Translate

19 de agosto de 2019


US ECONOMICS



INTERNATIONAL TRADE



DoC. USITC. August 19, 2019. Department of Commerce Adds Dozens of New Huawei Affiliates to the Entity List and Maintains Narrow Exemptions through the Temporary General License

WASHINGTON – Today, the Bureau of Industry and Security (BIS) of the U.S. Department of Commerce identified 46 additional Huawei Technologies Co., Ltd. affiliates that require inclusion on the Entity List, as part of a routine review of all Entity Listings. Since May, the Department has added over one hundred persons or organizations to the Entity List in connection to Huawei. The new restrictions on these affiliates are effective today, August 19th.

BIS has also announced that it will extend the Temporary General License (TGL) authorizing specific, limited engagements in transactions involving the export, reexport, and transfer of items – under the Export Administration Regulations (EAR) – to Huawei and its non-U.S. affiliates which are subject to the Entity List. The continuation of the TGL is intended to afford consumers across America the necessary time to transition away from Huawei equipment, given the persistent national security and foreign policy threat. This license will be effective on August 19, 2019 and last an additional 90 days.

“As we continue to urge consumers to transition away from Huawei’s products, we recognize that more time is necessary to prevent any disruption,” said Secretary of Commerce Wilbur Ross. “Simultaneously, we are constantly working at the Department to ensure that any exports to Huawei and its affiliates do not violate the terms of the Entity Listing or Temporary General License.”

Outside of the scope of the TGL, any exports, reexports, or in-country transfers of items subject to the EAR will continue to require a license granted after a review by BIS under a presumption of denial.

Huawei was added to the Entity List after the Department concluded that the company is engaged in activities that are contrary to U.S. national security or foreign policy interests, including alleged violations of the International Emergency Economic Powers Act (IEEPA), conspiracy to violate IEEPA by providing prohibited financial services to Iran, and obstruction of justice in connection with the investigation of those alleged violations of U.S. sanctions, among other illicit activities.

The Bureau of Industry and Security’s mission is to advance U.S. national security and foreign policy objectives by ensuring an effective export control and treaty compliance system and promoting continued U.S. strategic technology leadership. BIS is committed to preventing U.S.-origin items from supporting Weapons of Mass Destruction (WMD) projects, terrorism, or destabilizing military modernization programs.

FULL DOCUMENT: www.bis.doc.gov



USMCA



THE WHITE HOUSE. TRIB LIVE. August 14, 2019. Jason Wilburn: USMCA is 21st-century enhancement America needs
JASON WILBURN

“Just like the unseen parts used to make automobiles and airplanes work, the contributions of the Keystone State are often experienced — even if not always seen — every day around the world. The products manufactured in Pennsylvania help make the world function, but all of that could slow down if a critical trade agreement with our North American neighbors is not approved by Congress,” writes Jason Wilburn, president of Foerster Instruments, in the Pittsburgh Tribune-Review.

“NAFTA is now more than 25 years old and in need of an update . . . We need to cut the red tape and the arduous regulations that make it harder to do business. The USMCA does this for small manufacturers. If the USMCA is ratified, businesses like mine will be able to continue doing what we do best.”

Just like the unseen parts used to make automobiles and airplanes work, the contributions of the Keystone State are often experienced — even if not always seen — every day around the world. The products manufactured in Pennsylvania help make the world function, but all of that could slow down if a critical trade agreement with our North American neighbors is not approved by Congress.

This is why, as president of Foerster Instruments, a manufacturer of equipment for the nondestructive testing of materials and components, I joined manufacturers from around the country in Washington last week to tell lawmakers how important it is to support and ratify the United States-Mexico-Canada trade agreement.

According to the National Association of Manufacturers, more than 40,000 manufacturing jobs in Pennsylvania depend on manufacturing exports to Canada and Mexico. Of the more than 3,000 Pennsylvania manufacturers that export products to Canada and Mexico, 80% of them are small- and medium-sized companies. Pennsylvania’s small- and medium sized businesses benefit in many ways from the tariff-free trade made possible by the North American Free Trade Agreement (NAFTA), and that’s true in different sectors of our economy.

Consider, for instance, that small- and medium-sized businesses make up nearly three-quarters of the state’s exports of chemical and electrical equipment to Canada and Mexico — and that Pennsylvania’s chemical and electrical equipment exports to Canada and Mexico have increased by more than 60% over the last decade under the current NAFTA framework.

But NAFTA is now more than 25 years old and in need of an update. That’s why the leaders of the U.S., Canada and Mexico negotiated a new and modern agreement to replace it. Soon it will be submitted to Congress for a vote. That new agreement is the USMCA, and companies like mine are counting on Congress to pass it.

I had the opportunity to meet with top lawmakers and explain the importance of tariff-free trade to my business and how the USMCA would build on previous trade deals and provide less onerous requirements to ship manufactured goods to our North American neighbors. I let them know how many of the products we make are shipped to customers in Canada and Mexico.

I also explained that, without tariff-free trade across North America protected by a strong trade agreement, our state’s manufactured exports to Canada and Mexico could be hit with as much as $1.7 billion in extra taxes. Costs like that are enough to devastate any business. As a result, many of Pennsylvania’s manufacturers and the workers and communities they support would lose sales as competitors from Europe and Asia swoop in on our missed opportunity, steal our business and, along with it, the American dream. We can’t let that happen.

We need to cut the red tape and the arduous regulations that make it harder to do business. The USMCA does this for small manufacturers. If the USMCA is ratified, businesses like mine will be able to continue doing what we do best: create highly sophisticated components and provide constant innovations in products to our global customers. That’s good for Pennsylvania and it’s good for our country.

I hope you will join me in urging our lawmakers to support this vital agreement and ratify it when it comes to a vote this year.



ECONOMY



DoC. PORTAL G1. REUTERS. 19/08/2019. Secretário de Comércio dos EUA minimiza temores de recessão. Wilbur Ross também criticou ação do BC do país.

O secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, ampliou nesta segunda-feira (19) o coro de autoridades presidenciais que minimizam as preocupações com uma possível recessão, após a curva de juros dos Treasuries (os títulos da dívida dos EUA) se inverter temporariamente na semana passada pela primeira vez em 12 anos.

"Em algum momento haverá uma recessão, mas, na minha opinião, essa inversão não é tão confiável quanto as pessoas pensam", disse Ross em entrevista à Fox Business Network.

Ross também afirmou que o governo Trump não está satisfeito com a maneira como a política monetária do Federal Reserve ajuda o dólar a se manter forte.

Temor de recessão global afeta mercado financeiro

Questionado pela Fox Business Network se um dólar forte afetaria de forma adversa a economia, Ross disse: "Estamos muito incomodados com a parte da força do dólar que se deve à política monetária do Fed".

O governo Trump tem pressionado o Fed a baixar a taxa de juros.



HUMANITARIAN DAY



U.S. Department of State. 08/19/2019. World Humanitarian Day

Today, on World Humanitarian Day, we recognize the tireless efforts of humanitarian workers, who every day risk their personal safety on behalf of people whose lives are disrupted when crises hit. We applaud the commitment of humanitarian aid workers who persist despite the dangers, and we especially honor those who have given their lives helping to protect the most vulnerable populations worldwide.

The United States has a long and distinguished history of providing humanitarian assistance to people in need due to displacement, armed conflict, and natural disasters. In FY 2018, the United States provided more than $8 billion for food, shelter, healthcare, education, and clean water and sanitation benefitting tens of millions of people across the globe. Additionally, the United States is a leader in promoting the safety and security of humanitarian aid workers, including through strong U.S. support for the UN Department of Safety and Security, which has enabled more than 1,000 high-risk humanitarian operations in active conflict zones. Currently, the United States and its partners are responding to crises around the world, delivering lifesaving assistance to some of the world’s most vulnerable citizens.

To carry out this vital work, the United States depends on courageous humanitarian aid workers who serve on the front lines to alleviate suffering and protect the most vulnerable from harm. As global humanitarian needs continue to increase, the United States will continue to support internationally agreed principles on the protection of humanitarian workers, call on parties to armed conflict to comply with their obligations under international humanitarian law, including those related to the safety and security of humanitarian personnel, and take every action to protect humanitarian organizations and to respect their independence and neutrality.

On this World Humanitarian Day, the United States recognizes the tremendous service of all humanitarian heroes who have devoted themselves to serving others through their unbounded generosity and unflagging resolve.



________________



INDICADORES/INDICATORS




________________



BACEN. BOLETIM FOCUS: RELATÓRIO SEMANAL DE MERCADO
(Projeções atualizadas semanalmente pelas 100 principais instituições financeiras que operam no Brasil, para os principais indicadores da economia brasileira)



ANÁLISE



BACEN. PORTAL G1. 19/08/2019. Mercado financeiro prevê menos inflação e alta maior do PIB em 2019. Projeção de inflação dos analistas para este ano caiu de 3,76% para 3,71% Expectativa de crescimento do PIB passou de 0,81% para 0,83%. Números são resultado de pesquisa do BC.
Por Alexandro Martello, G1 — Brasília

Os economistas do mercado financeiro reduziram a estimativa de inflação para 2019 e também elevaram a previsão de crescimento da economia neste ano.

A projeção constam no boletim de mercado conhecido como relatório "Focus", divulgado nesta segunda-feira (19) pelo Banco Central (BC). O relatório é resultado de levantamento feito na semana passada com mais de 100 instituições financeiras.

De acordo com a instituição, os analistas do mercado financeiro baixaram a estimativa de inflação para este ano de 3,76% para 3,71%. Foi a segunda queda seguida do indicador.

Com isso, a expectativa de inflação do mercado para 2019 segue abaixo da meta central, de 4,25%. O intervalo de tolerância do sistema de metas varia de 2,75% a 5,75%.

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic).

Para 2020, o mercado financeiro manteve a estimativa de inflação em 3,90%. No próximo ano, a meta central de inflação é de 4% e terá sido oficialmente cumprida se o IPCA oscilar entre 2,5% e 5,5%.

PIB

Para este ano, a estimativa de alta do PIB subiu de 0,81% para 0,83%. Para 2020, a previsão de crescimento do PIB avançou de 2,1% para 2,2%.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos no país, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o comportamento da economia brasileira.

Para 2019, a previsão do Banco Central é de uma alta de 0,8%, e a do Ministério da Economia é de um crescimento de 0,81%.

Outras estimativas

  • Taxa de juros - O mercado manteve em 5% ao ano a previsão para a taxa Selic no fim de 2019. Atualmente, a taxa de juros está em 6% ao ano. Com isso, o mercado segue prevendo queda nos juros neste ano. Para o fim de 2020, a previsão continuou em 5,50% ao ano. Desse modo, os analistas continuam estimando alta dos juros no próximo ano.
  • Dólar - A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2019 subiu de R$ 3,75 para R$ 3,78 por dólar. Para o fechamento de 2020, foi elevada de R$ 3,80 para R$ 3,81 por dólar.
  • Balança comercial - Para o saldo da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), a projeção em 2019 permaneceu em US$ 52 bilhões de resultado positivo. Para o ano que vem, a estimativa dos especialistas do mercado subiu de US$ 47,60 bilhões para US$ 48 bilhões.
  • Investimento estrangeiro - A previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2019, ficou estável em US$ 85 bilhões. Para 2020, a estimativa dos analistas recuou de US$ 85,28 bilhões para US$ 84,68 bilhões.

BACEN. REUTERS. 19 DE AGOSTO DE 2019. Economistas melhoram expectativa para economia em 2019 e 2020 em pesquisa Focus

SÃO PAULO (Reuters) - A expectativa do mercado para o crescimento da economia brasileira voltou a subir tanto para este ano quanto para o próximo, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira,

O levantamento semanal apontou que os economistas passaram a ver crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,83% em 2019 e de 2,20% em 2020, contra respectivamente 0,81% e 2,10% na semana anterior.

Os participantes do levantamento também ajustaram suas contas para a inflação, calculando agora a alta do IPCA este ano em 3,71%, 0,05 ponto percentual a menos do que na pesquisa anterior. Para 2020, entretanto, permanece a expectativa de avanço de 3,90%.

O centro da meta oficial de 2019 é de 4,25% e, de 2020, de 4%, ambos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

A pesquisa semanal com uma centena de economistas mostrou ainda que o cenário para a taxa básica de juros não mudou, com a Selic projetada em 5% ao final de 2019 e em 5,50% em 2020. Atualmente, a Selic está no piso histórico de 6,0%.

O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, também vê a taxa básica de juros em 5,0% este ano, mas calcula a Selic a 5,13% em 2020, na mediana das projeções.

Por Camila Moreira



________________



ECONOMIA BRASILEIRA / BRAZIL ECONOMICS



VENEZUELA



EUA. CHINA. VENEZUELA. REUTERS. 19 DE AGOSTO DE 2019. Chinesa CNPC suspende cargas de petróleo da Venezuela por preocupação com sanções dos EUA
Por Chen Aizhu

CINGAPURA (Reuters) - A China National Petroleum Corp, uma das principais compradoras de petróleo da Venezuela, suspendeu carregamentos em agosto após as últimas sanções dos Estados Unidos contra o exportador da América do Sul, disseram à Reuters nesta segunda-feira duas fontes em Pequim com conhecimento direto do assunto.

A administração Donald Trump decidiu no início de agosto congelar todos ativos venezuelanos nos EUA, com autoridades norte-americanas retomando ameaças contra companhias que façam negócios com a Venezuela.

“A ordem executiva de Trump deu uma diretriz para as próximas medidas de sanções que serão anunciadas pelo Tesouro dos EUA... A CNPC teme que a companhia possa ser impactada por essas sanções secundárias”, disse uma fonte.

Um porta-voz da CNPC recusou-se a comentar.

Uma segunda fonte, um executivo que trabalha com a venda de petróleo venezuelano na China, disse que sua empresa foi notificada sobre a suspensão.

“Nós fomos informados de que a Chinaoil não vai carregar nenhum petróleo em agosto. Nós não sabemos o que acontecerá depois.”

A Chinaoil é o braço de “trading” da CNPC que tem contratos para petróleo venezuelano, sendo uma das principais clientes de Caracas.

As duas fontes recusaram-se a ser identificadas porque não possuem autorização para falar com a imprensa.

A CNPC irá aguardar mais diretrizes do Tesouro dos EUA antes de novos movimentos em relação ao petróleo venezuelano, disse a primeira fonte.

A suspensão segue-se a recentes conversas entre os governos dos EUA e da China, incluindo um encontro entre funcionários da embaixada dos EUA em Pequim e executivos da CNPC, disse a fonte.

A Casa Branca impôs sanções à indústria petrolífera da Venezuela em janeiro em um esforço para derrubar o presidente socialista Nicolas Maduro, cuja reeleição em 2018 é vista como ilegítima em grande parte do Ocidente.

A ordem executiva Trump emitida em 5 de agosto não sancionou explicitamente empresas não-americanas que fazem negócios com a estatal venezuelana PDVSA, incluindo parceiros em operações de petróleo como a francesa Total e a norueguesa Equinor, além de clientes russos e chineses.

Mas a ordem ameaça congelar ativos nos EUA de qualquer pessoa ou empresa determinada a “ajudar materialmente” o governo venezuelano.



INFLAÇÃO



FGV. IBRE. 19/08/19. Índices Gerais de Preços. IGP-M Segundo Decêndio. IGP-M varia -0,68% na 2ª prévia de agosto

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) caiu 0,68% no segundo decêndio de agosto, resultado inferior ao apurado no mesmo período do mês anterior, quando a taxa foi de 0,53%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou de 0,62% no segundo decêndio de julho para -1,11% no segundo decêndio de agosto. Na análise por estágios de processamento, os preços dos Bens Finais caíram 0,67% em agosto, após alta de 0,11% em julho. A maior contribuição para este resultado partiu do subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de 1,58% para -4,04%.

O índice referente aos Bens Intermediários caiu 0,97% no segundo decêndio de agosto, contra queda de 0,63% em julho. O destaque coube ao subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa passou de 0,27% para -1,07%.

A taxa do grupo Matérias-Primas Brutas foi de 2,60% em julho para -1,76% em agosto. Contribuíram para o movimento do grupo os seguintes itens: minério de ferro (11,34% para -4,25%), milho (em grão) (3,62% para -2,62%) e suínos (7,84% para -8,44%). Em sentido oposto, destacam-se os itens aves (-2,14% para 3,33%), leite in natura (-5,41% para -1,49%) e laranja (-7,59% para 0,92%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,21% no segundo decêndio de agosto, após variar 0,10% no mesmo período do mês anterior. Quatro das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo Habitação (0,42% para 0,78%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de 1,56% para 3,85%.

Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos Transportes (-0,63% para -0,12%), Comunicação (0,02% para 0,15%) e Vestuário (-0,28% para -0,22%). Nestas classes de despesa, as maiores influências partiram dos seguintes itens: gasolina (-2,32% para -0,92%), tarifa de telefone residencial (0,00% para 0,73%) e calçados (-0,54% para 0,06%).

Em contrapartida, apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos Educação, Leitura e Recreação (0,20% para -0,25%), Alimentação (0,17% para 0,08%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,36% para 0,34%) e Despesas Diversas (0,14% para 0,13%). Nestas classes de despesa, os maiores recuos foram observados nas taxas dos itens passagem aérea (11,40% para -11,16%), hortaliças e legumes (2,01% para -5,32%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,70% para 0,25%) e alimentos para animais domésticos (1,27% para -0,24%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 0,15% no segundo decêndio de agosto. No mês anterior, este índice registrou elevação de 0,93%. Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem do segundo decêndio de julho para o segundo decêndio de agosto: Materiais e Equipamentos (-0,19% para 0,20%), Serviços (0,14% para 0,27%) e Mão de Obra (1,83% para 0,10%).

DOCUMENTO: https://portalibre.fgv.br/navegacao-superior/noticias/igp-m-varia-0-68-na-2-previa-de-agosto.htm

FGV. IBRE. 19/08/19. Índices Gerais de Preços. IPC-S Capitais. Inflação pelo IPC-S recua em seis das sete capitais pesquisadas

O IPC-S de 15 de agosto de 2019 registrou variação de 0,26%, ficando 0,06 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa divulgada na última apuração. Seis das sete capitais pesquisadas registraram decréscimo em suas taxas de variação.

A tabela a seguir, apresenta as variações percentuais dos municípios das sete capitais componentes do índice, nesta e nas apurações anteriores.


DOCUMENTO: https://portalibre.fgv.br/navegacao-superior/noticias/inflacao-pelo-ipc-s-recua-em-seis-das-sete-capitais-pesquisadas-6.htm



COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO



FGV. IBRE. 19/08/19. ICOMEX: exportações crescem na indústria de transformação

O saldo da balança comercial de junho foi de US$ 2,3 bilhões, o que levou a um superávit acumulado no ano de US$ 28,5 bilhões. Em valor as exportações recuaram 11% e as importações 4,8% na comparação entre os meses de julho de 2018 e 2019. No acumulado do ano até julho de 2018 e 2019, as exportações caíram 4,7% e as importações, 0,9%. A queda nos fluxos de comércio levou a uma retração na corrente de comércio em 3% entre os sete primeiros meses de 2018 e 2019.

Observa-se que a corrente de comércio estava se recuperando, desde 2018, após a desaceleração entre 2014/17. O resultado de 2019 reflete a piora das condições no comércio mundial. Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) revisaram para baixo suas projeções divulgadas esse ano em relação ao crescimento do comércio mundial — Banco Mundial de 3,6% (janeiro) para 2,6% (junho) e o FMI de 3,4% (abril) para 2,5% (junho). No caso do Brasil, dois de seus principais parceiros comerciais influenciam esse resultado. A crise na Argentina e a desaceleração do crescimento chinês levaram a uma queda nas exportações brasileiras para esses mercados no mês de julho em relação a julho de 2018 — 28% (Argentina) e 13% (China). Para os Estados Unidos, o segundo principal parceiro, as exportações cresceram 11%, nesse mesmo período.

O ICOMEX analisa os resultados dos fluxos comerciais a partir dos índices de preços e volume. Todos os índices registraram queda na comparação entre julho de 2018 e 2019. No entanto, a queda no volume exportado (7,2%) é superior ao das importações (1%). Na comparação do acumulado até julho, os preços caem nas exportações e nas importações e para o volume, a queda nas importações (1,9%) é maior do que nas exportações (0,5%). O que ressalta desse quadro é uma tendência de queda nas exportações que refletem as condições do comércio mundial e um recuo das importações associada ao baixo nível de atividade da economia brasileira.

Como divulgado no ICOMEX de julho, apresentamos na seção especial “Destaque” os índices de comércio exterior para a União Europeia, o que irá levar a observações sobre o efeito do acordo Mercosul-União Europeia para o Brasil.

Análise dos índices agregados

Os volumes exportados e importados caíram 7,2% e 1,0% entre julho de 2018 e 2019. Na comparação do acumulado até julho, porém, os volumes cresceram em 0,5% para as exportações e 1,9% para as importações. Os volumes exportados e importados decrescem, no entanto, desde junho, logo o resultado de julho confirma uma tendência de piora nos índices de volume do comércio exterior. O contexto internacional, como já relatado influencia esse resultado. No caso dos preços, seja na comparação mensal ou do acumulado do ano, os preços recuam para as exportações e para as importações.

O desempenho das exportações das commodities e não commodities. Na comparação mensal caiu o volume das commodities (9,7%) e das não commodities em 3,4%. Entre os primeiros sete meses de 2018 e 2019, porém, o volume exportado das commodities aumentou (4,5%) e o das não commodities recuou (5,2%).

No caso dos preços, o resultado seja na comparação mensal ou no acumulado até julho registrou queda. Observa-se que na comparação mensal, a queda nos preços foi puxada pelos produtos agrícolas e petróleo, pois o minério de ferro (segundo principal produto exportado) registrou aumento de 48%.

Os termos de troca apresentaram uma tendência de queda ao logo de 2018 que foi revertida a partir de fevereiro de 2019. Entre fevereiro e julho de 2019, os termos de troca cresceram 7,6% com o aumento de 7% nos preços de exportações e queda de 0,5% no preço das importações. Entre as principais commodities exportadas, como já assinalado, a melhora nos preços exportados no período se deve ao minério de ferro, pois tanto a soja em grão como o petróleo registraram queda de preços no ano de 2019. Na comparação entre os anos de 2018 e 2019, seja em bases mensais ou no acumulado até julho, os termos de troca recuaram em 0,4% (mensal) e 2,3% (acumulado no ano). Logo, a contribuição dos termos de troca para o aumento de renda no país é negativa nesse ano em comparação a 2018.

Os índices de preços e volume agregados e por tipo de indústria

Os volumes exportados da agropecuária registraram aumento de 6,7% em julho, após queda na comparação mensal na comparação mensal de maio e junho entre os anos de 2018 e 2019. As vendas da indústria extrativa caíram puxadas pelo recuo em 41% do petróleo e derivados. As exportações da indústria de transformação mantiveram tendência de queda, já observada em junho. No caso das importações. exceto, a indústria extrativa, todos os outros setores apresentaram queda na comparação entre julho de 2018 e 2019.

No acumulado do ano até julho, todos os volumes aumentam em relação a igual período de 2018, exceto as exportações da indústria de transformação, queda de 1,8 %. O crescimento das exportações em julho da agropecuária contribuiu para atenuar a liderança da indústria extrativa na comparação entre os sete primeiros meses do ano de 2018 e 2019. Até junho, a indústria extrativa liderava com aumento de 15,1% entre o primeiro semestre de 2018 e 2019 seguida da agropecuária com registro de elevação de 3,5%. A inclusão do mês de julho fez com que na comparação anual esses valores passassem para 7,1% na extrativa e 2,9% na agropecuária. O efeito China afeta de forma negativa as exportações da indústria extrativa, mas a crise na oferta de carne suína favorece as exportações da agropecuária.

Os índices de volume por categoria de uso da indústria de transformação mostra a volta do efeito das operações com as plataformas de petróleo. Na comparação entre julho de 2018 e 2019, o volume exportado da indústria caiu 1,6%, mas sem as plataformas houve um aumento de 9,5%. Os dados das exportações de bens de capital explicam esse resultado — com plataformas, queda de 49,1%, e, sem plataformas aumento de 7,2%. Exportações de plataformas em julho de 2018 e sua redução em julho de 2019 explicam o resultado. Logo, sem as plataformas, a indústria de transformação teria liderado o resultado de julho nas exportações, superando a agropecuária que cresceu, como visto, em 6,7%.

Para as outras categorias de uso, chama atenção o aumento de 3,2% das exportações de bens duráveis que vinham numa trajetória de queda nas comparações mensais desde maio de 2018. Na análise entre os sete primeiros meses do ano, a diferença entre a inclusão ou não das plataformas se reduz — geral (-1,8%), geral sem plataforma (-0,1%), bens de capital (-22%) e bens de capital sem plataforma (-14,5%). O aumento das exportações de bens duráveis em julho não altera o resultado negativo para essa categoria (-24,4%).

O comportamento das importações da indústria de transformação por categoria de uso. Da mesma forma que nas exportações, o efeito plataforma está presente na comparação entre os meses de julho. O volume importado com plataforma da indústria de transformação recuou 2,6% e sem plataforma cresceu 17,6%. As compras de bens de capital caíram 46,9% e sem plataforma aumentaram 27,9%. Em julho de 2018 ocorreu um volume de compras de plataformas não verificadas em 2019. Nesse caso, como todas as outras categorias registraram recuo nas importações, exceto bens intermediários (aumento de 20,1%), os resultados sugerem uma melhora no nível de atividade da indústria de transformação com o aumento das compras de bens de capital e bens intermediários. Na análise do acumulado do ano até julho, as importações de bens de capital crescem 15,3% sem as plataformas e 5,3% para bens intermediários.

Com ou sem as plataformas, os resultados até julho mostram que para a indústria de transformação há uma piora no desempenho exportador e que as importações cresceram, mas com um percentual abaixo de 5%. Não é indicativo de uma forte recuperação da indústria.

Por último, a taxa de câmbio real efetiva mostrou uma leve reversão na tendência à desvalorização no mês de junho que continuou no mês de julho. No entanto, os acontecimentos recentes como o agravamento das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China e as expectativas quanto a uma possível vitória do candidato peronista na Argentina reverteram essa tendência.

Destaque do mês

Apresentamos o índice de comércio exterior para a União Europeia.

O crescimento médio anual dos índices de volume das exportações para os Estados Unidos, China e União Europeia para períodos selecionados, onde se destaca a expansão para o mercado chinês, exceto no resultado acumulado até junho de 2019 comparado com o de 2018. A União Europeia registrou nesse mesmo período queda de 10%, enquanto os Estados Unidos aumento de 23,6%. Exportações de aviões, gasolina, petróleo e máquinas explicam o bom desempenho no mercado estadunidense. Observa-se que o crescimento dos Estados Unidos projetado ao redor de 2,5% em relação ao da União Europeia (ao redor de 1,2%) influencia esse resultado.

Nas importações, o desempenho da União Europeia tem sido desfavorável, desde 2012, com quedas superiores ao dos Estados Unidos. A China lidera em todos os períodos o crescimento das importações.

Os efeitos do acordo Mercosul-União Europeia ainda são incertos dada as incertezas que existem quanto a data de entrada em vigor do acordo. No entanto, é esperado que aumentem as importações provenientes da União Europeia na manufatura em detrimento de compras oriundas de outros parceiros como os Estados Unidos e, em menor escala da China. Ganhos nas exportações dependem do crescimento dos países europeus e da competitividade dos produtos brasileiros que irão concorrer num mercado integrado com alguns países com estruturas de exportações concorrentes com a do Brasil, como siderúrgicos do Leste Europeu. A principal aposta está nos ganhos da agropecuária, mesmo que a negociação não tenha levado a uma plena liberalização.

Por último, os termos de troca com a China, Estados Unidos e a União Europeia. A pauta bilateral com a China dominada pelas exportações de commodities explica a maior volatilidade nos termos de troca que se elevaram até dezembro de 2011 e chegam ao seu menor valor em abril de 2016, quando voltam a se recuperar, mas muito distante dos valores de pico do boom das commodities. Em contraste, os termos de troca com os Estados Unidos e com a União Europeia tendem a uma relativa estabilidade ao longo de todo o período.

DOCUMENTO: https://portalibre.fgv.br/navegacao-superior/noticias/icomex-exportacoes-crescem-na-industria-de-transformacao.htm

IBGE. 19/08/2019. Mapa das Indicações Geográficas 2019 traz quatro novos produtos

O IBGE disponibiliza hoje a versão 2019 do Mapa das Indicações Geográficas do Brasil, fruto de uma parceria com o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). O mapa traz informações sobre os Selos das Indicações Geográficas, localizando as regiões de origem de produtos e serviços certificados por Indicação de Procedência e/ou Denominação de Origem. A versão 2019 ganhou quatros novos produtos, elevando para 62 as Indicações Geográficas certificadas no Brasil até maio de 2019. O mapa é elaborado na escala 1:5.000.000 (onde 1 cm = 50 km) e ser acessado à direita desta página.

A versão 2019 do Mapa das Indicações Geográficas do Brasil inclui quatro novos produtos. Três receberam selos de Indicação de Procedência: derivados de Jabuticaba de Sabará (MG), cacau de Tomé-Açu (PA) e café verde do oeste da Bahia (BA). A banana de Corupá (SC) recebeu o selo de Denominação de Origem.

A Indicação Geográfica é usada para identificar a origem de produtos ou serviços quando o local se torna conhecido ou quando determinada característica ou qualidade do produto ou serviço se deve a sua origem. Isso permite que os consumidores tenham informações confiáveis sobre a qualidade e a autenticidade daquilo que estão adquirindo. Esse tipo de certificação também valoriza a cultura local e fomenta atividades turísticas.

Outros produtos consagrados em versões anteriores do Mapa são os vinhos e espumantes do Vale dos Vinhedos (RS), o camarão da Costa Negra (CE) e o mel de Ortigueira (PR), que detêm o selo de Denominação de Origem (DO). As rendas de Divina Pastora (SE) e do Cariri (PB), assim como as cachaças de Paraty (RJ), Salinas (MG) e Abaíra (BA), o artesanato em estanho de São João Del-Rei (MG), as opalas e joias artesanais de Pedro II (PI), o mel do Pantanal (MT/MS), a própolis vermelha dos manguezais de Alagoas (CE) e as panelas de barro de Goiabeiras (ES) têm a Identificação de Procedência (IP).

Distribuídas por todas as regiões brasileiras, as Indicações Geográficas foram definidas pelas próprias associações, sindicatos e cooperativas de produtores locais e estão certificadas pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O Selo de Indicação Geográfica do INPI é regulamentado pela Lei da Propriedade Intelectual n.º 9.279 e pode assumir dois modelos: Indicação de Procedência (IP) – artigo 177, e Denominação de Origem (DO) – artigo 178.

DOCUMENTO: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25216-mapa-das-indicacoes-geograficas



COMÉRCIO INTERNACIONAL



EUA. CHINA. REUTERS. 19 DE AGOSTO DE 2019. Trump diz "não estar pronto" para acordo comercial com a China
Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e autoridades da Casa Branca rejeitaram preocupações de que o crescimento econômico pode estar vacilando, afirmando no domingo que veem pouco risco de recessão apesar da semana volátil para mercados globais de títulos, e insistindo que sua guerra comercial com a China não está prejudicando o país.

“Estamos indo tremendamente bem, nossos consumidores são ricos, eu dei uma enorme redução tributária, e eles estão cheios de dinheiro”, disse Trump no domingo.

Mas ele mostrou-se menos otimista do que seus assessores sobre fechar um acordo comercial com a China, afirmando que embora acredite que os chineses estejam prontos para um acordo, “eu não estou pronto para fechar um acordo ainda”.

Ele indicou que a Casa Branca gostaria de ver Pequim resolver primeiro os protestos em Hong Kong.

“Acho que seria muito bom para o acordo comercial”, disse Trump.

O assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, afirmou que os representantes comerciais de ambos os países vão conversar dentro de 10 dias e, “se esses encontros evoluirem..., planejamos que a China venha aos EUA” para avançar com as negociações sobre encerrar a disputa comercial que surgiu como um potencial risco ao crescimento econômico global.

EUA. CHINA. BRASIL. PORTAL G1. BBC. SOJA. 19/08/2019. Soja brasileira gera tensão em guerra comercial entre EUA e China. Embora não tenha tomado partido e nem seja alvo da guerra comercial entre China e Estados Unidos, o Brasil acabou ganhando um papel coadjuvante nessa disputa. Como a soja americana ficou mais cara, com aumento de tarifas de importação, a China passou a importar mais grãos brasileiros. Mas a substituição não agradou o presidente americano

Um dos principais produtos agrícolas brasileiros, a soja, se tornou um novo ponto de tensão entre o presidente americano, Donald Trump, e o governo chinês.

Em retaliação à alta de tarifas sobre bens industrializados da China, o governo de Xi Jinping passou a tributar em 25% diversos produtos agrícolas americanos, entre eles a soja.

Quem acabou ganhando com isso, pelo menos no curto prazo, foi a soja brasileira. Como o grão americano ficou mais caro, a China substituiu as compras dos EUA pelo produto do Brasil. Com isso, nosso país se tornou o maior exportador de soja para China – e do mundo – ultrapassando os EUA.

Segundo a imprensa americana, Donald Trump não encarou com naturalidade essa troca. O assunto foi amplamente noticiado na semana passada pelos principais veículos americanos.

Segundo reportagem da emissora CNN, o presidente dos EUA estaria "insatisfeito" com a China por causa da substituição da importação de soja americana pela brasileira.

Uma reportagem da revista Forbes diz que a compra de soja do Brasil é uma decisão política, não só comercial, da China, com o objetivo de punir os EUA e reduzir a importância do país como fornecedor de commodities.

Já o site de notícias Bloomberg, em reportagem de destaque no dia 15 de agosto, afirmou que a China acabara de fazer uma grande encomenda de soja brasileira, em substituição do produto americano.

"A guerra comercial teve início em março de 2018 e, em 2019, houve um aprofundamento da disputa, com aumento de tarifas sobre os mesmos produtos chineses e americanos", disse à BBC News Brasil o gerente de Negociações Internacionais da CNI, Fabrizio Panzini.

"Como o Brasil naturalmente tem uma competitividade na soja e é um dos poucos players internacionais, junto com os Estados Unidos e Argentina, é natural que uma queda de exportação dos EUA leve a um aumento da exportação do Brasil."

Exportação recorde

Em 2018, o primeiro ano da guerra comercial, as exportações brasileiras para a China cresceram 35% na comparação com 2017, gerando uma balança comercial positiva para o Brasil em US$ 30 bilhões.

A soja foi a maior beneficiada, com uma exportação adicional de US$ 7 bilhões para a China, na comparação com 2017. Outros setores que cresceram foram os de carne bovina (US$ 557 milhões a mais), algodão (US$ 358 milhões) e carne suína (US$ 202 milhões).

Neste primeiro semestre, a exportação de soja caiu 20% na comparação com o mesmo período de 2018, conforme dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Mas isso ocorreu porque a demanda da China sofreu uma redução, explicou à BBC News Brasil o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja), Bartolomeu Braz.

"A gripe suína da África chegou à China neste ano atingindo a produção de porcos. Centenas de animais foram abatidos e eles consomem farelo de soja. Então, essa situação contribuiu para reduzir a demanda por soja no país, já que esse grão compõe a ração dos suínos", disse.

Brasil exportou US$ 7 bilhões a mais em soja para a China em 2018. No primeiro semestre deste ano, houve queda em comparação com o ano passado, mas produtores esperam aumentar as vendas com o acirramento da guerra comercial

Apesar de ter vendido menos que em 2018, o Brasil continua a ser o principal parceiro comercial da China na venda de soja. E o baque da perda de protagonismo não está sendo fácil de absorver nos Estados Unidos.

O Departamento de Agricultura dos EUA estima que o setor de exportação de grãos vai precisar de pelo menos cinco anos para voltar a obter resultados como os de 2017.

Para reduzir o estrago e impedir que a situação reduza a sua base eleitoral (parte dos eleitores de Tump é composta por agricultores), o presidente americano aprovou um pacote de auxílio de US$ 28 bilhões.

O acordo que prejudicaria produção brasileira

O avanço da soja brasileira e o consequente prejuízo que isso traz para os produtores é apontado como fator adicional de discórdia entre Trump e Xi Jinping.

Uma das condições de Trump para negociar a retirada de tarifas sobre produtos chineses era a China passar a comprar mais produtos agrícolas americanos.

O acordo que ele tentava empurrar para Xi Jinping previa um aumento das importações de grãos e alimentos dos EUA a patamares maiores que os anteriores à guerra comercial – o que prejudicaria outros exportadores de commodities, como o Brasil.

"A proposta de acordo previa que produtos agrícolas dos EUA fossem mais comprados e, nesse cenário, o Brasil poderia sofrer condições mais desfavoráveis que os produtos americanos. Por isso, o grau de incerteza é muito grande", diz o diretor de negócios internacionais da CNI, Fabrizio Panzini.

Mas, até agora, o presidente americano não conseguiu arrancar esse compromisso e tem respondido com aumentos adicionais de tarifas.

Brasil se aproximou significativamente dos EUA na gestão Bolsonaro, mas Trump não é reconhecido por fazer grandes concessões a aliados quando o que está em jogo é o interesse comercial do seu país

Política protecionista de Nixon da década de 70 fortaleceu a soja brasileira

Apesar da insatisfação do governo americano com os ganhos do setor de soja brasileiro, os especialistas ouvidos pela BBC News Brasil apontam que a própria política protecionista de Trump se voltou contra os agricultores dos EUA.

E mais: de acordo com o professor Andrew Milovan, da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, foi uma política protecionista de outro presidente republicano dos EUA, Richard Nixon, que inicialmente catapultou o setor de exportação de soja do Brasil.

Ele conta que, na década de 1970, havia grande preocupação com a alta da inflação nos EUA, causada por diferentes fatores.

O governo americano estava se endividando com a guerra do Vietnã e eventos climáticos fora do comum provocaram escassez de grãos na Rússia e de proteínas na América do Sul e Ásia. Isso fez com que os preços dos produtos agrícolas subissem muito.

Medida do ex-presidente dos EUA Richard Nixon, de congelar exportações americanas por três meses, teria consolidado setor exportador de soja brasileiro, segundo professor americano

Para tentar conter a alta dos preços, Nixon temporariamente congelou preços de alimentos e restringiu exportações de grãos. "Grande parte da soja consumida pelo Japão era produzida nos EUA. A medida de Nixon durou só três meses, mas os japoneses chegaram à conclusão de que não poderiam confiar nos EUA como principal exportador desse produto", contou Milovan à BBC News Brasil.

O governo japonês passou, então, a procurar novos parceiros e viu no Brasil um potencial fornecedor. "Os japoneses investiram em infraestrutura no Brasil, emprestaram dinheiro por meio de um fundo de desenvolvimento, e compartilharam expertise. Isso foi essencial para sofisticar o setor exportador de soja brasileiro", conta o professor americano.

Ou seja, um dos efeitos colaterais da política de Nixon foi criar para os Estados Unidos um grande rival na produção de soja. E agora, Trump parece estar cometendo o mesmo erro, diz o professor americano.

Antes da guerra comercial, o Brasil era o segundo maior exportador de soja do mundo. Agora, é o primeiro. "E no ano que vem vamos nos tornar o maior produtor de soja, além de maior exportador", destaca o presidente da Aprosoja, Bartolomeu Braz.

Mas ganhos com a guerra comercial são instáveis

Mas é preciso ter cautela na comemoração desses resultados, advertem os especialistas ouvidos pela BBC News Brasil.

Fabrizio Panzini, da CNI, destaca que, embora no curto prazo a guerra comercial entre China e EUA beneficie alguns setores produtivos brasileiros, a longo prazo essa disputa tem potencial para prejudicar a economia do Brasil e do mundo como um todo.

"No ano passado, o comércio mundial cresceu abaixo do previsto e neste ano a guerra comercial também está afetando o ritmo. Então há ganhos pontuais, mas há um risco de diminuição do ritmo de comércio mundial que pode afetar a previsão de crescimento da economia brasileira", diz.

Além disso, a imprevisibilidade dos próximos capítulos faz com que qualquer investimento seja arriscado. Se a guerra comercial terminar com um acordo que favoreça produtos agrícolas americanos, o setor exportador de commodities brasileiro pode ser negativamente afetado.

"É um risco muito grande apostar que esse mercado dure muito tempo. Pode ser que ele dure, mas pode ser que amanhã EUA e China estendam as mãos, façam um acordo e a gente passe a ter condições ainda mais desfavoráveis do que tinha antes da guerra comercial", destaca o gerente de negócios internacionais da CNI.

O presidente da Aprosoja concorda. Ele ainda destaca que, como a produção de soja nos EUA perdeu um comprador importante, haverá um grande excedente de produção lá e isso pode puxar para baixo os preços dos grãos no mercado internacional.

"A guerra comercial motivou o produtor brasileiro a plantar mais. Mas a soja que não foi vendida pelos EUA ficou represada e a nossa referência é a Bolsa de Chicago. Com a sobra de soja, os estoques estão altos e, com isso, o preço cai", diz Bartolomeu Braz.

"O que a gente percebe é que, no fim das contas, essa guerra comercial traz muitos riscos."



BRICS



CNI. 16/08/2019. Nova fonte de financiamento. Em acordo com a CNI, o novo banco de desenvolvimento - o banco do BRICS - vai abrir dois escritórios no Brasil em 2019. BRICS é o grupo de países de economias emergentes formado por África do Sul, China, Índia, Rússia e Brasil

O Brasil terá, até o fim do ano, o primeiro Escritório Regional das Américas do Novo Banco de Desenvolvimento (New Development Bank – NDB), o chamado banco do BRICS. A proximidade física com a instituição deve estimular uma melhor utilização dos recursos disponíveis e que são, ainda, pouco aproveitados pelo país, principalmente pelo setor privado.

O acordo para a abertura do escritório foi firmado, em junho, pelo presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, e o vice-presidente e chefe de operações do NDB, Xian Zhu. A cooperação será efetivada assim que o projeto for aprovado no Congresso Nacional. “Imaginamos que não haverá nenhum problema para a sua aprovação, pois é uma pauta muito positiva para o Brasil, que agrada tanto o governo atual quanto a oposição. Afinal, o banco foi criado na época do governo do PT”, explicou a secretária-executiva do Conselho Empresarial do BRICS, Fernanda Maciel.

A CNI disponibilizou os espaços onde funcionarão os dois escritórios do NDB durante os dois primeiros anos de operação do banco no Brasil. Eles serão lotados nos prédios da CNI: no Edifício Armando Monteiro Neto, em Brasília, e na rua Surubim, em São Paulo. O escritório principal (headquarter) ficará na capital paulista e será dedicado ao setor privado, enquanto o espaço na capital federal será voltado para as relações governamentais. Uma das expectativas é que o banco ofereça financiamento na moeda local, em real, ao invés de utilizar o dólar, como é feito atualmente, a fim de dar mais segurança aos projetos em relação às flutuações cambiais.

Além da sede do banco, em Xangai (China), há apenas um outro escritório regional no mundo, situado em Johanesburgo, na África do Sul. O Brasil será, portanto, o segundo país a abrigar um escritório de representação. “O banco tem uma estratégia de alcance global e também regional e pretende alcançar as Américas a partir do Brasil”, explica a Secretária Especial Adjunta de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Yana Dumaresq. A partir de 2020, um brasileiro deverá assumir a presidência do banco para um mandato de cinco anos, que é rotativo.

Segundo o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, a principal área de sucesso do BRICS é justamente a cooperação financeira, celebrada com o estabelecimento do Novo Banco de Desenvolvimento, que já tem classificação de risco AA+ das agências Fitch e Standard and Poor’s. “Porém, o Brasil ainda acessa pouco os financiamentos que a instituição oferece. No acumulado de 2016 a 2018, obteve menos crédito que China, Índia e Rússia, tanto em número de projetos quanto em valor desembolsado. Precisamos fazer melhor uso desse instrumento, sobretudo para investimentos em infraestrutura”, enfatiza.


FINANCIAMENTOS VULTUOSOS - O NDB foi criado em julho de 2014 para ser um banco de desenvolvimento multilateral de alcance global. Ele surgiu na sexta cúpula do BRICS, que foi realizada em Fortaleza, no Ceará. Assinaram o acordo de criação da instituição os então chefes dos países que formam os BRICS: os presidentes do Brasil, Dilma Rousseff; da Rússia, Vladimir Putin, da China, Xi Jinping, e da África do Sul, Jacob Zuma, além doal’eme o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi. 

Com capital de US$ 100 bilhões, o NDB é uma alternativa ao Banco Mundial e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), sobretudo para o financiamento de projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável. Segundo o estudo Arquitetura Financeira Conjunta do BRICS: o Novo Banco de Desenvolvimento, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o déficit de investimentos em infraestrutura nos países em desenvolvimento está entre US$ 1 trilhão ea US$ 1,5 trilhão por ano.

O foco de atuação do NDB são projetos de inovação, de longo prazo e de alto risco, que tenham impacto no desenvolvimento sustentável, como a criação de empregos e a sustentabilidade ambiental. Além disso, o banco incentiva a realização de projetos em conjunto com países- membros do BRICS.

Entre 2016 e 2018, o NDB aprovou 30 projetos, com valor total de US$ 8,1 bilhões. Segundo a pesquisa do Ipea, quase um terço do valor se destinou a financiamentos no setor de transporte, enquanto 26% forami direcionados à energia limpa.

AUSÊNCIA DO SETOR PRIVADO - Durante os três primeiros anos de operação do banco, foram destinados US$ 621 milhões ao Brasil, para quatro projetos, todos do setor público: um do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na área de energia renovável (eólica, solar e hidrelétrica), em 2017; um do Governo do Pará na área de esgotamento sanitário; um do Governo do Maranhão para a construção de estradas e a reconstrução de rodovia férrea;, e uma refinaria da Petrobras – os três últimos em 2018. O Brasil, como um dos cinco acionistas do NDB, já aportou US$ 1 bilhão até 2019 e deverá destinar mais US$ 1,050 bilhão para a instituição até 2022.

O setor privado brasileiro ainda não se beneficiou dos serviços do banco, apesar de existir a demanda. A secretária-executiva do Conselho Empresarial dos BRICS, Fernanda Maciel, atribui isso a uma falta de informação técnica e descarta qualquer relação com a qualidade dos projetos apresentados. Segundo ela, “as empresas privadas ainda têm um desconhecimento sobre o que é financiado pelo NDB”.

A opinião é compartilhada por Yana Dumaresq, do Ministério da Economia, que vê com bons olhos a aproximação do banco com o setor privado. “Diferentemente de outras instituições, o banco do BRICS tem um foco no setor privado. Estamos, portanto, na expectativa de que ele possa atuar nessta interface, que é realmente um diferencial”, afirma.

DOCUMENTO: https://noticias.portaldaindustria.com.br/noticias/economia/nova-fonte-de-financiamento/



ECONOMIA



BACEN. 16/08/2019. BC divulga Boletim Regional em Porto Alegre

APRESENTAÇÃO

O “Boletim Regional do Banco Central do Brasil”
é uma publicação trimestral do Banco Central do
Brasil que apresenta as condições da economia por
regiões e por alguns estados do país. Sob o enfoque
regional, enfatiza-se a evolução de indicadores
que repercutem as decisões de política monetária
– produção, vendas, emprego, preços, comércio
exterior, entre outros. Nesse contexto, a publicação
contribui para a avaliação do impacto das políticas
da Autoridade Monetária sobre os diferentes entes
da Federação, à luz das características econômicas
locais e das gestões políticas regionais.
As análises e informações do “Boletim Regional”
buscam oferecer à sociedade – em particular,
a gestores de política econômica nas esferas
subnacionais, pesquisadores e integrantes do meio
acadêmico, empresários, investidores, e profissionais
de imprensa – elementos que contribuam para
identificar a forma e, especialmente, a magnitude
de repercussão, no âmbito regional, das políticas
implementadas. Ao mesmo tempo, a publicação
contribui para dar à sociedade conhecimento dos
critérios analíticos da Instituição.
O “Boletim Regional” analisa as economias das regiões
Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul e dos
estados da Bahia, Ceará, Pernambuco, Minas Gerais,
Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.
A disponibilidade de estatísticas econômicas, bem
como a distribuição geográfica das representações
do Banco Central, influenciou a escolha dos estados.
Assim, para as regiões que possuem apenas uma
representação institucional – Norte e Centro-Oeste
–, optou-se pela análise agregada regionalmente.
Para as regiões em que existem mais de uma
representação, são apresentadas, além da análise
regional, as análises para os estados nos quais se
encontram as representações.
Homogeneidade, abrangência e regularidade foram
os principais critérios de escolha das estatísticas
e das fontes. Dessa forma, em sua maior parte, os
dados têm como origem os órgãos e os institutos
de âmbito nacional, destacadamente o Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e os
entes da administração direta. Em alguns casos,
foram utilizadas, complementarmente, informações
de entidades regionais. Dados sem tratamento das
fontes foram dessazonalizados pelo Departamento
Econômico do Banco Central do Brasil (Depec).

SUMÁRIO EXECUTIVO

A evolução dos indicadores de atividade sugere
possibilidade de retomada do processo de
recuperação da economia. Regionalmente, observouse, na margem, maior convergência nas trajetórias de
indicadores de atividade no curto prazo, refletindo
processo generalizado de acomodação. Nesse
cenário, a economia segue operando com alto nível
de ociosidade dos fatores de produção em todas as
regiões e diversas medidas de inflação subjacente se
encontram em níveis confortáveis.
O nível da atividade econômica no Norte recuou
no trimestre encerrado em maio, interrompendo
o crescimento observado nos dois trimestres
anteriores, reflexo do fraco desempenho da indústria
extrativa no Pará, parcialmente compensado pelo
comércio regional e pela produção do Polo Industrial
de Manaus. Apesar da recuperação da indústria
de transformação nos dois últimos trimestres, a
economia segue com elevado grau de ociosidade
dos fatores de produção, com o Nuci da atividade
permanecendo em patamar reduzido.
No Nordeste, a atividade econômica continua a
evidenciar acomodação do ritmo de crescimento.
O comportamento, na margem, decorreu da
combinação de elevação no volume de serviços
prestados e, principalmente, nas vendas do comércio,
com a retração da produção fabril. O desempenho
mais fraco da economia repercutiu sobre o mercado
de trabalho, sendo a única região a apresentar
eliminação de postos de trabalhos formais. Nesse
ambiente, o IBCR-NE variou -0,1% no trimestre
encerrado em maio, considerados dados com ajuste
sazonal.
A atividade econômica no Centro-Oeste assinalou
recuo no trimestre encerrado em maio, após cinco
trimestres consecutivos de elevação, impactada, em
especial, pela contração nos setores industriais, com
destaque para segmentos da transformação e de
energia e saneamento. A perspectiva de desempenho
positivo nas safras de inverno tende a favorecer a
retomada do crescimento na região, principalmente
pelos desdobramentos na indústria de alimentos e
no setor de transportes. Adicionalmente, o mercado
de trabalho mostrou sinais positivos bem como o
crédito às famílias, o que favorece o crescimento da
economia. O IBCR-CO decresceu 0,5% no trimestre
até maio, em comparação ao finalizado em fevereiro,
na série isenta de sazonalidade.
A economia da região Sudeste manteve trajetória
de recuperação gradual, evidenciada por aumentos
consecutivos do índice de atividade econômica do
Banco Central do Brasil, desde dezembro, na avaliação
trimestral. Nos últimos meses, alguns dos principais
parâmetros de atividade sugerem arrefecimento
do ritmo de recuperação, notadamente a produção
industrial – impactada principalmente pela atividade
extrativa –, e o volume de serviços. O IBCR-SE
variou 0,1% em relação ao trimestre encerrado em
fevereiro, quando crescera 0,7% na mesma base de
comparação, considerados dados dessazonalizados.
A evolução dos principais indicadores econômicos
da região Sul reforça o processo de acomodação
da atividade no primeiro semestre do ano, em linha
com a trajetória observada no país. No entanto, em
horizonte mais longo, a região apresenta crescimento
mais intenso do que a média nacional. A indústria
desempenha papel fundamental nesse processo,
com maior disseminação da recuperação entre as
atividades, embora permaneça a elevada ociosidade
da capacidade instalada. No mercado de trabalho, por
um lado, o emprego com carteira assinada dá sinais
de arrefecimento no ritmo de expansão, por outro, o
recuo da taxa de desocupação e a expansão da massa
de rendimentos sugerem a ampliação da demanda
nos próximos trimestres, que deverá ser ampliada
pela liberação de recursos das contas do FGTS. O
IBCR-S variou 0,2% no trimestre encerrado em maio,
na comparação com o finalizado em fevereiro.

DOCUMENTO: https://www.bcb.gov.br/content/publicacoes/boletimregional/201907/br201907p.pdf


________________

LGCJ.:

18 de agosto de 2019


ORGANISMS



INVERSIÓN EXTRANJERA DIRECTA EN AMÉRICA LATINA


CEPAL. 16/08/2019. La Inversión Extranjera Directa en América Latina y el Caribe 2019, Agosto 2019

Presenta un panorama regional anual de los ingresos de inversión extranjera directa y de las actividades de las empresas trasnacionales en los países latinoamericanos y caribeños, con una proyección regional para los meses siguientes. Incluye un análisis sobre los patrones de origen y destino de las inversiones y sobre el efecto de estas en el desempeño de las economías de los países.

En este informe anual de la CEPAL se presentan y analizan las principales tendencias de la inversión extranjera directa (IED) en los países de América Latina y el Caribe. En la región, las entradas de IED por primera vez en cinco años fueron superiores a las del año anterior (un 13,1%) y alcanzaron un monto de 184.287 millones de dólares.

Esta evolución, sin embargo, obedece a mayores flujos que se concentran en pocos países, principalmente el Brasil y México. Además, no se puede asociar a aportes de capital, sino que a mayores entradas por préstamos entre compañías y, en menor medida, reinversión de utilidades. Las manufacturas y los servicios fueron los sectores en que se recibieron más capitales, aunque con respecto a 2018 se observa un leve aumento de las entradas de inversión hacia los sectores de recursos naturales.

PRESENTACIÓN: https://www.cepal.org/sites/default/files/presentation/files/190814_presentacion_flagship_ied_final_sala.pdf?utm_source=CiviCRM&utm_medium=email&utm_campaign=20190815_Inversion_extranjera_2019

DOCUMENTO: https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/44697/8/S1900448_es.pdf



________________

LGCJ.:

16 de agosto de 2019


US ECONOMICS



INDUSTRY



FED. August 15, 2019. Industrial Production and Capacity Utilization

Industrial production declined 0.2 percent in July. Manufacturing output decreased 0.4 percent last month and has fallen more than 1-1/2 percent since December 2018. In July, mining output fell 1.8 percent, as Hurricane Barry caused a sharp but temporary decline in oil extraction in the Gulf of Mexico. The index for utilities rose 3.1 percent. At 109.2 percent of its 2012 average, total industrial production was 0.5 percent higher in July than it was a year earlier. Capacity utilization for the industrial sector decreased 0.3 percentage point in July to 77.5 percent, a rate that is 2.3 percentage points below its long-run (1972–2018) average.

FULL DOCUMENT: https://www.federalreserve.gov/releases/g17/current/g17.pdf



INTERNATIONAL CAPITAL



U.S. Department of the Treasury. 08/15/2019. Treasury International Capital Data for June

Washington – The U.S. Department of the Treasury today released Treasury International Capital (TIC) data for June 2019. The next release, which will report on data for July 2019, is scheduled for September 17, 2019.

The sum total in June of all net foreign acquisitions of long-term securities, short-term U.S. securities, and banking flows was a net TIC inflow of $1.7 billion. Of this, net foreign private inflows were $6.1 billion, and net foreign official outflows were $4.5 billion.

Foreign residents increased their holdings of long-term U.S. securities in June; net purchases were $63.8 billion. Net purchases by private foreign investors were $63.2 billion, while net purchases by foreign official institutions were $0.5 billion.

U.S. residents decreased their holdings of long-term foreign securities, with net sales of $35.3 billion.

Taking into account transactions in both foreign and U.S. securities, net foreign purchases of long-term securities were $99.1 billion. After including adjustments, such as estimates of unrecorded principal payments to foreigners on U.S. asset-backed securities, overall net foreign purchases of long-term securities are estimated to have been $79.9 billion in June.

Foreign residents decreased their holdings of U.S. Treasury bills by $23.0 billion. Foreign resident holdings of all dollar-denominated short-term U.S. securities and other custody liabilities decreased by $16.3 billion.

Banks’ own net dollar-denominated liabilities to foreign residents decreased by $61.9 billion.

TIC Data

The monthly data on holdings of long-term securities, as well as the monthly table on Major Foreign Holders of Treasury Securities, reflect foreign holdings of U.S. securities collected primarily on the basis of custodial data. These data help provide a window into foreign ownership of U.S. securities, but they cannot attribute holdings of U.S. securities with complete accuracy. For example, if a U.S. Treasury security purchased by a foreign resident is held in a custodial account in a third country, the true ownership of the security will not be reflected in the data. The custodial data will also not properly attribute U.S. Treasury securities managed by foreign private portfolio managers who invest on behalf of residents of other countries. In addition, foreign countries may hold dollars and other U.S. assets that are not captured in the TIC data. For these reasons, it is difficult to draw precise conclusions from TIC data about changes in the foreign holdings of U.S. financial assets by individual countries.

   TIC Monthly Reports on Cross-Border Financial Flows
   (Billions of dollars, not seasonally adjusted)
        12 Months Through    
      20172018Jun-18Jun-19MarAprMayJun
  Foreigners' Acquisitions of Long-term Securities        
              
1  Gross Purchases of Domestic U.S. Securities31501.736563.533785.439149.73499.63186.43747.33597.8
2  Gross Sales of Domestic U.S. Securities31096.336406.933467.239036.93527.23150.13752.03534.0
3  Domestic Securities Purchased, net (line 1 less line 2) /1405.4156.6318.3112.8-27.636.3-4.663.8
              
4   Private, net /2510.5257.2346.7285.9-17.953.611.163.2
5    Treasury Bonds & Notes, net169.3181.192.3202.30.044.4-10.86.9
6    Gov't Agency Bonds, net93.0140.2105.4159.11.614.712.325.6
7    Corporate Bonds, net129.858.6113.960.14.9-4.813.77.9
8    Equities, net118.3-122.735.0-135.7-24.5-0.7-4.022.8
              
9   Official, net /3-105.1-100.7-28.4-173.1-9.7-17.3-15.70.5
10    Treasury Bonds & Notes, net-149.4-179.5-99.7-248.8-12.6-27.5-22.0-14.6
11    Gov't Agency Bonds, net42.089.976.184.73.110.52.812.0
12    Corporate Bonds, net1.7-4.10.3-9.0-1.10.00.8-0.7
13    Equities, net0.5-7.0-5.1-0.10.8-0.42.63.8
              
14  Gross Purchases of Foreign Securities from U.S. Residents13711.017128.215907.017598.11608.01463.71517.31568.9
15  Gross Sales of Foreign Securities to U.S. Residents13584.116759.515688.017290.11606.11453.21508.11533.6
16  Foreign Securities Purchased, net (line 14 less line 15) /4126.9368.7219.0308.01.910.59.235.3
              
17    Foreign Bonds Purchased, net233.2324.8241.2266.26.910.710.913.7
18    Foreign Equities Purchased, net-106.343.9-22.241.8-5.0-0.2-1.721.6
              
19  Net Long-term Securities Transactions (line 3 plus line 16):532.3525.3537.3420.8-25.746.84.699.1
              
20  Other Acquisitions of Long-term Securities, net /5-181.7-170.2-182.9-176.4-14.0-16.1-18.2-19.1
              
21 Net Foreign Acquisition of Long-term Securities        
     (lines 19 and 20):350.6355.1354.4244.5-39.730.7-13.679.9
              
22 Increase in Foreign Holdings of Dollar-denominated Short-term        
     U.S. Securities and Other Custody Liabilities: /6190.2419.7476.760.469.7-30.70.1-16.3
23  U.S. Treasury Bills34.342.677.7-46.823.9-29.5-7.3-23.0
24   Private, net14.749.571.34.625.8-18.42.3-15.2
25   Official, net19.5-6.86.4-51.4-2.0-11.1-9.6-7.8
26  Other Negotiable Instruments        
     and Selected Other Liabilities: /7155.9377.0398.9107.245.8-1.27.46.7
27   Private, net154.9381.0396.8112.941.90.49.97.2
28   Official, net1.0-4.02.2-5.74.0-1.6-2.5-0.6
              
29 Change in Banks' Own Net Dollar-denominated Liabilities80.2-153.0-17.4-318.41.1-19.051.1-61.9
              
30Monthly Net TIC Flows (lines 21,22,29) /8620.9621.7813.8-13.631.1-18.937.61.7
  of which         
31  Private, net801.9775.7905.9253.355.9-17.778.26.1
32  Official, net-181.0-153.9-92.1-266.8-24.8-1.2-40.6-4.5
              
              
/1  Net foreign purchases of U.S. securities (+)        
/2  Includes international and regional organizations        
/3  The reported division of net purchases of long-term securities between net purchases by foreign official institutions and net purchases
    of other foreign investors is subject to a "transaction bias" described in Frequently Asked Questions 7 and 10.a.4 on the TIC website.

FULL DOCUMENT: www.treasury.gov/resource-center/data-chart-center/tic/Pages/index.aspx



GUATEMALA



U.S. Department of State. 08/15/2019. Secretary Pompeo’s Call with Guatemalan President-elect Alejandro Giammattei

The below is attributable to Spokesperson Morgan Ortagus:‎

Secretary Michael R. Pompeo spoke today with Guatemalan President-elect Alejandro Giammattei to congratulate him on his victory in the August 11 election.  The Secretary commended the people of Guatemala for a successful free, fair, and transparent election and reaffirmed the commitment of the United States to working with the new Giammattei administration.  The Secretary underscored our deep, historic relationship with Guatemala and recognized our close partnership in addressing illegal migration.



________________



ECONOMIA BRASILEIRA / BRAZIL ECONOMICS



VENEZUELA



MRE. AIG. NOTA-215. 15 de Agosto de 2019. Comunicado do Grupo de Lima

1. Os governos da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru, Santa Lúcia e Venezuela, membros do Grupo Lima, rechaçam categoricamente a ameaça da Assembleia Nacional Constituinte ilegítima do regime de Maduro de convocar inconstitucionalmente eleições antecipadas para a Assembleia Nacional da Venezuela, a única autoridade legítima e democraticamente eleita.

2. Qualquer ameaça feita pela Assembleia Nacional Constituinte e/ou pelo regime ilegítimo de Maduro contra a Assembleia Nacional da Venezuela representa um desafio aberto à democracia e à Carta Democrática Interamericana.

3. O regime de Maduro continua a minar sistematicamente as instituições na Venezuela. Esta tentativa de convocatória, além de levantar a imunidade parlamentar de outros quatro membros da Assembleia Nacional, é uma nova demonstração da clara violação de todas as normas democráticas, bem como do Estado de Direito e da Constituição venezuelana.

4. O Grupo Lima faz um chamado à comunidade internacional para que se pronuncie em uma só voz e exija a cessação destas ações provocativas e desesperadas do regime ilegítimo de Maduro.



EMPREGO



IBGE. 15/08/2019. PNAD Contínua trimestral: desocupação recua em 10 das 27 UFs no 2º trimestre de 2019

A taxa de desocupação do país no 2º trimestre de 2019 foi de 12,0%, caindo em ambas as comparações: -0,7 pontos percentuais (p.p.) frente ao primeiro trimestre de 2019 (12,7%) e -0,4 p.p. em relação ao mesmo trimestre de 2018 (12,4%).

As maiores taxas foram observadas na Bahia (17,3%), Amapá (16,9%) e Pernambuco (16,0%) e a menores, em Santa Catarina (6,0%), Rondônia (6,7%) e Rio Grande do Sul (8,2%).

Considerando-se as variações estaticamente significativas em relação ao trimestre anterior, a taxa recuou em 10 das 27 unidades da federação, permanecendo estável nas demais. As maiores variações foram no Acre (-4,4 p.p.), Amapá (-3,3 p.p) e Rondônia (-2,2 p.p). Já em relação ao mesmo trimestre de 2018, a taxa subiu em duas UFs: Roraima (3,7 p.p) e Distrito Federal (1,5 p.p.). Houve quedas em três UFs: Amapá (-4,4 p.p.) Alagoas (-2,7 p.p.) e Minas Gerais (-1,2 p.p.), com estabilidade nas demais.

No 2º trimestre de 2019, a taxa composta de subutilização da força de trabalho (percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação a força de trabalho ampliada) foi de 24,8%. Piauí (43,3%), Maranhão (41,0%) e Bahia (40,1%) apresentam as maiores taxas, todas acima de 40%. Já as menores taxas ocorreram em Santa Catarina (10,7%), Rondônia (15,7%) e Mato Grosso (15,8%).

O número de desalentados no 2º trimestre de 2019 foi de 4,9 milhões de pessoas de 14 anos ou mais. Os maiores contingentes estavam na Bahia (766 mil pessoas) e no Maranhão (588 mil) e os menores no Amapá (13 mil) e em Rondônia (15 mil).

O percentual de pessoas desalentadas (em relação à população na força de trabalho ou desalentada) no 2º trimestre de 2019 foi de 4,4%, mantendo o recorde da série histórica. Maranhão (18,4%) e Alagoas (15,2%) tinham os maiores percentuais e Santa Catarina (0,9%) e Rio de Janeiro (1,3%), os menores.

O percentual de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado do país era de 74,3%. Os maiores percentuais estavam em Santa Catarina (87,6%), Rio Grande do Sul (83,3%) e Paraná (81,4%) e os menores, no Maranhão (50,3%), Piauí (52,0%) e Pará (52,7%).

Já a proporção de empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado foi de 25,7%. As UFs com os maiores percentuais foram no Maranhão (49,7%), Piauí (48,0%) e Pará (47,3%), e as menores taxas estavam em Santa Catarina (12,4%), Rio Grande do Sul (16,7%) e Paraná (18,6%).

O percentual da população ocupada do país trabalhando por conta própria era de 25,9%. As unidades da federação com os maiores percentuais foram Pará (35,6%), Amapá (35,1%) e Amazonas (34,3%) e os menores estavam no Distrito Federal (19,6%), Mato Grosso do Sul (20,9%) e São Paulo (21,7%).

Em relação ao tempo de procura, no Brasil, 45,6% dos desocupados estavam de um mês a menos de um ano em busca de trabalho; 26,2%, há dois anos ou mais, 14,2%, de um ano a menos de dois anos e 14,0%, há menos de um mês. No Brasil, 3,3 milhões de pessoas procuram trabalho há 2 anos ou mais.

Bahia (17,3%) teve a maior taxa de desocupação do 2º trimestre de 2019

A taxa de desocupação do país no 2º trimestre de 2019 foi de 12,0%, caindo em ambas as comparações: -0,7 pontos percentuais (p.p.) frente ao primeiro trimestre de 2019 (12,7%) e -0,4 p.p. em relação ao mesmo trimestre de 2018 (12,4%). As maiores taxas foram observadas na Bahia (17,3%), Amapá (16,9%) e Pernambuco (16,0%) e a menores, em Santa Catarina (6,0%), Rondônia (6,7%) e Rio Grande do Sul (8,2%).

Taxa de desocupação (%) das pessoas de 14 anos ou mais de idade, 
Brasil e unidades da federação - 2º trimestre de 2019
Santa Catarina6,0
Rondônia6,7
Rio Grande do Sul8,2
Mato Grosso do Sul8,3
Mato Grosso8,3
Paraná9,0
Minas Gerais9,6
Goiás10,5
Ceará10,9
Espírito Santo10,9
Pará11,2
Tocantins11,4
Paraíba11,9
Brasil12,0
Rio Grande do Norte12,5
Piauí12,8
São Paulo12,8
Acre13,6
Distrito Federal13,7
Amazonas13,9
Maranhão14,6
Alagoas14,6
Roraima14,9
Rio de Janeiro15,1
Sergipe15,3
Pernambuco16,0
Amapá16,9
Bahia17,3

Piauí (43,3%) tem a maior taxa de subutilização do 2º trimestre

No 2º trimestre de 2019, a taxa composta de subutilização da força de trabalho foi de 24,8%. Piauí (43,3%), Maranhão (41,0%) e Bahia (40,1%) tinham as maiores taxas, todas acima de 40%. Já as menores taxas foram em Santa Catarina (10,7%), Rondônia (15,7%) e Mato Grosso (15,8%).


Percentual de pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupada na semana de referência como conta própria, por unidade da federação - 2º trimestre 2019
Distrito Federal19,6
Mato Grosso do Sul20,9
São Paulo21,7
Santa Catarina22,1
Minas Gerais23,4
Paraná24,8
Goiás25,4
Rio Grande do Sul25,5
Brasil25,9
Espírito Santo25,9
Tocantins26,2
Roraima26,5
Pernambuco27,5
Rio de Janeiro27,5
Mato Grosso27,6
Rio Grande do Norte28,4
Alagoas28,6
Bahia29,4
Paraíba30,3
Ceará30,4
Sergipe30,8
Piauí31,8
Rondônia32,2
Acre33,6
Maranhão33,6
Amazonas34,3
Amapá35,1
Pará35,6

Pará (35,6%) tem a maior proporção de trabalhadores por conta própria

O percentual da população ocupada do país trabalhando por conta própria era de 25,9%. As unidades da federação com os maiores percentuais foram Pará (35,6%), Amapá (35,1%) e Amazonas (34,3%) e os menores estavam no Distrito Federal (19,6%), Mato Grosso do Sul (20,9%) e São Paulo (21,7%).

Percentual de pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupada na semana de referência como empregado SEM carteira entre os empregados do setor privado, Brasil e unidades da federação - 2º trimestre 2019
Santa Catarina12,4
Rio Grande do Sul16,7
Paraná18,6
São Paulo19,1
Rio de Janeiro19,8
Distrito Federal21,4
Mato Grosso23,2
Mato Grosso do Sul24,8
Brasil25,7
Minas Gerais26,2
Goiás27,2
Espírito Santo27,5
Rondônia32,0
Acre32,7
Pernambuco34,1
Alagoas34,1
Amazonas35,8
Rio Grande do Norte35,8
Amapá37,3
Sergipe39,5
Ceará40,7
Roraima42,0
Bahia42,6
Tocantins42,7
Paraíba43,5
Pará47,3
Piauí48,0
Maranhão49,7

Maranhão tem o maior percentual de trabalhadores sem carteira (49,7%)

A proporção de empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado do país foi de 25,7%. As unidades da federação com os maiores percentuais foram no Maranhão (49,7%), Piauí (48,0%) e Pará (47,3%), e as menores taxas estavam em Santa Catarina (12,4%), Rio Grande do Sul (16,7%) e Paraná (18,6%).

Percentual de pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupada na semana de referência como empregado COM carteira entre os empregados do setor privado, Brasil e unidades da federação - 2º trimestre 2019
Maranhão50,3
Piauí52,0
Pará52,7
Paraíba56,5
Tocantins57,3
Bahia57,4
Roraima58,0
Ceará59,3
Sergipe60,5
Amapá62,7
Amazonas64,2
Rio Grande do Norte64,2
Pernambuco65,9
Alagoas65,9
Acre67,3
Rondônia68,0
Espírito Santo72,5
Goiás72,8
Minas Gerais73,8
Brasil74,3
Mato Grosso do Sul75,2
Mato Grosso76,8
Distrito Federal78,6
Rio de Janeiro80,2
São Paulo80,9
Paraná81,4
Rio Grande do Sul83,3
Santa Catarina87,6

Santa Catarina (87,6%) tem o maior percentual de trabalhadores com carteira

O percentual de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado do país era de 74,3%. Os maiores percentuais estavam em Santa Catarina (87,6%), Rio Grande do Sul (83,3%) e Paraná (81,4%) e os menores, no Maranhão (50,3%), Piauí (52,0%) e Pará (52,7%).

A taxa de desocupação no Brasil, no 2º trimestre de 2019, foi de 12,0%, mas com diferenças significativas entre homens (10,3%) e mulheres (14,1%). Taxas mais elevadas entre as mulheres foram observadas em todas as grandes regiões. As mulheres também se mantiveram como a maior parte da população fora da força de trabalho, tanto no país (64,6%) tanto em todas as regiões.Taxa de desocupação foi de 10,3% para os homens e 14,1% para as mulheres

O percentual de mulheres na população desocupada no 2º trimestre de 2019 foi de 52,8%. Na Região Nordeste, os percentuais praticamente se equiparavam, enquanto na Região Sul a estimativa para as mulheres chegava a 55,5%.

No 2º trimestre de 2019, o nível da ocupação dos homens, no Brasil, foi estimado em 64,3% e o das mulheres, em 45,9%. O comportamento diferenciado deste indicador entre homens e mulheres foi verificado nas cinco Grandes Regiões, com destaque para a Norte, onde a diferença entre homens e mulheres foi a maior (23,8 pontos percentuais), e Sudeste, com a menor diferença (17,5 pontos percentuais.

Taxas de desocupação de pretos (14,5%) e pardos (14,0%) superam a média do país

No 2 trimestre de 2019, a taxa de desocupação dos que se declararam brancos (9,5%) ficou abaixo da média nacional, enquanto a dos pretos (14,5%) e a dos pardos (14,0%) ficou acima. No 2º trimestre de 2012, quando a taxa média foi estimada em 7,5%, a dos pretos correspondia a 9,5%; a dos pardos a 8,7% e a dos brancos era 6,2%.

O contingente dos desocupados no Brasil no 1º trimestre de 2012 foi estimado em 7,6 milhões de pessoas; quando os pardos representavam 48,9% dessa população, seguido dos brancos (40,2%) e dos pretos (10,2%). No 2º trimestre de 2019, esse contingente subiu para 12,8 milhões de pessoas e a participação dos pardos passou a ser de 52,1%; a dos brancos reduziu para 34,7% e dos pretos subiu para 12,2%.

Na comparação trimestral, rendimento médio fica estável em 25 das 27 UFs

No 2º trimestre de 2019, o rendimento médio real de todos os trabalhos, habitualmente recebido por mês, pelas pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupadas na semana de referência, com rendimento de trabalho, foi estimado em R$ 2.290. Este resultado apresentou queda em relação ao trimestre imediatamente anterior (R$ 2.321) e também em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.295).

Por unidades da federação, Paraná (R$ 2.488) e Distrito Federal (R$ 3.945) tiveram redução de 4,3% e 4,7%, respectivamente, na comparação trimestral. Frente ao 2º trimestre de 2018, não houve variação estatisticamente significativa do rendimento médio real em nenhuma unidade da federação.

No Brasil, 3,3 milhões de pessoas procuram trabalho há mais de 2 anos

Em relação ao tempo de procura, no Brasil, no 2º trimestre de 2019, 45,6% dos desocupados estavam de um mês a menos de um ano em busca de trabalho. Entre 2012 e 2015, houve redução da proporção de desocupados que buscavam trabalho há 2 anos ou mais. Contudo, a partir de 2016, esse contingente apresentou crescimentos sucessivos, atingindo o maior percentual (26,2%) no 2º trimestre de 2019. Neste mesmo período, a proporção dos que buscavam trabalho há menos de um mês era 14,0%; enquanto aqueles com procura de 1 ano a menos de 2 anos chegava a 14,2%.

Em números absolutos, 1,8 milhão de desocupados buscavam trabalho há menos de um mês, enquanto 3,3 milhões procuravam uma ocupação há 2 anos ou mais (tabela a seguir).

Tempo de procura de trabalho2º Trimestre
20122013201420152016201720182019
Menos de 1 mês9088458408931 0631 4421 8601 789
De 1 mês a menos de 1 ano3 8184 0333 6164 5776 0266 7246 0595 823
De 1 ano a menos de 2 anos1 0031 0291 0691 3952 1082 3531 8531 807
2 anos ou mais1 5161 3171 1991 4352 3262 9073 1513 347
Tempo de procura de trabalhoVariação percentual
2013/
2012
2014/
2013
2015/
2014
2016/
2015
2017/
2016
2018/
2017
2018/
2019
2019/
2012
Menos de 1 mês-6,9-0,66,319,035,729,0-3,897,0
De 1 mês a menos de 1 ano5,6-10,326,631,711,6-9,9-3,952,5
De 1 ano a menos de 2 anos2,63,930,551,111,6-21,2-2,580,2
2 anos ou mais-13,1-9,019,762,125,08,46,2120,8

1 em cada 4 desempregados procura trabalho há pelo menos dois anos. País tem 3,347 milhões de pessoas em busca de emprego há dois anos ou mais

Mais de um quarto (26,2%) dos desempregados procuram trabalho há no mínimo dois anos, o que equivale a 3,347 milhões de pessoas nessa condição. Esses números são os maiores para um trimestre desde 2012, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada hoje pelo IBGE.

Em um ano, houve acréscimo de 196 mil pessoas que estão à procura de emprego há dois anos ou mais. Esse total era de 1,435 milhões de pessoas em 2015, um indicador com tendência de crescimento em função da dificuldade da inserção no mercado de trabalho a partir do início da crise econômica, em finais de 2014.

“A proporção de pessoas à procura de trabalho em períodos mais curtos está diminuindo, mas têm crescido nos mais longos. Parte delas pode ter conseguido emprego, mas outra aumentou seu tempo de procura para os dois anos”, avalia a analista da PNAD Contínua, Adriana Beringuy.


Pessoas de 14 anos ou mais em busca de trabalho


  • ×Brasil

Clique e arraste para zoom
Menos de 1 mês | BrasilDe 1 mês a menos de 1 ano | BrasilDe 1 ano a menos de 2 anos | Brasil2 anos ou mais | Brasil1º trimestre …2º trimestre 20153º trimestre 20154º trimestre 20151º trimestre 20162º trimestre 20163º trimestre 20164º trimestre 20161º trimestre 20172º trimestre 20173º trimestre 20174º trimestre 20171º trimestre 20182º trimestre 20183º trimestre 20184º trimestre 20181º trimestre 20192º trimestre 201902k4k6k8k1º trimestre 20182.249 Mil pessoas
Fonte: IBGE - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua trimestral

O elevado tempo de procura por emprego é um dos fatores que ajudam a explicar o desalento, por exemplo. No segundo trimestre, o país tinha 4,9 milhões de desalentados, aqueles que desistiram de procurar emprego. A maior parte está na Bahia (766 mil pessoas) e no Maranhão (588 mil pessoas).

Esse contexto também influencia a informalidade em um mercado de trabalho composto por 19,4 milhões de trabalhadores por conta própria sem CNPJ, 11,5 milhões de empregados sem carteira assinada e 873 mil de empregadores sem CNPJ.

“É uma inferência que pode favorecer inserções em ocupações de menores rendimentos, sem vínculos formais, como os conta própria ou sem carteira de trabalho, e até mesmo no desalento”, avalia a Adriana.

Entre os estados com maior aumento na proporção de trabalhadores sem carteira assinada, na comparação com o primeiro trimestre, estão Amazonas (33,5%), Amapá (24,6%) e Tocantins (20%).

Taxa de desocupação recua em 10 estados

A pesquisa mostrou também que a taxa de desocupação recuou em 10 das 27 unidades da federação, permanecendo estável nas demais, na comparação com o primeiro trimestre.

As maiores taxas foram observadas na Bahia (17,3%), Amapá (16,9%) e Pernambuco (16%) e as menores em Santa Catarina (6%), Rondônia (6,7%) e Rio Grande do Sul (8,2%).

A taxa de desocupação do país no segundo trimestre foi de 12%, ficando abaixo do registrado no primeiro trimestre (12,7%) e do segundo trimestre de 2018 (12,4%).

DOCUMENTO: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25214-pnad-continua-trimestral-desocupacao-recua-em-10-das-27-ufs-no-2-trimestre-de-2019



INFLAÇÃO



FGV. IBRE. 16/08/19. Índices Gerais de Preços. IPC-S. Inflação pelo IPC-S recua com destaque para o comportamento do item "hortaliças e legumes"

O IPC-S de 15 de agosto de 2019 variou 0,26%, ficando 0,06 ponto percentual (p.p) abaixo da taxa registrada na última divulgação.

Nesta apuração, quatro das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Alimentação (0,37% para 0,14%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de -1,33% para -4,80%.

Também registraram decréscimo em suas taxas de variação os grupos: Habitação (1,05% para 0,93%), Educação, Leitura e Recreação (-0,17% para -0,33%) e Despesas Diversas (0,27% para 0,20%). Nestas classes de despesa, vale destacar o comportamento dos itens: tarifa de eletricidade residencial (5,47% para 4,57%), passagem aérea (-10,32% para -13,41%) e alimentos para animais domésticos (1,53% para 0,37%).

Em contrapartida, os grupos Transportes (-0,41% para -0,23%), Vestuário (-0,24% para -0,05%) e Comunicação (0,09% para 0,16%) apresentaram avanço em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, vale citar os itens: gasolina (-1,70% para -1,08%), acessórios do vestuário (0,13% para 0,93%) e tarifa de telefone residencial (0,38% para 0,76%).

O grupo Saúde e Cuidados Pessoais repetiu a taxa de variação de 0,37% registrada na última apuração. As principais in?uências partiram dos itens: serviços de cuidados pessoais (0,29% para 0,35%), em sentido ascendente, e medicamentos em geral (0,19% para 0,12%), em sentido descendente.

DOCUMENTO: https://portalibre.fgv.br/navegacao-superior/noticias/inflacao-pelo-ipc-s-recua-com-destaque-para-o-comportamento-do-item-hortalicas-e-legumes.htm



GUATEMALA



MRE. AIG. NOTA-213. 14 de Agosto de 2019. Eleição presidencial na Guatemala

O Governo brasileiro felicita Alejandro Eduardo Giammattei Falla pela vitória na eleição presidencial da Guatemala, em 11 de agosto. Congratula-se, igualmente, com o conjunto da sociedade guatemalteca pela realização de eleições livres e democráticas.

Ao desejar todo o êxito ao presidente eleito, o Brasil reitera a confiança no fortalecimento dos tradicionais laços de amizade com a Guatemala.



CHINA



MRE. AIG. NOTA-214. 15 de Agosto de 2019. Comemoração dos 45 anos de relações diplomáticas Brasil-China – 15 de agosto de 2019

Brasil e China celebram hoje o 45º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas. Para marcar a data, os presidentes Jair Bolsonaro e Xi Jinping, assim como os ministros das Relações Exteriores, Embaixador Ernesto Araújo e Wang Yi, trocaram mensagens alusivas ao fato.

As relações sino-brasileiras são hoje caracterizadas por elevado grau de institucionalização e pelo interesse recíproco no aprofundamento do diálogo. Neste ano, foram realizados a V Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN) no nível de vice-presidentes e o III Diálogo Estratégico Global entre os ministros das Relações Exteriores, criado no âmbito da Parceria Estratégica Global. O dinamismo das relações bilaterais evidencia-se ainda pelo intenso calendário de troca de visitas de alto nível, com destaque para a programada ida do Presidente Jair Bolsonaro à China, ainda neste ano, e a vinda do Presidente Xi Jinping ao Brasil, em novembro, por ocasião da XI Cúpula do BRICS.

A China é importante fonte de investimentos e o principal parceiro comercial para o Brasil desde 2009. Brasil e China colaboram em bem-sucedidos projetos bilaterais nas áreas de espaço, nanotecnologia, energias renováveis, entre outros, e têm trabalhado para identificar áreas de interesse mútuo nas quais a cooperação entre os dois países possa ser intensificada.

Ao celebrar a tradicional cooperação entre Brasil e China, o governo brasileiro reitera sua disposição de continuar trabalhando com o governo chinês para fortalecer os laços bilaterais em benefício dos povos brasileiro e chinês.


________________

LGCJ.: