13,8 mil toneladas), café arábica (-0,8% ou 17,3 mil toneladas), da cevada (-1,8% ou 7,7 mil toneladas), da aveia (-2,9% ou 28,3 mil toneladas) e do trigo (-3,0% ou 164,3 mil toneladas).

 

A distribuição regional do volume da produção foi: Centro-Oeste, 111,2 milhões de toneladas; Sul, 77,3 milhões de toneladas; Sudeste, 23,4 milhões de toneladas; Nordeste, 19,2 milhões de toneladas e Norte, 9,7 milhões de toneladas. Em relação a 2018, houve alta de 8,4% no Norte, de 10,1% no Centro-Oeste, de 3,8% no Sul, de 0,4% no Nordeste e de 2,3% no Sudeste. Mato Grosso é o maior produtor nacional, com participação de 28,0%.

ESTIMATIVAS DE OUTUBRO EM RELAÇÃO À SAFRA OBTIDA EM 2018

As variações mais acentuadas nas estimativas das produções foram em Rondônia (166 241 t), Minas Gerais (37 913 t), Tocantins (31 693 t), Rio Grande do Sul (14 471 t), Espírito Santo (-112 t), Rio Grande do Norte (-1 652 t), Ceará (-1 671 t), Goiás (-4 279 t), Sergipe
(-9 778 t), Santa Catarina (-14 012 t) e Paraná (-141 342 t).

ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) – A produção de algodão foi de 6,9 milhões de toneladas, crescimento de 0,5% em relação ao mês anterior. Em Minas Gerais, a produção mineira foi de 169,0 mil toneladas, com alta de 24,6%, devido aos bons preços na época de plantio, com a maior demanda chinesa, e à boa rentabilidade com o produto em 2018.

CAFÉ (em grão) – A estimativa da produção brasileira de café foi de 3,0 milhões de toneladas, ou 50,0 milhões de sacas de 60 kg, redução de 16,5% em relação a 2018. Em relação ao mês anterior, a produção foi 0,5% menor.

Para o café arábica, a produção estimada foi de 2,1 milhões de toneladas, ou 34,8 milhões de sacas de 60 kg, declínio de 0,8% em relação ao mês anterior. No Espírito Santo, as estimativas declinaram 8,7% em decorrência da queda de 8,5% no rendimento médio. A área plantada e a área a ser colhida declinaram 0,1%.

Para o café canephora, ou conillon, a produção estimada foi de 912,4 mil toneladas, ou 15,2 milhões de sacas de 60 kg, alta de 0,1% em relação ao mês anterior.

Produção e variação anual por produto
ProdutoProdução 2018 (t)Produção 2019 (t)Variação (%)
Algodão Herbáceo4.930.5186.888.37039,7
Amendoim (1ª safra)546.517548.1050,3
Amendoim (2ª safra)11.36112.1727,1
Arroz11.736.35310.325.864-12,0
Aveia890.235938.6635,4
Batata-inglesa (1ª safra)1.636.7371.695.7643,6
Batata-inglesa (2ª safra)1.182.0001.211.3262,5
Batata-inglesa (3ª safra)1.028.300935.603-9,0
Centeio8.1849.40714,9
Cevada325.081408.35725,6
Feijão (1ª safra)1.514.0841.303.091-13,9
Feijão (2ª safra)1.003.1471.171.18116,8
Feijão (3ª safra)456.701585.32528,2
Girassol137.969131.048-5,0
Mamona19.31429.55853,0
Milho (1ª safra)25.743.07725.922.4810,7
Milho (2ª safra)55.621.45874.313.86833,6
Soja117.833.492113.018.142-4,1
Sorgo2.251.8622.566.23914,0
Trigo5.305.0675.303.8000,0
Triticale41.66430.494-26,8

CASTANHA-DE-CAJU (amêndoa) – A produção foi de 133,9 mil toneladas, crescimento de 9,4% em relação ao mês anterior. O rendimento médio cresceu 9,8%. No Ceará, houve reavaliação da produção, com aumento de 17,6%. As chuvas do segundo semestre beneficiaram a produção, que alcançou 78,0 mil toneladas, ou 58,2% da produção nacional.

CEREAIS DE INVERNO (em grão) – A safra de inverno foi estimada em 6 650 820 toneladas, com o trigo participando com 79,8% do total, ou 5 303 800 toneladas; a aveia com 14,1% (938 663 toneladas) e a cevada com 6,1% (408 357 toneladas).

A área plantada do trigo, principal lavoura de inverno brasileira, será de 2,1 milhões de hectares, com queda de 3,0% na produção, e redução de 3,1% no rendimento médio. No Paraná, a estimativa de produção (2,2 milhões de toneladas) recuou 7,9%, devido às geadas. No Rio Grande do Sul, a estimativa (2,3 milhões de toneladas) cresceu 1,1%.

A estimativa para a produção da aveia foi de 938,7 mil toneladas, um declínio de 2,9% em relação ao mês anterior, devido à redução de 2,2% no rendimento médio e de 0,8% na área colhida. Houve declínios na produção do Paraná (-2,8%), Santa Catarina (22,4%) e Rio Grande do Sul (-2,3%), que respondem por 92,6% da produção nacional.

Para a cevada, a produção estimada (408,4 mil toneladas) recuou 1,9%. A área a ser colhida (111,6 mil há) cresceu 3,1% e o rendimento médio (de 3 660 kg/há) declinou 4,8%. O Paraná informou uma estimativa de produção de 244,3 mil toneladas (-5,2% em relação ao mês anterior). Em Santa Catarina, a produção esperada é de 3,3 mil toneladas (-25,5%). Já estimativa da produção gaúcha (148,0 mil toneladas) cresceu 3,6%.

SORGO (em grão) - A estimativa alcançou 2,6 milhões de toneladas, declínio de 0,5% em relação a setembro. O maior declínio na produção (-1,5%), foi em Goiás, principal produtor, com participação de 42,6%. No Tocantins, houve alta de 2,8% na produção.

TOMATE – A estimativa da produção brasileira foi de 4,1 milhões de toneladas, crescimento de 1,8% em relação ao mês anterior. A estimativa de área plantada (58,1 mil hectares) cresceu 1,8%, e o rendimento médio, crescimento de 1,2%. O aumento da produção em relação ao mês anterior se deve às reavaliações em Goiás (3,6%), Minas Gerais (3,0%) e Ceará (11,3%). Houve declínios da produção no Espírito Santo (-1,9%), em Santa Catarina (-0,1%) e no Rio Grande do Sul (-0,1%).

IBGE estima queda de 1% na safra de grãos em 2020. Apesar do prognóstico de queda, a safra 2020 deve ser a segunda maior da série

A safra nacional de grãos deve somar 238,5 milhões de toneladas em 2020, segundo o primeiro prognóstico do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado hoje (13) pelo IBGE. Isso corresponde a uma redução de 1% em relação à colheita estimada para 2019, uma diferença de 2,3 milhões de toneladas. Apesar da queda, essa é a segunda maior estimativa da série histórica iniciada em 1975, ficando atrás somente de 2017 (240,6 milhões).

A redução decorre, principalmente, da menor produção prevista para o milho (-7,5%), enquanto para a soja espera-se um crescimento de 4,7%. O primeiro prognóstico de milho estima uma produção de 92,7 milhões de toneladas no próximo ano, o que representa uma redução de 7,5 milhões de toneladas em relação a 2019. O levantamento mantém a tendência de um maior volume de produção do milho em segunda safra, com 72,4% de participação na produção nacional para 2020, contra 27,6% de participação da primeira safra de milho.

Para o pesquisador do IBGE, Carlos Barradas, a conjuntura não é tão benéfica para a segunda safra de milho em 2020 quanto a de 2019. “O ano agrícola iniciou-se de forma normal, com o plantio da soja sendo realizado, em sua maior parte, na segunda quinzena de outubro, portanto, a janela de plantio para o milho segunda safra deve ser mais restrita”, disse ele.

Já a produção de soja deve crescer 4,7% em 2020, chegando a 118,4 milhões de toneladas. A área a ser plantada com o grão deve ser de 36 milhões de hectares, aumento de 0,7%. Dentre os maiores produtores, o Mato Grosso, estima colher 31,4 milhões de toneladas, declínio de 2,4% em relação a 2019, apesar de aumento de 0,4% na área a ser plantada. O Paraná, segundo maior produtor, espera produzir 19,8 milhões de toneladas, aumento de 22,6%, recuperando-se de um 2019 em que teve sua safra comprometida pela estiagem durante o ciclo da cultura.

Em 2019, safra deve ter novo recorde

O IBGE também divulgou hoje que a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve atingir um novo recorde de 240,8 milhões de toneladas em 2019, sendo 1% maior que a de 2017, com 2,4 milhões de toneladas a mais produzidas. O resultado também representa uma alta de 6,3% em relação à produção do ano passado.

O aumento foi puxado pelo milho que deve ter uma produção recorde de 100,2 milhões em 2019 (25,9 milhões de toneladas de milho na primeira safra e 74,3 milhões de toneladas de milho na segunda safra), o que representa um aumento de 23,2% frente a 2018. “Houve uma conjuntura de preços que incentivou o plantio do milho de segunda safra. O clima também se comportou de forma favorável”, comentou Barradas.

Outro grão que deve bater um recorde da série história do IBGE é o algodão. Na safra deste ano, a produção deve chegar a 6,9 toneladas, um aumento de 39,7% na relação com o ano anterior. Segundo o pesquisador do IBGE, o aumento no plantio do grão ocorre em função da melhora nos preços.

Por outro lado, a soja e o arroz, outros dois carros-chefes da produção agrícola nacional, reduziram a colheita. A estimativa do IBGE aponta para uma produção de 113 milhões de toneladas de soja em 2019, o que o que representa uma retração de 4,1% em relação ao ano passado. Já o arroz teve queda na produção por consequência da redução de 9,5% na área plantada e de 12% na área a ser colhida. Estima-se produção de 10,3 milhões de toneladas do grão, um recuo de 12% em relação ao ano passado.

“Os preços não têm incentivado o consumo de arroz em algumas áreas. Os produtores têm optado por usar a área para plantio de outras culturas, como a soja, por exemplo”, explicou Carlos Barradas.

A pesquisa estima ainda que, em 2019, a área a ser colhida será de 63,1 milhões de hectares, apresentando crescimento de 3,6% frente à área colhida em 2018, aumento de 2,2 milhões de hectares. Em relação ao mês anterior, a estimativa da área a ser colhida apresentou crescimento de 71,3 mil hectares (0,1%). O recorde anterior da produção fora de 2017, quando foram produzidas 238,4 milhões de toneladas.

Capacidade dos estoques cresce 3,5%

A Pesquisa de Estoques, também divulgada hoje pelo IBGE, mostrou que o total de capacidade útil disponível para armazenamento cresceu 3,5% no primeiro semestre de 2019, frente ao segundo semestre de 2018, totalizando 175,5 milhões de toneladas.

Em termos de capacidade útil armazenável, os silos predominam no país, com 84,7 milhões de toneladas, o que representa 48,3% da armazenagem nacional. Armazéns graneleiros e granelizados responderam por 66,7 milhões de toneladas, enquanto armazéns convencionais, estruturais e infláveis, somaram 24 milhões de toneladas de capacidade útil armazenável.

DOCUMENTO: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25996-para-2020-ibge-preve-recuo-de-1-0-na-safra-de-graos

CONAB. 13 de Novembro de 2019. Produção de 246 milhões de toneladas garante o recorde da safra de grãos

A estimativa da safra 2019/2020 de grãos aponta para um novo recorde, com 246,4 milhões de toneladas, um aumento de 1,8% ou 4,3 milhões de toneladas em comparação à safra 2018/19. Os números são do 2º levantamento divulgado nesta quarta-feira (13) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A pesquisa de campo foi realizada no período de 28/10 a 1º/11, com mais de 900 informantes em todo o país.

A intenção de plantio sinaliza uma variação positiva de 1,4% quando comparado à área da última safra, chegando a 64,1 milhões de hectares.

A área a ser semeada com soja aponta para um crescimento de 2,3% em relação à safra passada. O plantio no Brasil atinge 56% da área. A produção está estimada em 120,9 milhões de toneladas, mesmo com os problemas climáticos que atrasaram o plantio em Mato Grosso do Sul.

Já o milho primeira safra, que nos últimos levantamentos perdia espaço para a soja, mostrou aumento de área e alcançou 4,1 milhões de hectares. A produção pode chegar a 26,3 milhões de toneladas, 2,4% superior a 2018/19. As condições das lavouras no RS e PR estão boas. A partir de janeiro, começa o plantio da segunda safra do cereal, que representa mais de 70% da produção de milho no país.

O algodão, cuja janela de plantio começa no final deste mês, mantém a projeção de crescimento tanto em área, alcançando mais de 1,6 milhão de hectares, quanto no volume total esperado, podendo chegar a 2,7 milhões de toneladas de pluma. O produtor segue apostando na demanda externa pela pluma brasileira. Em outubro, o Brasil exportou o maior volume mensal da história: 279 mil t de pluma.

Para o feijão primeira safra, a estimativa é de redução da área, devendo ficar em 917,8 mil hectares. Ainda assim, a perspectiva é de produção superior à safra passada, podendo chegar a mais de 1 milhão de toneladas. Com o atraso das chuvas e a opção por culturas mais rentáveis, o produtor também prefere investir na segunda safra, para garantir uma colheita com maior qualidade.

Outras culturas, como o arroz, deve ter redução de 1,8% na área cultivada. Apesar do atraso no plantio, em função do excesso de chuvas no RS e SC, a produção deverá ser 0,2% maior que a safra passada, chegando a 10,5 milhões de toneladas.

O clima, especialmente na Região Sul, tem prejudicado a finalização da colheita dos cereais de inverno. O trigo, por exemplo, deve apresentar redução de 2,8% na produção final, alcançando 5,3 milhões de toneladas. No entanto, outras culturas como aveia branca, centeio e cevada apontam para aumento no volume produzido em comparação ao ano anterior.

Boletim de Grãos de Novembro 2019: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos/boletim-da-safra-de-graos

IPEA. 13/11/2019. PIB agrícola aumenta demanda por crédito rural e investimentos. Estudo do Ipea conclui que o crescimento econômico do setor estimulou, entre 1999 e 2015, o crédito e o financiamento de investimentos em infraestrutura

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) agrícola nacional alavancou a demanda por crédito rural e investimentos públicos em infraestrutura no período entre 1999 e 2015. A conclusão está em um novo estudo publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que utiliza como metodologia de análise a verificação de indicadores do setor agrícola fornecidos pelo Banco Central do Brasil.

Os dados da pesquisa revelam que o setor da agricultura apresentou trajetória ascendente em todo o período analisado, enquanto o investimento público em infraestrutura a ele destinado sofreu retração em dois momentos (de 1999 a 2003 e de 2011 a 2015). Os resultados indicam que o crescimento do PIB do setor, em especial do agronegócio – na cadeia produtiva da pecuária e agricultura –, tem sido o principal fator responsável por alavancar os investimentos em infraestrutura e a demanda pelo crédito rural, considerada estratégica para o desenvolvimento desse mercado.

No entanto, os autores também identificaram uma relação de longo prazo negativa, mas com baixo impacto econômico, entre o investimento em infraestrutura e as variáveis crédito rural e PIB agrícola. Uma provável explicação para esse resultado é que a concorrência de recursos entre crédito rural e o financiamento dos investimentos públicos em infraestrutura – com prejuízo para estes últimos – resultou em efeitos deletérios da infraestrutura sobre a produção agrícola.

O pesquisador do Ipea Márcio Bruno Ribeiro afirma que o estudo ajuda a entender o papel dos investimentos públicos em infraestrutura – particularmente em transporte – no cenário econômico da agricultura. “O agronegócio é um setor pujante e que tem criado ciclos de crescimento próprios, independentemente dos incentivos públicos. Os dados mostram que ele poderia ter uma capacidade de expansão ainda maior se houvesse políticas públicas a longo prazo”, explica.

“A pesquisa revela uma limitação nas receitas para os investimentos públicos em infraestrutura do setor agrícola. Entretanto, observa-se uma inversão na relação de dependência, sendo que muitos dos incentivos privados têm alavancado o setor e, consequentemente, o acesso facilitado ao crédito rural ”, afirma Júnia Cristina Peres, pesquisadora do Ipea que também assina o estudo.

O capítulo conclusivo do estudo aponta que o desempenho do setor agropecuário pode contribuir para um ciclo virtuoso de crescimento econômico, com a indução de financiamentos e investimentos em estrutura para elevar a produtividade. Contudo, o documento destaca que também é importante não estimular uma competição por recursos financeiros entre setores que demandam o crédito rural.

Estudo: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=35163&Itemid=444



COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO



FGV. IBRE. 13/11/19. ICOMEX: não commodities influenciam queda das exportações em outubro

Destaque: Análise por mercados

O ICOMEX de novembro traz os índices de comércio para o grupo “Demais da América do Sul” composto pela Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela, o que junto com os índices da Argentina completa a análise da região sul-americana. Optamos por destacar a Argentina, que é o principal parceiro do Brasil no comércio da região. Além desses países, são calculados os índices para a China, Estados Unidos e União Europeia. A soma desses países/regiões explicou 69,6% das exportações totais brasileiras no acumulado do ano até outubro e 66,9% das importações, no mesmo período.

Observa-se que a China é o principal país destino das exportações brasileiras (27,8%) e sua diferença para o segundo colocado, os Estados Unidos, foi de 14,7 pontos percentuais. A participação da China supera até a do bloco da União Europeia, que registrou participação de 16,3%. A recessão na Argentina contribuiu para o percentual de 4,4% do país, que é o segundo menor na série histórica que inicia em 2000. Em 2002, com queda no PIB de 10,9%, a participação da Argentina nas exportações brasileiras foi de 3,8%.

Nas importações, embora a China seja o principal mercado das compras externas brasileiras, a diferença dos percentuais é menor em relação aos Estados Unidos e a União Europeia. No caso da América do Sul, a diferença é de 8,6 pontos percentuais.

A importância da China para o comércio exterior brasileiro é presente também na sua contribuição para os superávits da balança comercial. No acumulado até outubro, o saldo da balança foi de US$ 34,9 bilhões, sendo que o saldo com a China foi de US$ 21,4 bilhões. Em seguida, temos “Demais da América do Sul” com saldo de US$ 6,4 bilhões e a União Europeia (US$ 2 bilhões). Com os Estados Unidos, a balança comercial é deficitária.

Os volumes exportados recuam em todos os mercados, exceto nos Estados Unidos que registrou aumento de 13,3%. Nesse mesmo período, os preços de exportações caíram 10%, o que explica o aumento de 2% no valor exportado, apesar da elevação em mais de 10% no volume. O principal produto exportado foi o petróleo seguido das semimanufaturas de aço (os dois tem uma participação ao redor de 20% na pauta de exportação do Brasil para os Estados Unidos) e registraram queda na comparação do acumulado do ano até outubro. Todos os outros produtos que constam da lista das principais exportações tiveram variação positiva com destaque para a gasolina (332%), etanol (25%) e outras manufaturas (44%). Para a China, o volume exportado caiu 2,8% e a Argentina registrou queda de 35,9% no volume e 38,4%, em valor.

Nas importações, os Estados Unidos novamente se destacam com aumento de 13% no volume, seguido da China com elevação de 1,6% e recuo nos demais mercados. Os óleos combustíveis são a principal importação do Brasil dos Estados Unidos e como o principal produto exportado é o petróleo bruto, o resultado mostra um comércio associado à questão da infraestrutura de refino no território brasileiro. Entre os produtos importados chamou atenção a variação de mais de 1000% nas compras de máquinas para terraplanagem e perfuração.

A China é o principal parceiro comercial do Brasil, mas o comércio brasileiro é diversificado, o que sugere que os interesses da política comercial devem ser multilateralizados. Os Estados Unidos mostram no ano de 2019 o melhor desempenho em termos de volume de comércio, mas para a obtenção dos saldos comerciais positivos, além da China, é preciso considerar o mercado sul americano e o europeu.

Resultados agregados do ICOMEX

Na comparação, em valor, entre os meses de outubro 2018/2019, as exportações recuaram 16,7% e as importações cresceram 5,7%. No acumulado do ano até outubro, as exportações caíram 6,8% e as importações, 0,6%.

Os dados de volume registraram queda de 8,7% nas exportações e aumento de 12,6% nas importações entre os meses de outubro. Diferente dos resultados de setembro, as operações com as plataformas de petróleo tiveram pouca influência. No caso das exportações, não há registro de operações e nas importações, a variação mensal exclusive as plataformas, foi de 13,3%. Na comparação do acumulado no ano, as exportações caíram 1,9% e as importações aumentaram em 3,6%.

A queda nas exportações em outubro foi liderada pelas não commodities que registraram uma variação negativa em 15,4%, enquanto as commodities recuaram 4,4%. Entre os acumulados do ano até outubro, as commodities cresceram 1,6% e as não commodities decresceram 6,8%. Todos os preços exportados caíram. Apesar dessa queda, a redução nos termos de troca foi pequena, 1,3%, na comparação entre os acumulados do ano. Entre outubro de 2018 e 2019, o recuo foi maior: 3,5%.

Os índices de preços e volume por tipo de atividade econômica

O volume exportado aumentou na comparação mensal para o setor de agropecuária e caiu para a indústria extrativa e de transformação. Ressalta-se o aumento de 11,7% no volume exportado da agropecuária associado principalmente as vendas de milho (aumento de 97% no volume), carnes e algodão. As importações cresceram em todos os setores, exceto na indústria extrativa.

Na análise do acumulado, o setor agropecuário lidera (1,7%), mas a diferença para o setor extrativo é pequena (0,5 pontos percentuais). A indústria de transformação registrou queda de 3,6%, o que é em parte explicado pela recessão argentina, mas também pelos desafios de aumento da competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional. As importações aumentaram para agropecuária e a transformação.

Os índices do volume exportado e importado por categoria de uso da indústria de transformação mostra o fraco desempenho do comércio exterior desse setor, a partir da comparação dos resultados do acumulado no ano. Destaca-se a categoria dos bens de consumo duráveis com quedas de 23,8% e 19% nas exportações e importações, respectivamente, um resultado associado à retração do comércio automotivo Brasil-Argentina. As exportações de bens de capital recuaram 17,2%, porém as importações ficaram relativamente estáveis (queda de 0,6%). As exportações e importações de bens intermediários que explicam mais de 50% dos fluxos de comércio do Brasil registraram variação positiva 3,9% nas exportações e 8,5% nas importações.

O ICOMEX calcula de forma mais detalhada indicadores do nível de atividade dos setores produtivos. No mês de outubro, observa-se que o volume importado de bens intermediários da indústria aumentou 17,2% e para a agropecuária 7,0%, o que é um indicativo de uma possível recuperação do nível de atividade da indústria. Essa observação se confirma quando lembramos que na comparação entre setembro de 2018/2019, o volume de bens intermediários para a indústria cresceu 17,6%. Nas compras de bens de capital, o setor de agropecuária lidera os investimentos.

A importância do comércio exterior do petróleo é analisada a partir dos índices de preços e volume. Os preços de exportações e importações recuaram, mas em termos de volume no ano até outubro, o desempenho das exportações foi favorável, mas em outubro a o volume caiu 18,4%.

Por último, ressalta-se que o saldo da balança comercial foi de US$ 34,9 bilhões, um valor inferior ao acumulado no ano até setembro de 2018, US$ 47,5 bilhões. Com esse resultado, a perspectiva é de um superávit na balança comercial ao redor de US$ 45 bilhões para 2019. Ademais, a análise por mercados mostra a relevância de uma estratégia da política comercial direcionada para todos os principais mercados, o que é condizente com a proposta de avançar a agenda de acordos comerciais anunciada pela Secretaria de Comércio Exterior.

DOCUMENTO: https://portalibre.fgv.br/navegacao-superior/noticias/icomex-nao-commodities-influenciam-queda-das-exportacoes-em-outubro.htm

CNI. 13/11/2019. Acordo entre aduanas do Mercosul vai reduzir tempo e custo no comércio intra-bloco. Chefes das alfândegas de Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai assinaram acordo de reconhecimento mútuo do Programa Operador Econômico Autorizado. Modelo reduz em 70% prazo de exportação

As aduanas de Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai assinaram, nesta quarta-feira (13), o acordo de reconhecimento mútuo do programa Operador Econômico Autorizado (OEA), durante o Seminário Internacional OEA nas Américas, que ocorre em São Paulo. O evento é uma iniciativa da Receita Federal brasileira e organizado pela Aliança Procomex, com apoio da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Estudo recente da CNI sobre facilitação de comércio no Mercosul, realizado a partir de consulta às indústrias brasileiras, aponta a implantação do acordo de reconhecimento mútuo como uma das prioridades para o bloco.

O Operador Econômico Autorizado é uma prática moderna de comércio exterior que permite o despacho mais rápido de empresas que voluntariamente e previamente foram certificadas pela aduana. Ele está previsto no Acordo de Facilitação de Comércio da Organização Mundial do Comércio (OMC). De acordo com estudo da CNI, que avalia os impactos do Programa OEA na economia brasileira, se as metas do programa forem cumpridas, em 2022 a corrente de comércio brasileira terá um incremento bastante significativo, de cerca de US$ 30 bilhões.

Em termos de tempo para as inspeções alfandegárias, o modelo brasileiro de OEA alcançou redução superior a 70%. Nas exportações, o tempo médio de despacho de cargas caiu de 3,4 horas para menos de 1 hora. Nas importações, empresas-não-OEA levam em média 23,7h, enquanto as certificadas-OEA precisam de apenas 4,4h.

“O acordo é uma aproximação importante entre as aduanas e deverá trazer benefícios concretos para o comércio do bloco e sua integração regional. Como há distintos níveis de desenvolvimento dos programas OEA nos países, a interoperabilidade para troca de informações baseadas em standards e plataformas seguras e internacionalmente reconhecidos é fundamental”, diz o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi.



ENERGIA



PETROBRAS. 12/11/2019. Petrobras inicia venda de ativos no Uruguai

A Petrobras iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser) referente à venda de seus negócios de distribuição de combustíveis, lubrificantes e fertilizantes no Uruguai.

Nesse projeto, a companhia tem o objetivo de vender 100% das ações detidas pela Petrobras Uruguay Sociedad Anónima de Inversiones (PUSAI), subsidiária da Petrobras, na Petrobras Uruguay Distribuición S.A. (PUDSA), empresa que atua no segmento de distribuição no país.

O teaser, que contém as principais informações sobre a oportunidade, bem como os critérios de elegibilidade para a seleção de potenciais participantes, está disponível no site da Petrobras: https://investidorpetrobras.com.br/pt/resultados-e-comunicados/teasers.

As principais etapas subsequentes do projeto serão informadas oportunamente ao mercado.

Esta operação está alinhada à otimização do portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando a geração de valor para os nossos acionistas. A presente divulgação está de acordo com a Sistemática para Desinvestimentos da Petrobras.

Sobre os ativos no Uruguai

No Uruguai, a Petrobras atua, por meio da PUDSA, no mercado de distribuição de combustíveis e lubrificantes, com um portfólio de ativos que inclui uma rede de 90 estações de serviços, 16 lojas de conveniência, um terminal logístico de lubrificantes, além de uma planta de QAV, sendo a segunda maior distribuidora de combustíveis do país. Também atua na distribuição de fertilizantes líquidos, por meio de dois terminais logísticos de armazenamento, sendo a maior comercializadora do país. Em termos de logística, ainda conta com vários pontos de entrega localizados nos principais portos públicos do país.


________________

LGCJ.: