25 de agosto de 2016

US Treasury. 8/25/2016. U.S. Nominates Dr. Jim Yong Kim to Lead World Bank for Second Term

WASHINGTON – The U.S. Department of the Treasury today announced that the United States is nominating Dr. Jim Yong Kim to be President of the World Bank for a second term.

“I am proud to announce that today the United States has nominated World Bank President Jim Kim for a second term,” said U.S. Treasury Secretary Jacob J. Lew.

“President Kim has used his first term to focus the World Bank on effectively addressing today’s most pressing global development challenges in innovative ways, from ending extreme poverty and tackling inequality, to combating climate change.  President Kim has also ably led responses to major crises, including battling the Ebola pandemic and addressing the refugee crisis. In addition, President Kim spearheaded needed reforms at the World Bank to better leverage knowledge within the Bank and enhance the use of the financial resources that shareholders provide.  Re-electing President Kim will allow the World Bank to continue to build on these important initiatives and reforms.”

Dr. Jim Yong Kim, Nominee for President, The World Bank
Jim Yong Kim, M.D., Ph.D., became the 12th President of the World Bank Group on July 1, 2012. 

A physician and anthropologist, Dr. Kim has dedicated himself to international development for more than two decades, helping to improve the lives of under-served populations worldwide. Dr. Kim comes to the Bank after serving as President of Dartmouth College, a pre-eminent center of higher education that consistently ranks among the top academic institutions in the United States. Dr. Kim is a co-founder of Partners In Health (PIH) and a former director of the HIV/AIDS Department at the World Health Organization (WHO).  

As President of Dartmouth – an institution that comprises a liberal arts college and professional schools of medicine, engineering and business, as well as 19 graduate programs in the arts and sciences, a staff and faculty of 3,300, and a budget of $700 million – Dr. Kim earned praise for reducing a financial deficit without cutting any academic programs. Dr. Kim also founded the Dartmouth Center for Health Care Delivery Science, a multidisciplinary institute dedicated to developing new models of health care delivery and achieving better health outcomes at lower costs.

Before assuming the Dartmouth presidency, Dr. Kim held professorships and chaired departments at Harvard Medical School, the Harvard School of Public Health and Brigham and Women’s Hospital, Boston. He also served as director of Harvard’s François-Xavier Bagnoud Center for Health and Human Rights.

In 1987, Dr. Kim co-founded Partners In Health, a Boston-based non-profit organization now working in poor communities on 4 continents. Challenging previous conventional wisdom that drug-resistant tuberculosis and HIV/AIDS could not be treated in developing countries, PIH successfully tackled these diseases by integrating large-scale treatment programs into community-based primary care.

As Director of the World Health Organization’s HIV/AIDS Department, Dr. Kim led the ‘3 by 5’ initiative, the first-ever global goal for AIDS treatment, which sought to treat 3 million new HIV/AIDS patients in developing countries with antiretroviral drugs by 2005. Launched in September 2003, the ambitious program ultimately reached its goal by 2007.

Dr. Kim’s work has earned him wide recognition. He was awarded a MacArthur “Genius” Fellowship (2003), was named one of America’s “25 Best Leaders” by U.S. News & World Report (2005), and was selected as one of TIME magazine’s “100 Most Influential People in the World” (2006).

Born in 1959 in Seoul, South Korea, Dr. Kim moved with his family to the United States at the age of five and grew up in Muscatine, Iowa. Dr. Kim graduated with an A.B. magna cum laude from Brown University in 1982. He earned an M.D. from Harvard Medical School in 1991 and a Ph.D. in anthropology from Harvard University in 1993.

DoC. 08/24/2016. U.S. Secretary of Commerce Penny Pritzker to Participate in U.S.-India Strategic and Commercial Dialogue in New Delhi

U.S. Secretary of Commerce Penny Pritzker will travel to New Delhi, India, August 29-31 for the second U.S.-India Strategic and Commercial Dialogue (S&CD) and the U.S.-India CEO Forum.

Secretary Pritzker will co-chair the S&CD with U.S. Secretary of State John Kerry, Indian Minister of External Affairs Sushma Swaraj, and India Minister of Commerce and Industry Nirmala Sitharaman. In January 2015, President Obama and Prime Minister Modi elevated the existing U.S.-India Strategic Dialogue to the Strategic and Commercial Dialogue to reflect the growing significance of the U.S.-India economic relationship. This is the first time the S&CD will be held in India.

Secretary Pritzker will also co-chair the second U.S.-India CEO Forum alongside Jeff Zients, the Director of the National Economic Council and Assistant to the President for Economic Policy. The U.S.-India CEO Forum brings together CEOs and government representatives from both countries to discuss opportunities for increasing bilateral trade and investment. During this event, the CEOs will communicate their joint recommendations to the U.S. and Indian governments.

While in New Delhi, Secretary Pritzker will also meet with Indian entrepreneurs and participate in an event celebrating U.S.-India cooperation on travel and tourism. In June 2016, President Obama and Prime Minister Modi announced that the United States and India will be Travel and Tourism Partner Countries in 2017.

DoC. 08/22/2016. India’s Smart Cities Presents U.S. with a Unique Opportunity

During his January 2015 visit to New Delhi, President Obama and Prime Minister Modi announced the decision to elevate the U.S.-India Strategic Dialogue to a Strategic and Commercial Dialogue (S&CD). The expanded dialogue was created to reflect our two countries’ shared commitment to strengthen the bilateral commercial and economic partnership.

Given the importance of our relationship with India, it was imperative to better position the United States as one of India’s principal commercial partners by aligning U.S. commercial capabilities with the Government of India’s key priorities. A dedicated track within the S&CD focuses on infrastructure and smart cities. Through this work stream, the Commerce Department is taking a leadership role in partnering with India to develop smart cities and urban infrastructure, including the use of renewable energy and upgraded transportation. 

In terms of purchasing power, India is the third largest economy in the world. With approximately 1.28 billion people, which is more than a sixth of the world's population, India has the second most populous country in the world, and is estimated to add another 500 million people to its urban population over the next 40 years.

India’s government has almost overwhelmingly focused on economic development and, as a result, has proposed a nationwide program to build 100 smart cities. A smart city is a city equipped with basic infrastructure to provide a decent quality of life, and a clean and sustainable environment through the application of some smart solutions. Monitoring water quality, treatment of wastewater, smart meters, renewable sources of energy, efficient green building and intelligent traffic management systems are some of the solutions of a smart city. For India, this means a wide variety of major infrastructure projects across the country will be funded by the central and state governments, as well as private sector capital, over the next few years. India’s infrastructure needs are estimated to be in the $1.5 to $2 trillion range.

To spur smart city activity across India, the Government of India has partnered with Bloomberg Philanthropies to select 100 smart cities that will receive central government funding to be matched by the private sector. In recognition of cutting-edge U.S. technologies, products and services, the Government of India invited U.S. industry, in concert with the U.S. government, to take the lead in developing three Smart Cities in India: Ajmer in the state of Rajasthan; Allahabad in the state of Uttar Pradesh; and Vishakhapatnam (Vizag) in the state of Andhra Pradesh. The Bloomberg Smart City Challenge Competition released the 20 cities that will receive the first funding. Of the three U.S. industry-led smart cities, Vizag is included in the first group of 20.

With the support of the U.S. Trade and Development Agency (USTDA), U.S. companies will be involved in planning and providing technical assistance for each of these cities. Vizag is moving forward with a Master Planning grant issued by USTDA to be implemented by a three company consortium led by AECOM. However, U.S. participation is not limited to these three cities. Commercial Service (CS) India, in partnership with the American Chamber of Commerce and other local commercial chambers, have been staging events across India in cities with additional public and private smart city projects.

All this presents a tremendous opportunity for U.S. companies to assist India’s government to make its 100 smart city and green development goals a reality. In fact, earlier this month, Deputy Secretary of Commerce Bruce Andrews led a delegation of 18 U.S. companies on a Smart Cities Infrastructure Business Development Mission to India. Representatives from the Infrastructure industry joined the mission that was designed to connect them with opportunities in green infrastructure development, while introducing Indian policymakers, businesses and urban planners to the world-class services offered by the mission participants.

During keynote remarks at the third Smart Cities Summit in Mumbai, Deputy Secretary Andrews said that though the presence of the mission delegates underscores America’s commitment to the U.S.-India relationship, the full potential of that relationship will not be realized without solving the lingering challenge of India’s business climate.

“We want to be partners – because India's success is critical to the future of both the global economy and the world's fight to address climate change,” said Deputy Secretary Andrews. “Working together, we can help India not only build the foundation for a sustainable, green future – but, in the process, show the world how to create truly 21st century cities.”

FGV. IBRE. 25/08/2016. Sondagens e Índices de Confiança. Sondagem do Comércio. Confiança do Comércio avança em agosto

O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) da Fundação Getulio Vargas avançou 7,2 pontos em agosto de 2016, ao passar de 74,9 para 82,1 pontos. Na métrica de médias móveis trimestrais, o índice também avançou 3,7 pontos, a maior alta da série iniciada em março de 2010.

Entre os indicadores que integram o ICOM, o Índice da Situação Atual (ISA-COM) subiu 5,9 pontos e o Índice de Expectativas (IE-COM) 8,2 pontos.

 “O resultado de agosto consolida a tendência de alta da confiança do Comércio em 2016, com alguma melhora na percepção sobre o ambiente atual dos negócios. Ainda assim, a distância recorde de 21 pontos entre os índices que medem expectativas e percepção sobre o momento presente (IE e ISA) ilustra o fato de que, em agosto, o setor apresenta um grau de otimismo em relação ao futuro que se aproxima da neutralidade mas continua enfrentando grandes dificuldades no dia a dia”, afirma Aloisio Campelo Jr., Superintendente de Produção de Bens Públicos da FGV/IBRE.

A alta do ICOM foi bastante disseminada entre os setores, tendo atingido 12 dos 13 segmentos principais pesquisados. O ISA-COM avançou em 8 dos 13 segmentos. No IE-COM, a confiança avançou nos 13 segmentos.

Com a alta de 5,9 pontos em agosto, o ISA-COM chegou a 72,0 pontos, nível ainda muito mais próximo do mínimo histórico, de 59,8 pontos, que da mediana, de 102,8 pontos. Entre os dois indicadores que o compõem, a maior contribuição no mês veio do quesito que mede o grau de satisfação com a Situação Atual dos Negócios, que subiu 7,0 pontos em relação ao mês anterior, chegando a 74,1 pontos. Apesar da melhora em agosto, a alta do ISA-COM ocorreu pelo retorno à uma situação considerada como sendo “normal” por empresas que antes indicavam insatisfação com a situação presente. A proporção de empresas realmente satisfeitas com a situação dos negócios ou com o nível de demanda continua oscilando próximo aos níveis mínimos históricos.

O IE-COM subiu 8,2 pontos em agosto, atingindo 93,0 pontos, o maior desde agosto de 2014 (95,0). Houve alta dos indicadores que medem o grau de otimismo tanto com as Vendas nos 3 meses seguintes quanto com a evolução da Situação dos negócios nos 6 meses seguintes. Ambos avançaram 8,1 pontos no mês. Com a alta em agosto, o IE-COM começa a se aproximar dos níveis medianos históricos (101,9).

A edição de agosto de 2016 coletou informações de 1.208 empresas entre os dias 01 e 23 deste mês.

DOCUMENTO: http://portalibre.fgv.br/main.jsp?lumPageId=402880972283E1AA0122841CE9191DD3&contentId=8A7C82C5557F25F20156C13D3368553F

MTE. 25/08/2016. CAGED. JULHO/2016. Emprego formal continua trajetória de recuo de perda de postos. Em julho, 94.724 vagas foram fechadas, um recuo de 0,24% em relação ao estoque do mês anterior

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), divulgado mensalmente pelo Ministério do Trabalho, demonstram que o emprego formal em julho continuou sua trajetória de recuo de perda de postos de trabalho. No mês foram -94.724 postos de trabalho, equivalente ao declínio de 0,24% em relação ao estoque do mês anterior.

A perda foi bem menor que o registrado em julho do ano passado, quando alcançou -157.905 vagas. Em junho, a retração foi de 0,23% (-92.032 vagas) em comparação ao estoque de maio. A queda foi bem menor que junho de 2015, quando houve o fechamento de 111.199 vagas formais.

Para o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, essa desaceleração demonstra uma recuperação gradual da economia. “Estamos perdendo menos vagas e a tendência para os próximos meses é que essa desaceleração continue e possamos gerar vagas no segundo semestre”, avaliou.

Segundo o Caged, o estoque de emprego para julho é de 39.068.534 trabalhadores com carteira de trabalho assinada. O acumulado do ano registra uma redução de 1,57%, correspondendo à perda de 623.520 postos de trabalho. Nos últimos doze meses, o recuo foi de 1.706.459 postos de trabalho, representando uma variação de negativa de 4,18%, na comparação com os 12 meses anteriores.

Entre os setores da economia, a Agricultura continua gerando postos, registrando no mês um acréscimo de 4.253 vagas formais, um incremento de 0,26% em relação ao mês anterior. A Administração Pública foi outro setor com resultado positivo, registrando a geração de 237 postos de trabalho ou +0,03%.  Houve perda no setor de Serviços (-40.1470 postos ou – 0,24%), na Construção Civil (-27.718 postos ou -1,09%), no Comércio (-16.286 postos ou – 0,18%) e na Indústria de Transformação (-13.298 postos ou -0,18%).

Emprego geográfico - No recorte geográfico, cinco estados apresentaram incremento no nível de emprego formal, com destaque para Mato Grosso (+2.016 postos ou 0,30%). Os maiores recuos ocorreram  em Minas Gerais (-5.345 postos ou -0,38%), São Paulo (-13.795 postos ou -0,11%) e Rio Grande do Sul (-12.166 postos ou -0,47%).

DOCUMENTO: http://pdet.mte.gov.br/caged

IBGE. 25/08/2016. PAC 2014: receita das vendas pela internet cresceu 290,4% desde 2007

Entre 2007 e 2014, a receita bruta das vendas via internet praticadas pelas empresas comerciais do país saltou de R$ 7,7 bilhões para R$ 30,2 bilhões, já descontados os efeitos da inflação. Isso representa um crescimento real de 290,4%.
No mesmo período, a receita bruta do comércio com as televendas cresceu 236,3% e a receita bruta do comércio varejista como um todo aumentou 86,5%.
Em 2014, o Brasil tinha 1,6 milhão de empresas comerciais, que geraram R$ 3,0 trilhões de receita operacional líquida e pagaram R$ 186,3 bilhões em remunerações a 10,7 milhões de trabalhadores. O Sudeste manteve participação majoritária nas principais variáveis do comércio em 2014: receita bruta de revenda (51,1%); remunerações (55,5%) e ocupados (51,2%), além de pagar o maior salário médio (2,0 salários mínimos).
Em relação a 2013, o salário médio real do comércio (R$ 1.340) cresceu 4,7%, e o maior aumento foi no varejo (6,8%). Já a receita líquida do comércio cresceu 7,3% no período, impulsionada pelo atacado. Também cresceram a massa salarial (8,1%) e o número de ocupados (3,3%), impulsionados pelo varejo.
Essas são algumas das informações da Pesquisa Anual de Comércio (PAC) do IBGE, que investiga a estrutura produtiva das empresas comerciais do país, aferindo produtividade, margem comercial, salários e pessoal ocupado, entre outras variáveis.
A receita bruta das vendas das empresas comerciais do país pela internet saltou de R$ 7,7 bilhões para R$ 30,2 bilhões, entre 2007 e 2014, já descontados os efeitos da inflação. Isso significa um crescimento real de 290,4%. No mesmo período, a receita bruta do comércio com as televendas foi de R$ 3,7 bilhões para R$ 12,6 bilhões, também em valores reais, o que representa um aumento de 236,3%. Enquanto isso, a receita bruta do comércio varejista, incluindo todas as formas de comercialização, teve um aumento real de 86,5%, indo de R$ 753,3 bilhões, em 2007, para R$ 1,4 trilhão, em 2014.
A venda em lojas, postos de combustíveis, boxes em mercado, depósitos, galpões, armazéns e salas predomina largamente no comércio varejista, mas perdeu participação na receita bruta desse setor, entre 2007 (96,9%) e 2014 (95,9%). Já as vendas pela internet duplicaram sua participação (de 1,0% para 2,2%, no período), enquanto as televendas cresceram quase na mesma intensidade (de 0,5% para 0,9%).
Por outro lado, as outras formas de comercialização (quiosques e traillers, correio, porta a porta, postos móveis, ambulantes etc.) perderam participação no período (de 1,6% para 1,0%).
Entre 2007 e 2014, o varejo aumentou sua participação na receita do comércio (de 39,8% para 43,4%). Por outro lado, comércio atacadista recuou (de 44,9% para 44,4%), assim como o comércio de veículos automotores, peças e motocicletas (de 15,4% para 12,2%).
De 2013 para 2014, varejo de outros produtos novos teve o maior aumento real de salários
De 2013 para 2014, entre as atividades comerciais analisadas pela PAC, o maior aumento do salário médio real (19,7%, chegando a R$ 1.000, em 2014) foi observado no comércio varejista de outros produtos novos (inclui o varejo de artigos de joalheria, relojoaria, metais preciosos; artigos de suvenires, de bijuteria e de artesanato; objetos de arte, animais vivos; equipamentos para escritório; artigos para festas, funerários e eróticos, sex shop etc.).
Essa atividade, que paga remunerações relativamente baixas, também teve o maior crescimento da massa salarial anual (21,5%). Já a atividade que pessoal ocupado mais cresceu foi o atacado de papel e papelão em bruto e de embalagens (14,2%).
Em 2014, o varejo foi o segmento comercial que empregou mais pessoas
Em 2014, o varejo respondeu por 73,7% do pessoal ocupado no comércio, devido ao seu grande número de empresas (1,3 milhão ou 78,8% do total) e unidades locais (1,4 milhão ou 78,6% do total). Por isso, o varejo pagou 62,9% das remunerações (R$ 117,2 bilhões). No entanto, o varejo pagava o menor salário médio (R$ 1.143, contra R$ 2.058 no atacado e R$ 1.574 em veículos automotores, peças e motocicletas).

Principais indicadores das empresas comerciais em 2014 e suas variações em relação a 2013 - Brasil
Divisões, grupos e classes de atividades
Dados comparativos das empresas comerciais
Receita operacional líquida
Salários, retiradas e outras remunerações
Pessoal ocupado em 31.12
Unidades locais com receita de revenda
Número de empresas
1 000 R$
1 000 R$
1 000 R$
Unidades
Unidades
2014
Total
2.981.999.695

186.308.803

10.698.299

1.793.964

1.647.212
Comércio de veículos, peças e motocicletas
364.459.734
19.600.082
958.093
163.088
151.442
Comércio por atacado
1.322.972.655
49.531.378
1.851.453
220.126
197.957
Comércio varejista
1.294.567.306
117.177.343
7.888.753
1.410.750
1.297.813
Variações reais de 2013 para 2014 (%)
Total
7,3
8,1
3,3
1,8
1,1
Comércio de veículos, peças e motocicletas
1,8
3,3
0,7
2,7
2,8
Comércio por atacado
8,5
3,8
2,4
3,3
3,0
Comércio varejista
7,6
10,9
3,8
1,5
0,6
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio, Pesquisa Anual de Comércio 2013-2014.

A participação do atacado na receita líquida (44,4%) do comércio superou por pouco a do varejo (43,4%). Já a margem de comercialização (diferença entre a receita líquida de revenda e o custo das mercadorias) do varejo foi R$ 367,9 bilhões (54,1%% do total), bem acima dos outros dois setores (37,3% no atacado e 8,6% para veículos automotores, peças e motocicletas).
53,5% dos trabalhadores do comércio estavam em empresas com até 19 ocupados
Em 2014, as empresas com até 19 pessoas ocupadas pagaram a maior parte dos salários (R$ 70,9 bilhões ou 38,1%), pois concentravam 53,5% dos trabalhadores (5,7 milhões) e 96,3% das empresas (1,6 milhão) no comércio. Mas as maiores receitas operacionais líquidas vieram de empresas com 500 ou mais pessoas ocupadas (R$ 949,8 bilhões ou 31,9%).
Comércio de veículos tinha uma média de 13 ocupados por empresa em 2014
Em 2014, entre as três atividades do comércio de veículos automotores, peças e motocicletas, a de veículos captou 67,5% (236,8 bilhões) da receita líquida dessa divisão, ocupando 31,9% dos trabalhadores (305,5 mil) em 15,8% das empresas (23,9 mil). Já o setor de peças para veículos gerou 26,2% da receita, mas pagou 46,2% (R$ 9,1 bilhões) das remunerações e liderou em ocupados (57,6% ou 551,7 mil pessoas) e empresas (71,7% ou 108,6 mil).
Na atividade de veículos automotores estavam a maior média de ocupados por empresa (13), o maior salário médio (3,1 salários mínimos mensais) e a maior produtividade (R$ 74.454), que é a divisão do valor adicionado pelo número de ocupados. No entanto, as revendas de peças para veículos tinham a maior taxa de margem de comercialização (42,1%).
A maior receita do atacado veio de combustíveis e lubrificantes em 2014
Em 2014, a principal atividade em receita líquida no segmento do atacado foi combustíveis e lubrificantes, com R$ 310,9 bilhões (24,4%). A receita dessa atividade teve um aumento real de 10,1% e deu a maior contribuição (1,0 p.p.) para o aumento da receita do comércio.
No atacado, o líder em remunerações foi o ramo de máquinas e equipamentos (R$ 8,7 bilhões, ou 17,7% do total), enquanto a atividade de produtos alimentícios, bebidas e fumo tinha mais pessoas ocupadas (420,5 mil ou 22,7% do total).
Em 2014, as revendas atacadistas de mercadorias em geral e de combustíveis e lubrificantes tinham as maiores médias de ocupados por empresa (43 e 24 respectivamente) e o atacado de produtos farmacêuticos, a mais alta taxa de margem de comercialização (58,3%).
Hiper e supermercados geraram a maior receita do comércio varejista
Em 2014, a maior receita líquida de revenda no comércio varejista foi em hiper e supermercados (R$ 310,6 bilhões ou 24,3% do segmento). As maiores remunerações foram pagas por hiper e supermercados (R$ 19,9 bilhões ou 17,0%), com as lojas de departamento, eletrodomésticos e móveis (16,5%) e o comércio de tecidos, artigos do vestuário e calçado (15,7%) logo a seguir.
A média de ocupados por empresa em hiper e supermercados (131) foi muito acima das demais. O vice-líder, combustíveis e lubrificantes, tinha 12 ocupados por empresa.
Sudeste segue líder em receita, salários, número de unidades e pessoal ocupado
Em 2014, o Sudeste dominou as principais variáveis: receita bruta de revenda (R$ 1,7 trilhão ou 51,1% do total); remunerações (R$ 103,4 bilhões ou 55,5%); ocupados (5,5 milhões ou 51,2%) e unidades locais (868,6 mil ou 48,4%). O Sudeste também pagou o maior salário médio mensal (2,0 salários mínimos), acima da média do país (1,9). Entre as demais regiões, uma igualou e três ficaram abaixo dessa média: Sul (1,9) Centro-Oeste (1,8), Norte (1,8) e Nordeste (1,4).

DOCUMENTO: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=3239

BACEN. 25/08/2016. Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro em julho/2016

I - Operações de crédito do sistema financeiro

O crédito total do sistema financeiro, incluindo operações com recursos livres e direcionados, atingiu R$3.116 bilhões em julho, com retração de 0,4% no mês e expansão de 0,2% em doze meses (-0,6% e +0,9%, respectivamente, em junho). O recuo mensal resultou do declínio de 0,9% no crédito a pessoas jurídicas, saldo de R$1.586 bilhões, e do aumento de 0,1% na carteira de pessoas físicas, que somou R$1.530 bilhões. A relação crédito/PIB situou-se em 51,4%, ante 51,9% em junho e 53,3% em julho do ano anterior.

O crédito livre atingiu R$1.554 bilhões, após reduções de 1% no mês e de 2,5% em doze meses. A carteira de pessoas jurídicas declinou 1,8% no mês, totalizando R$755 bilhões, destacando-se os declínios em capital de giro e outros créditos livres (principalmente, aquisição de recebíveis). No crédito às famílias, o saldo situou-se em R$799 bilhões (-0,1% no mês), destacando-se a expansão do crédito pessoal consignado e o declínio nos financiamentos de veículos.

O crédito direcionado alcançou R$1.562 bilhões, com expansões de 0,1% no mês e 3% em doze meses. O saldo das operações com pessoas físicas cresceu 0,2%, atingindo R$732 bilhões, com aumento de 0,8% no crédito imobiliário. Os financiamentos às empresas permaneceram estáveis em R$830 bilhões.

Entre os setores de atividade econômica, destacaram-se retrações mensais em comércio (-2%, saldo de R$274 bilhões), outros serviços (-1,6%, para R$193 bilhões) e indústria de transformação (-0,7%, saldo de R$433 bilhões). O crédito ao setor privado declinou 0,5%, situando-se em R$2.861 bilhões, enquanto o saldo dos financiamentos ao setor público aumentou 0,2%, somando R$255 bilhões.

O saldo das operações de crédito acima de R$1 mil se manteve estável no Nordeste (R$399 bilhões) e recuou nas demais regiões: Sul (-0,5%, R$543 bilhões), Sudeste (-0,4%, R$1.674 bilhões), Centro-Oeste (-0,4%, R$324 bilhões) e Norte (-0,4%, R$116 bilhões).

I.1 - Taxas de juros e inadimplência

A taxa média de juros das operações de crédito do sistema financeiro, incluindo as contratações com recursos livres e direcionados, atingiu 33% a.a. em julho, com aumentos de 0,4 p.p no mês e 4,6 p.p. em doze meses. No segmento livre, a taxa atingiu 52,7% a.a. (+0,5 p.p no mês e +8,5 p.p. em doze meses) e, no direcionado, 11,5% a.a. (+0,5 p.p. e +1,4 p.p., nas mesmas bases de comparação).

A taxa média de juros no crédito às famílias situou-se em 42% a.a., com elevações de 0,2 p.p. no mês e de 5,7 p.p. em doze meses. No mês, a taxa situou-se em 71,9% a.a. no crédito livre, após aumento de 0,5 p.p. (crédito não consignado, +3,9 p.p.; cheque especial, +2,7 p.p.; cartão de crédito parcelado, +2,3 p.p.). No crédito direcionado, a taxa média subiu 0,1 p.p., atingindo 10,6% a.a.

A taxa de juros do crédito às empresas atingiu 22,1% a.a., elevando-se 0,4 p.p. no mês e 2,3 p.p. em doze meses. No segmento livre, alta de 0,1 p.p. e taxa média de 30,4% a.a. (desconto de duplicatas, +3 p.p.; financiamentos a exportações, +1,6 p.p.; conta garantida, +1,3 p.p.). No segmento direcionado, o custo médio subiu 1 p.p. no mês, para 12,7% a.a. (financiamentos para investimento do BNDES, +1,4 p.p.).

O spread bancário referente às operações com recursos livres e direcionados situou-se em 23,2 p.p. em julho, após aumentos de 0,5 p.p. no mês e 4,8 p.p. em doze meses. O aumento mensal refletiu elevações respectivas de 0,5 p.p. e 0,2 p.p. nos créditos às empresas e às famílias.

A taxa de inadimplência das operações de crédito, correspondente aos atrasos superiores a noventa dias, situou-se em 3,6% em julho (+0,1 p.p. no mês e +0,6 p.p. em doze meses), alcançando 4,1% no crédito às famílias (+0,1%) e 3% no crédito às empresas (estável). No crédito livre, a inadimplência alcançou 5,7% (+0,1 p.p.), enquanto no segmento direcionado, permaneceu em 1,4%.

II - Evolução dos agregados monetários

A média dos saldos diários da base monetária totalizou R$237,5 bilhões em julho, com expansões de 0,4% no mês e de 1,5% em doze meses. A variação mensal refletiu o aumento de 0,5% no papel-moeda emitido e a queda de 0,2% nas reservas bancárias.

Entre os fluxos mensais dos fatores condicionantes da base monetária, destacaram-se as operações do Tesouro Nacional e as compras líquidas de divisas no mercado interbancário, com impactos expansionistas de R$30,2 bilhões e R$19,2 bilhões, respectivamente. Em contrapartida, as operações com títulos públicos federais implicaram contração de R$48,4 bilhões, a partir de vendas líquidas de R$81,7 bilhões no mercado secundário e resgates líquidos de R$33,3 bilhões no mercado primário.

O saldo médio diário dos meios de pagamento restritos (M1) alcançou R$304,1 bilhões em julho, com acréscimo mensal de 1,7%, decorrente dos avanços de 3,2% nos depósitos à vista e de 0,6% no papel-moeda em poder do público. Em doze meses, o M1 recuou 0,5%.

O saldo dos meios de pagamento no conceito M2, que corresponde ao M1 mais depósitos de poupança e títulos privados, cresceu 0,3% em julho, totalizando R$2,3 trilhões. Essa variação refletiu o aumento de 0,4% nos depósitos de poupança, cujo saldo situou-se em R$642,4 bilhões, apesar do resgate líquido de R$1,1 bilhão. O saldo de títulos privados elevou-se 0,5%, somando R$1,3 trilhão, com captações líquidas de R$3,4 bilhões em depósitos a prazo.

O M3, que compreende o M2, as quotas de fundos de renda fixa e os títulos públicos que lastreiam as operações compromissadas entre o público e o setor financeiro, cresceu 1,1% no mês, atingindo R$5 trilhões, após aumento de 1,8% nas quotas de fundos de renda fixa, que somaram R$2,5 trilhões. O M4, conceito que agrega ao M3 os títulos públicos de detentores não financeiros, cresceu 0,7% no mês e 11,3% nos últimos doze meses, totalizando R$5,9 trilhões.

DOCUMENTO: http://www.bcb.gov.br/htms/notecon2-p.asp

BNDES. 25/08/2016. BNDES aprova programa de apoio à reintegração de ativos ao sistema de produção

  • Nova linha de financiamento terá orçamento de R$ 5 bilhões
  • Prazo de vigência será até 31 de agosto de 2017

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou programa de Incentivo à Revitalização de Ativos Produtivos, que tem por objetivo apoiar a transferência de ativos economicamente viáveis, detidos por empresas em recuperação judicial, extrajudicial ou falência ou em crise econômico-financeira e elevado risco de crédito, a critério do BNDES.

A alienação de ativos deve ser feita para empresas que desejem adquiri-los para empreender atividade econômica e reintegrar o bem ao sistema produtivo. Com isso, o novo programa visa promover o aproveitamento, a utilização e a conservação de ativos existentes, evitando sua deterioração e prevenindo, assim, a formação de passivos socioambientais.

O programa de Incentivo à Revitalização de Ativos Produtivos terá dotação orçamentária de R$ 5 bilhões e prazo de vigência até 31 de agosto de 2017.

Ao incentivar a transferência de ativos produtivos, a medida contribuirá para estimular a atividade econômica e a função social da empresa, preservando empregos e gerando renda. Além disso, o programa fortalecerá a adoção de melhores práticas de governança e de gestão em relação aos ativos alienados.

O apoio do BNDES, na modalidade direta, será destinado unicamente ao adquirente e se dará por meio de financiamentos (renda fixa), com a possibilidade também de introdução de mecanismos de subscrição de valores mobiliários. A vendedora deverá encontrar-se em recuperação judicial, extrajudicial ou falência, ou em crise econômico-financeira e elevado risco de crédito (a critério do BNDES).

O apoio de forma indireta, via agentes financeiros do BNDES, somente poderá ocorrer nos casos de regime de recuperação judicial, extrajudicial ou falência.

Beneficiários do Programa – Os beneficiários (adquirentes) do Programa de Incentivo à Revitalização de Ativos Produtivos serão empresas e cooperativas, com sede e administração no Brasil, observadas as seguintes condições:

  1. O adquirente deverá ser dotado de capacidade gerencial e situação econômica e financeira compatível com a aquisição e a exploração pretendida, bem como com o financiamento pretendido.
  2. O ativo deverá ser adquirido com o propósito de empreender atividade econômica, ainda que diversa da exercida pela vendedora. 
  3. O adquirente deverá possuir demonstrações financeiras auditadas por empresa de auditoria independente registrada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). 
  4. O adquirente não poderá integrar o grupo econômico da vendedora, ser parte relacionada à vendedora, e ser identificado como agente da vendedora.

Entre os itens financiáveis estão unidades industriais, estabelecimentos comerciais, participação societária representativa do controle ou integrante do bloco de controle. O ativo objeto do interesse do adquirente deverá estar em fase de implantação, operacional ou desativado.

Poderá ser financiada também a aquisição de bens imóveis, máquinas e equipamentos usados e direitos de propriedade intelectual.

Desde que vinculados aos objetivos do programa, poderão também ser financiados estudos, projetos, consultorias e auditoriais (em especial para elaboração de plano de negócios, restruturação empresarial, implantação de práticas de governança corporativa e planejamento estratégico); e capital de giro associado à aquisição e operação inicial do ativo.

Condições financeiras:

  • Taxa de juros: referenciais de custo de mercado e/ou custo financeiro equivalente ao eventual crédito já preexistente do BNDES, junto à empresa vendedora do ativo, limitado, nesta segunda hipótese, ao valor do referido crédito.
  • Participação máxima do BNDES: até 100% dos itens financiáveis. 
  • Spread básico: 1,5% ao ano.
  • Spread de risco: de acordo com o risco do adquirente.
  • Prazo total: os prazos de carência e amortização deverão ser compatíveis com o fluxo de caixa projetado, limitado o prazo total a 10 anos.

BNDES. 25/08/2016. Com redução de custos e reforço no orçamento, BNDES amplia apoio financeiro a capital de giro

  • Prazo de vigência do BNDES Progeren foi prorrogado até final de 2017
  • Micro, pequenas e médias empresas terão as melhores condições

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou medidas que ampliam o apoio financeiro para capital de giro a empresas de todos os portes. Nesse sentido, o Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda (BNDES Progeren) teve seu prazo de vigência prorrogado até 31 de dezembro de 2017 e recebeu reforço orçamentário de R$ 2,3 bilhões, totalizando R$ 10 bilhões. Desse montante, R$ 7 bilhões serão destinados a micro, pequenas e médias empresas (MPME) – empresas com faturamento anual de até R$ 90 milhões.

Além disso, o BNDES promoveu redução nos custos financeiros do programa. Para as micro, pequenas e médias empresas (empresas com faturamento anual até R$ 90 milhões), a taxa total do BNDES caiu para 9,50% ao ano, abaixo dos valores anteriores. No início deste ano, para as micro e pequena empresas , a taxa era de 11,59% a.a.; e, em abril último, havia caído para 10,20% a.a. Em relação às médias empresas, a taxa total do BNDES era de 12,56% a.a.

Para outros portes de empresas, as taxas do BNDES Progeren também foram reduzidas. As médias-grandes (empresas com faturamento anual entre R$ 90 milhões e R$ 300 milhões) tiveram seu custo reduzido para 13,06% a.a.., inferior à taxa praticada anteriormente de 14,61% a.a. Já para as grandes empresas (faturamento anual acima de R$ 300 milhões), a taxa total caiu de 17,11% a.a. para 16,61% a.a. Esses custos consideram os valores atuais das taxas Selic (14,25% a.a.) e TJLP (7,5% a.a.)

O apoio do Banco no âmbito do BNDES Progeren ocorre de forma indireta, ou seja, por meio de sua rede de agentes financeiros credenciados. Portanto, os empresários deverão acrescentar a esse custo de financiamento o “spread” do banco repassador, que é de livre negociação.

O BNDES Progeren é destinado ao aumento da produção, do emprego e da massa salarial, por meio do apoio financeiro para capital de giro. Desde sua criação, o programa vem sendo utilizado como relevante instrumento de apoio financeiro às empresas, especialmente em momentos de crise econômica.

Em 2015 os desembolsos do BNDES Progeren atingiram R$ 1,6 bilhão. No acumulado janeiro/julho de 2016, o programa desembolsou cerca de R$ 770 milhões, representando aumento de 24% em relação ao mesmo período do ano passado, quando as liberações somaram aproximadamente R$ 618 milhões. A parcela destinada às micro e pequenas empresas cresceu 126% nesses sete primeiros meses do ano.

USP. FIPE. ZAP IMÓVEIS. 25/08/2016. Preços de aluguel e venda de imóveis comerciais têm queda em julho. Queda dos preços do aluguel é de 0,65% e 0,39% de venda, diz FipeZap. Queda do índice foi maior no Rio de Janeiro, seguido por Belo Horizonte.
Do G1, em São Paulo

O preço médio do aluguel de imóveis comerciais teve queda de 0,39% em julho na comparação com o mês anterior, segundo pesquisa FipeZap divulgada nesta quinta-feira (25). Já os preços de venda recuaram 0,65% na mesma comparação. O Rio de Janeiro ganhou destaque na variação de preços em julho: a queda foi de 1,75% na venda e de 0,19% na locação.

Nos últimos 12 meses, terminados em julho, o preço médio do aluguel de imóveis comerciais teve queda real (considerando a inflação para o período de 8,74%) de 17,67% e o de venda de 10,78%.

Os dados da índice consideram o preço de venda e locação de salas e conjuntos comerciais de até 200 m² em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre.

Rio de Janeiro é a cidade mais cara
Em julho, a média de preço do metro quadrado entre as 4 cidades da pesquisa é de R$ 10.468 para venda e R$ 45 para locação. Assim como os residenciais, os imóveis comerciais que têm o maior preço por metro quadrado entre as cidades pesquisadas são dos do Rio de Janeiro (R$ 12.059 para venda e R$ 51 para locação).
A segunda cidade com imóveis comerciais mais caros é São Paulo (R$ 10.808 para venda e R$ 48 para locação), seguida por Porto Alegre (R$ 8.028 e R$ 33, respectivamente). A cidade com os menores preços foi Belo Horizonte, com R$ 7.485 para venda e R$ 32 para locação). São Paulo registrou a maior taxa de rentabilidade do aluguel (5,6%), seguido por Belo Horizonte (5,3%) e Rio de janeiro (5%). Porto Alegre registrou a menor taxa (4,8%).

Contratos de aluguel já vigentes
A pesquisa leva em consideração o preço de imóveis anunciados para novos contratos, e não os contratos de aluguel que já estão valendo. Nesses casos, os preços são geralmente ajustados de acordo com o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) da FGV, ou outros índices de correção. O IGP-M, acumula alta de 6,24% no ano e, em 12 meses, de 11,79%.


DÓLAR/ANÁLISE

BACEN. PORTAL G1. 25/08/2016. Dólar fecha em alta, de olho em Fed e julgamento do impeachment. A moeda subiu 0,27%, cotada a R$ 3,2316 na venda. Na semana, a moeda acumula alta de 0,76% e no mês, queda de 0,35%.
Do G1, em São Paulo

O dólar fechou em alta nesta quinta-feira (25), com investidores ainda evitando grandes apostas antes do discurso da chefe do Federal Reserve, Janet Yellen, e enquanto o Senado dava início ao julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.
A moeda subiu 0,27%, cotada a R$ 3,2316 na venda. Veja a cotação do dólar hoje.
Na semana, a moeda acumula alta de 0,76% e no mês, queda de 0,35%. No ano, há queda de 18,15%.
Acompanhe a cotação ao longo do dia

  • Às 9h09, queda de 0,07%, a R$ 3,2206
  • Às 10h20, alta de 0,11%, a R$ 3,2267
  • Às 11h10, alta de 0,28%, a R$ 3,2322
  • Às 12h19, alta de 0,3%, a R$ 3,2328
  • Às 12h49, alta de 0,27%, a R$ 3,2315
  • Às 14h09, alta de 0,11%, a R$ 3,2266
  • Às 15h26, alta de 0,24%, a R$ 3,2307
  • Às 16h16, alta de 0,14%, a R$ 3,2274

"Dá para resumir o mercado em duas palavras: Yellen e impeachment", disse à Reuters o diretor de câmbio do Banco Paulista, Tarcísio Rodrigues.
O discurso de Yellen, previsto para sexta-feira, vem monopolizando as atenções dos mercados desde o início desta semana. Declarações de diversas autoridades do banco central dos Estados Unidos vêm alimentando apostas de que os juros devem subir até o fim do ano, segundo a Reuters. Juros mais altos nos EUA poderiam atrair para o país recursos aplicados atualmente em outros mercados, motivando uma tendência de alta do dólar em relação a moedas como o real.
Nesta quinta-feira, começou o julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado e a expectativa é que seja concluído até o fim do mês. O mercado já dá praticamente como dado que o impeachment será confirmado, o que pode servir de gatilho para trazer mais recursos externos ao Brasil, segundo a Reuters.
Daqui em diante, segundo operadores, o foco estará nas relações entre o governo de Michel Temer e o Congresso em sua campanha por angariar apoio a medidas de ajuste fiscal.
"Muito do impeachment já foi antecipado pelos derivativos, mas pode vir mais fluxo de estrangeiros, agora que o foco volta para o fiscal", resumiu à agência o estrategista de renda fixa da corretora Coinvalores, Paulo Celso Nepomuceno.
Nesta manhã, o Banco Central brasileiro vendeu novamente 10 mil swaps reversos, que equivalem a compra futura de dólares.

BACEN. PORTAL UOL. 25/08/2016. Dólar fecha em alta, a R$ 3,232, de olho em impeachment e juros nos EUA
Do UOL, em São Paulo

O dólar comercial fechou esta quinta-feira (25) em alta de 0,27%, cotado a R$ 3,232 na venda. Na véspera, a moeda norte-americana havia caído 0,33%.

Apesar de subir no dia, o dólar ainda acumula desvalorização de 0,35% no mês e de 18,15% no ano.

A sessão foi influenciada pelo início do julgamento final do impeachment no Brasil e pela expectativa em torno do discurso da presidente do BC dos EUA, marcado para amanhã.

Impeachment na reta final
Investidores acompanhavam o julgamento final do processo de impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff, que começou nesta quinta-feira no Senado. A votação que definirá se a presidente deixará o cargo definitivamente deve acontecer na madrugada da próxima quarta (31).

Grande parte dos investidores acredita que o impeachment será confirmado, o que pode servir de gatilho para trazer mais recursos do exterior para o Brasil.

Daqui em diante, segundo operadores, o foco estará nas relações entre o governo do presidente interino, Michel Temer. Disso depende a aprovação de medidas para tentar equilibrar as contas públicas. Temer tem enfrentado dificuldade para conseguir apoio de alguns parlamentares.

Atuação do BC
Nesta sessão, o Banco Central voltou a atuar no mercado de câmbio. Ao todo, foram vendidos 10 mil swaps reversos, contratos que equivalem à compra futura de dólares.

Investidores querem saber se o governo vai tentar evitar quedas mais fortes do dólar. A moeda barata demais pode atrapalhar a recuperação econômica porque prejudica as exportações e impulsiona as importações. Por outro lado, o dólar alto faz a inflação acelerar.

Juros nos EUA
No exterior, investidores continuam à espera do discurso da presidente do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos), Janet Yellen, previsto para esta sexta-feira (26).

Declarações recentes de membros do Fed vêm aumentando as apostas de que os juros nos EUA poderão subir novamente até o final do ano.

"Dá para resumir o mercado [nesta sessão] em duas palavras: Yellen e impeachment", disse à agência de notícias Reuters o diretor de câmbio do Banco Paulista, Tarcísio Rodrigues.

Juros mais altos nos EUA podem atrair para lá recursos atualmente aplicados em países onde as taxas são maiores, como o Brasil.

(Com Reuters)

BACEN. PORTAL UOL. JORNAL FSP. 25/08/2016. Empresários pedem para Temer segurar dólar a R$ 3,20
VALDO CRUZ
GUSTAVO URIBE
DE BRASÍLIA

Empresários da região Sul pediram nesta quarta-feira (24) ao presidente interino, Michel Temer, que o governo não deixe a cotação do dólar cair abaixo de R$ 3,20, para evitar prejuízos para as empresas exportadoras.

Em resposta, o peemedebista disse que sua equipe não irá permitir um "derretimento" do dólar que venha a desestimular as exportações brasileiras, mas não se comprometeu com um patamar determinado para o valor da moeda norte-americana.

Não é a primeira vez que Temer é pressionado por empresários a evitar uma queda forte do valor do dólar. Ele sempre diz que não irá permitir uma desvalorização excessiva da moeda americana, enquanto sua equipe econômica faz questão de lembrar que o câmbio é flutuante, com possibilidade de intervenções no mercado por parte do Banco Central.

Segundo assessores presidenciais, o ideal seria um dólar que ficasse na faixa de R$ 3,10 a R$ 3,20. Eles acreditam, porém, que após o julgamento final da presidente Dilma Rousseff, que deve confirmar seu afastamento, a cotação do dólar pode cair para algo entre R$ 2,85 e R$ 2,90 num primeiro momento. Depois, voltaria a subir, ficando acima de R$ 3.

Os empresários foram levados ao encontro de Temer pelo deputado Mauro Pereira (PMDB-RS). Entre os presentes, estavam dirigentes da Marcopolo e da Agrale.

"O ideal, para as exportações brasileiras, seria um dólar na casa de R$ 3,80, mas hoje isso não é possível", afirmou o deputado. "Então, os empresários pediram ao presidente que o governo não deixe a moeda americana cair abaixo de R$ 3,20."

O dólar começou esta quarta-feira (24) em alta, mas depois mudou de direção no período da tarde e fechou em queda de 0,33%, cotado a R$ 3,223 na venda. Na véspera, a moeda norte-americana havia subido 1%.

Com isso, o dólar acumula desvalorização de 0,62% no mês e de 18,37% no ano. Em fevereiro, o dólar chegou a ser cotado na casa de R$ 4.

Caiu para a faixa de R$ 3,50 quando a Câmara aprovou, em maio, a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Depois da posse do peemedebista como interino e do anúncio da agenda fiscal do governo, o dólar passou a cair diante da melhora do humor do mercado em relação ao país e também por causa de expectativas mais positivas vindas de fora.

Com a conclusão do processo de impeachment, Temer pretende fazer viagens internacionais na tentativa de vender a imagem de que a instabilidade política foi superada.

BOVESPA/ANÁLISE

BOVESPA. PORTAL G1. 25/08/2016. Bovespa fecha praticamente estável nesta quinta-feira. Ibovespa avançou 0,01%, aos 57.722 pontos. Mercado acompanha início do julgamento final do impeachment.
Do G1, em São Paulo

O principal índice da Bovespa fechou praticamente estável nesta quinta-feira (25), após sessão volátil, em meio a um ambiente externo também sem tendência definida, com agentes financeiros monitorando o início do julgamento final do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.
O Ibovespa teve oscilação positiva de 0,01%, terminando o dia aos 57.722 pontos. Veja a cotação.
O volume financeiro somou R$ 5,76 bilhões, abaixo da média diária do ano.
No mês de agosto, a bolsa acumula alta de 0,72%. No ano, o avanço é de 33,15%.
Destaques do dia
Petrobras fechou com as preferenciais em alta de 1,05% e as ordinárias com valorização de 1,43%, favorecidas pela  alta dos preços do petróleo.
Vale encerrou com as preferenciais subindo 0,72% e as ordinárias ganhando 0,17%, resistindo à fraqueza do preços do minério de ferro na China
Lojas Renner subiu 3,22%, na segunda alta consecutiva após uma série de seis quedas, assim como Raia Drogasil, que avançou 2,75%  após três sessões consecutivas de perdas.
Na outra ponta, Ecorodovias, Qualicorp e Fibria lideraram as baixas, com queda de mais de 3%.
Cenário externo e local
Em Wall Street, os pregões fecharam no vermelho após alguma indefinição na sessão, conforme segue a expectativa em relação a sinalizações que a chair do Federal Reserve, Janet Yelle, pode dar sobre o rumo dos juros norte-americanos na sexta-feira.
No Brasil, o Senado começou nesta manhã o julgamento do impeachment de Dilma, acusada de crime de responsabilidade.
Na visão do gestor Marco Tulli Siqueira, da mesa de operações de Bovespa da Coinvalores, o impeachment já está no preço das ações, o que não está é o pós-decisão, com muitas incertezas sobre as medidas que serão adotadas pelo governo, destaca a Reuters.

BOVESPA. PORTAL UOL. 25/08/2016. Bolsa fecha quase estável; Petrobras, Vale, Bradesco e BB sobem, Itaú cai
Do UOL, em São Paulo

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou esta quinta-feira (25) praticamente estável, com leve alta de 0,01%, a 57.722,14 pontos. Na véspera, a Bovespa havia caído 0,52%.

Com isso, a Bolsa acumula ganho de 0,72% no mês e de 33,15% no ano.

As ações da Petrobras, da mineradora Vale, do Banco do Brasil e do Bradesco terminaram o dia em alta. No entanto, os papéis do Itaú Unibanco registraram queda. Essas empresas têm grande peso sobre o Ibovespa.

Petrobras ganha 1,43%
As ações ordinárias da Petrobras (PETR3), com direito a voto em assembleia, ganharam 1,43%, a R$ 14,85.

As ações preferenciais da Petrobras (PETR4), que dão prioridade na distribuição de dividendos, avançaram 1,05%, a R$ 12,53.

Os papéis da estatal foram influenciados pela alta nos preços do petróleo no exterior.

Vale sobe 0,72%
As ações preferenciais da Vale (VALE5) subiram 0,72%, a R$ 15,41, e as ações ordinárias da Vale (VALE3) se valorizaram 0,17%, a R$ 18,18.

Nesta quinta, a mineradora disse ter se tornado a empresa mais lucrativa do setor de mineração no primeiro semestre deste ano, superando suas principais concorrentes.

Bradesco e BB avançam; Itaú cai
As ações do Bradesco (BBDC4) tiveram alta de 0,46%, a R$ 28,25, e as ações do Banco do Brasil (BBAS3) avançaram 0,4%, a R$ 22,44.

No sentido oposto, as ações do Itaú Unibanco (ITUB4) caíram 0,31%, a R$ 35,30.

Dólar sobe 0,27%, a R$ 3,232
No mercado de câmbio, o dólar comercial fechou em alta de 0,27%, cotado a R$ 3,232 na venda. Na véspera, a moeda norte-americana havia caído 0,33%.

Apesar de subir no dia, o dólar ainda acumula desvalorização de 0,35% no mês e de 18,15% no ano.

Bolsas internacionais
As principais Bolsas de Valores da Europa fecharam em queda:

  • Itália:-1,07%
  • Alemanha: - 0,88%
  • Espanha: -0,65%
  • França: -0,65%
  • Portugal: -0,45%
  • Inglaterra: -0,28%

Das sete principais Bolsas da Ásia e do Pacífico, três encerraram a sessão com baixa, duas tiveram alta e duas ficaram praticamente estáveis:

  • Taiwan: +1,09%
  • Cingapura: +0,26%
  • Hong Kong: +0,03%
  • Coreia do Sul: -0,04%
  • Japão: -0,25%
  • Austrália: -0,36%
  • China: -0,57%

(Com Reuters)

BOVESPA. REUTERS. 25/08/2016. Bovespa fecha estável com exterior e impeachment em foco, após sessão volátil
Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa fechou praticamente estável nesta quinta-feira, após sessão volátil, diante de um ambiente externo também sem tendência definida, com agentes financeiros monitorando o começo do julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.

O Ibovespa encerrou com variação positiva de 0,01 por cento, a 57.722 pontos. O volume financeiro somou 5,76 bilhões de reais - novamente abaixo da média diária do ano.

Em Wall Street, os pregões fecharam no vermelho após alguma indefinição na sessão, conforme segue a expectativa em relação a sinalizações que a chair do Federal Reserve, Janet Yelle, pode dar sobre o rumo dos juros norte-americanos na sexta-feira.

No Brasil, o Senado começou nesta sessão o julgamento do impeachment de Dilma, acusada de crime de responsabilidade. A votação que definirá seu afastamento definitivo, porém, só vai ocorrer provavelmente na madrugada da próxima quarta-feira.

Na visão do gestor Marco Tulli Siqueira, da mesa de operações de Bovespa da Coinvalores, o impeachment já está no preço, o que não está é o pós-decisão, com muitas incertezas sobre as medidas que serão adotadas pelo governo.

DESTAQUES

  • PETROBRAS fechou com as preferenciais em alta de 1,05 por cento e as ordinárias com valorização de 1,43 por cento, favorecidas pela alta dos preços do petróleo.
  • VALE encerrou com as preferenciais subindo 0,72 por cento e as ordinárias ganhando 0,17 por cento, resistindo à fraqueza do preços do minério de ferro na China, com encontro da mineradora com analistas no radar.
  • LOJAS RENNER subiu 3,22 por cento, na segunda alta consecutiva após uma série de seis quedas, assim como RAIA DROGRASIL, que avançou 2,75 por cento após três sessões consecutivas de perdas.
  • CESP caiu 2,25 por cento, após forte alta na véspera com a notícia de que o Conselho de Desestatização de São Paulo recomendou ao governador a retomada dos trabalhos e estudos para a privatização da geradora de energia.
  • BRASKEM recuou 2,34 por cento. O Itaú BBA reduziu o preço-alvo das ações para 27,5 reais, mas reiterou recomendação "outperform", citando que o fluxo de caixa segue forte apesar da apreciação do real

_______________

LGCJ.:

24 de agosto de 2016

MF. MPOG. BACEN. 24/08/2016. Meirelles defende PEC dos gastos em audiência pública na Câmara dos Deputados. PEC 241/2016. Ministro reafirma que medida faz parte da estratégia do governo para enfrentar crise e retomar investimento
Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participa de audiência pública na Comissão Especial do Novo Regime Fiscal, na Câmara dos Deputados, que está em andamento. Ele apresentou os principais argumentos para aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, que limita o crescimento dos gastos públicos federais.

Em sua explanação aos parlamentares, o ministro fez um resumo da proposta do Executivo para conter o aumento das despesas, encaminhada ao Congresso Nacional. Explicou que os gastos da União nos próximos 20 anos não podem ser superior à inflação, mas lembrou que após 10 anos sob o novo regime o Legislativo pode rever a medida e definir as regras para os 10 anos seguintes.

Também citou que a PEC não implica em punição ou paralisia de programas governamentais, mas o descumprimento aciona medidas automáticas de controle das despesas no ano seguinte.

A PEC dos gastos, disse Meirelles,  faz parte da estratégia de enfrentamento da crise e retomada do investimento, pois ela cria condições para a volta do equilíbrio fiscal com visão de longo prazo.  “A proposta cria regras que contenham a pressão por expansão dos gastos além da capacidade de pagamento do governo”.

Meirelles defendeu ainda que a experiência internacional mostra que um ajuste das contas públicas bem sucedido e com impacto positivo sobre o crescimento de longo prazo coloca ênfase na contenção da despesa. Além disso, disse, é um ajuste de longa duração e enfoque no longo prazo, em vez de constituído por medidas pontuais de ajuste, que podem ser revertidas.

Segundo o ministro, em ajustes dessa natureza, a confiança das empresas e dos consumidores reage fortemente, permitindo a recuperação do investimento e do crescimento. “Com isso, os investimentos crescem, os empregos voltam e a economia se recupera.”

Saúde e Educação

Mereilles esclareceu que a PEC 241 não obriga qualquer redução de gastos com saúde e educação, apenas altera a fórmula de cálculo do limite mínimo (piso) dessas despesas. No caso da saúde, a proposta é vincular o limite mínimo do gasto ao IPCA e não mais à Receita Corrente Líquida (RCL), como é atualmente.

“Em momentos de crise a correção pela inflação protege o investimento em saúde, enquanto a vinculação á receita nem sempre gera um limite mais alto”, argumentou o ministro.

Ele citou que em 2014, os gastos com saúde pelo critério de 13,2% da RCL totalizaram R$ 84,7 bilhões; em 2015, R$ 89 bilhões; e em 2016 R$ 91,7 bilhões. Pelo critério de piso vinculado à inflação, esses valores subiriam, respectivamente, para R$ 87,7 bilhões; R$ 93,3 bilhões; e R$ 103,2 bilhões.

Imposto

Meirelles apontou que há um desequilíbrio estrutural das contas públicas brasileiras e defendeu que o problema do déficit e da dívida pública não pode ser resolvido por meio de aumento de impostos, porque a carga tributária do Brasil já está entre as mais altas do mundo.

Mesmo assim, não descartou aumento de tributos no futuro, em caso de “absoluta prioridade e necessidade”. O ministro ponderou, no entanto, que esse não é o caminho para resolver uma questão estrutural. “Não é caminho para equacionar o problema em longo prazo. O desequilíbrio fiscal é forte, mas precisamos de um ajuste gradual, persistente e com credibilidade.”

Crise

O ministro também destacou as causas da crise atual, como “as desonerações fiscais seletivas” e “abandono da prudência fiscal”.  Citou a queda do investimento, de 21,5% do PIB em 2012 para 16,9% em 2016 e comparou a situação da dívida pública do Brasil com outros países .

Meirelles enfatizou que a questão fiscal foi o motivador da crise.  Ele avaliou que a desconfiança na capacidade futura do governo se financiar aumentou o risco País, aumentou o custo do financiamento do Tesouro e, consequentemente, a dívida pública. “O governo passa a cobrar da sociedade um volume maior de recursos para financiar sua dívida e sobra menos recursos para o consumo”.

O ministro observou que solucionar a crise é a mais importante política social a ser colocada em prática para recuperar o emprego e a renda. “Os mais prejudicados são os mais pobres renda. A crise atinge fundamente os de renda mais baixa”, destacou ao apresentar dados do IPEA mostrando que em 2014  o desemprego atingiu 20% da população de menor renda e apenas 1,9% da população mais rica.

APRESENTAÇÃO: http://fazenda.gov.br/centrais-de-conteudos/apresentacoes/2016/apresentacao-pec-241-ministro-da-fazenda-h-meirelles.pdf

MF. 23/08/2016. PEC dos gastos está sendo aperfeiçoada para ir à votação, diz Meirelles. Após reunião com parlamentares da Comissão Especial do Novo Regime Fiscal, ministro afirma que teto não está sob questionamento
Gustavo Raniere/GMF

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta terça-feira (22/08) que o governo iniciou uma fase de aperfeiçoamento da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, que limita o crescimento dos gastos públicos federais à inflação do ano anterior. Após reunião com deputados da Comissão Especial sobre o Novo Regime Fiscal, Meirelles ressalvou que o estabelecimento do teto “não está sob questionamento.”

Henrique Meirelles esclareceu que o aperfeiçoamento da proposta está ocorrendo nas comissões técnicas da Câmara e com o relator do projeto, deputado Darcísio Perondi (PMDB/RS). “Através do relatório do deputado Perondi nós teremos o texto base final para que seja submetido a votação. O importante é que o teto é algo que não está sob questionamento”, relatou o ministro a jornalistas após café da manhã com os  deputados.

Participaram da reunião o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Geddel Vieira Lima, e 22 deputados, entre os quais o líder do governo na Câmara dos Deputados, André Moura (PSC/SE), o relator da PEC 241, deputado Darcísio Perondi (PMDB/RS), e o presidente da comissão especial, Danilo Forte (PSB/CE).

Henrique Meirelles reafirmou que a PEC que estabelece o teto para os gastos é o primeiro movimento estrutural efetivo de controle da evolução dos gastos públicos do Brasil nas últimas três décadas.  “É um movimento fundamental para [resgatar] a confiança da sociedade brasileira de que as contas públicas estão sob controle, de que o estado brasileiro, no futuro, será capaz de pagar as suas contas, de que é solvente”, enfatizou o ministro.

Na avaliação do titular da Fazenda, controlar as despesas públicas num momento crucial de retração econômica é uma ação necessária para restaurar a confiança, retomar o crescimento, recuperar os empregos, aumentar a renda e reduzir a inflação.

Meirelles disse ainda ter a expectativa de que a votação da PEC ocorra este ano, mas lembrou que no Orçamento de 2017  o governo já prevê um teto para o crescimento dos gastos. “É uma prerrogativa de votação no Congresso para que isso seja votado, idealmente,  esse ano ou no ano que vem o mais cedo possível. É importante mencionar que no orçamento de 2017 nós já estamos considerando o teto como diretriz, independentemente da PEC”.

Café da manhã

Durante o café da manhã com o ministro Geddel Vieira Lima e deputados, Meirelles esclareceu algumas dúvidas dos parlamentares sobre a PEC, entre as quais, o porquê do prazo de 20 anos para o cumprimento do teto. O ministro esclareceu que se trata de uma sinalização de equilíbrio das contas públicas no longo prazo de forma a atrair investimentos.

“Para que a economia se recupere precisamos de investimentos de longo prazo. Para isso, precisamos sinalizar que as contas públicas estarão controladas por um período longo. Quanto mais medidas de curto prazo menor é a dose de confiança”, disse o ministro.

Ele reforçou aos parlamentares que a finalidade do novo regime fiscal é a retomada do crescimento econômico. “O Brasil está caindo no abismo com a inflação subindo e o PIB caindo. É importante que tenhamos condições de estancar esse processo”.

APEX-BRASIL. 23/08/2016. BE BRASIL: IMPULSO PARA A PROMOÇÃO DO BRASIL NO EXTERIOR

Com o objetivo de fazer com que o Brasil seja visto como um país atrativo para os negócios, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e o Ministério das Relações Exteriores (MRE) lançaram, nesta segunda-feira (22), na Casa Touring (Casa Brasil), no Rio de Janeiro, a nova estratégia de promoção dos negócios brasileiros no exterior, baseada no conceito “Be Brasil” (Seja Brasil).

O lançamento aproveitou o momento de visibilidade do Brasil com os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Com as ações, o governo brasileiro pretende estreitar o relacionamento comercial com outros países e atrair investimentos estrangeiros diretos para o país. A estratégia foi construída com base em pesquisas sobre a percepção do Brasil no exterior. Serão divulgados, por exemplo, a sustentabilidade e a tecnologia presentes no agronegócio e a criatividade e inovação de setores como moda, audiovisual, design, entre tantos outros.

“Estamos hoje num mundo em que a competição é árdua e não se faz nada com êxito sem uma visão estratégica. Uma das prioridades do Governo Federal é a ênfase na abertura duradoura de novos mercados, na agenda que vai atrair novos investimentos”, disse o ministro das Relações Exteriores, José Serra, durante o evento de abertura.

Para Serra, “a Olimpíada foi um sucesso, porque teve segurança, bom acesso a todos os jogos e rompeu a expectativa negativa que havia, de que haveria problemas. A Olimpíada melhorou a autoestima do povo brasileiro e a nossa imagem no exterior. Isso ajuda os produtos brasileiros”, disse.

O presidente da Apex-Brasil, embaixador Roberto Jaguaribe, também reforçou a importância de aproveitar este momento especial, em que o foco da atenção global está sobre o país, para o lançamento de uma campanha de reposicionamento do Brasil no mercado internacional.

“O Brasil é percebido como um país amigável, mas a imagem dos negócios ainda sofre um pouco. A nova plataforma de promoção é flexível e agregadora. Pode acomodar exportações, investimentos ou muito mais. A Apex-Brasil começa hoje esse movimento que requer esforço conjunto e será sustentado ao longo dos anos por meio de um trabalho consistente de inteligência e prospecção”, afirmou.

O secretário executivo do Programa de Parcerias e Investimentos da Presidência da República, Moreira Franco, também presente à cerimônia, ressaltou que é necessário um esforço para mostrar a capacidade de inovação e realização do brasileiro: “É indispensável que se faça esse trabalho no mundo. É preciso garantir que a produtividade que temos não se perca”.

O ministro José Serra destacou em seu discurso, ainda, que o lançamento da estratégia é o primeiro fruto da integração da Apex-Brasil ao Itamaraty. “Essa integração era indispensável, pois o trabalho de promoção de nossas exportações deve estar em perfeita sintonia com a estratégia mais ampla de nossa política externa e de nossa diplomacia econômica”, afirmou.

Na campanha de comunicação, que será veiculada no país e no exterior, serão apresentados os atributos dos setores, produtos e serviços nacionais com o uso dos conceitos: Be Brasil, Be Sustainable (Seja Brasil, Seja Sustentável), Be Brasil, Be Creative (Seja Brasil, Seja Criativo), Be Brasil, Be Innovative (Seja Brasil, Seja Inovador). A campanha usará,  de forma integrada, ferramentas de relações públicas e assessoria de imprensa, eventos, marketing, mídias sociais e publicidade e se apoiará em depoimentos e histórias reais, de compradores e investidores que estão satisfeitos com seus negócios com o Brasil.

FGV. IBRE. 24/08/2016. Sondagens e Índices de Confiança. Sondagem do Consumidor. Confiança do Consumidor cresce e atinge maior nível desde janeiro de 2015

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas subiu 2,6 pontos entre julho e agosto, ao passar de 76,7 para 79,3 pontos, o maior desde janeiro de 2015 (81,2 pontos). Esta foi a quarta alta consecutiva do índice, a partir do mínimo histórico, de 64,4 pontos, registrado em abril passado.

“Aproximadamente 90% da alta da confiança dos consumidores nos últimos quatro meses anteriores foi determinada pela melhora das expectativas. Em agosto, no entanto, a maior contribuição veio do aumento da satisfação com a situação presente, um sinal favorável, considerando que houve uma melhora na percepção dos consumidores tanto em relação ao mercado de trabalho quanto à situação financeira das famílias. O resultado dá maior consistência à tendência de recuperação do ICC.“, afirma Viviane Seda Bittencourt, Coordenadora da Sondagem do Consumidor.

O grau de satisfação dos consumidores com a situação presente aumentou pelo segundo mês consecutivo. Após atingir o mínimo histórico em junho, o Índice da Situação Atual (ISA) subiu 3,8 pontos, atingindo 69,5 pontos em agosto, o maior desde setembro passado (69,8 pontos). Já as expectativas melhoraram pelo quarto mês consecutivo: o Índice de Expectativas (IE) avançou 1,6 pontos, atingindo 86,9 pontos, o maior desde dezembro de 2014 (87,2 pontos).

As avaliações dos consumidores brasileiros em relação ao presente melhoraram em relação à a situação econômica geral e quanto à situação financeira das famílias. O indicador que mede a satisfação com a situação econômica local foi o quesito que mais influenciou o ICC pelo terceiro mês consecutivo, em agosto, ao subir3,6 pontos atingiu 76,6 pontos, o maior nível desde maio de 2015 (77,6 pontos).
Com relação às expectativas futuras, o indicador que mede o grau de otimismo em relação à Situação Econômica Local Futura aumentou 1,7 ponto ao passar de 109,9 para 111,6 pontos, o maior desde setembro de 2012 (111,9 pontos) após cinco meses de consecutivos em alta.

Houve aumento da confiança em todas as quatro classes de renda pesquisadas. A melhora mais expressiva ocorreu entre os consumidores com renda familiar entre R$ 2.100,01 e R$ 4.800,00, em que o ICC aumentou 5,2 pontos em agosto e 14,3 pontos no acumulado do trimestre. Para os consumidores de menor poder aquisitivo (renda familiar inferior a R$ 2.100), a confiança aumentou 3,0 pontos em agosto e acumulou 50% menos do que a faixa citada anteriormente, 7,1 pontos no acumulado do trimestre.

A edição de agosto de 2016 coletou informações de 2047 domicílios entre os dias 1 e 20 de agosto.

DOCUMENTO: http://portalibre.fgv.br/main.jsp?lumPageId=402880972283E1AA0122841CE9191DD3&contentId=8A7C82C5557F25F20156BC02618735E6

FGV. IBRE. 24/08/2016. Índices Gerais de Preços. IPC-S Capitais. Cinco das sete capitais pesquisadas registraram queda na inflação pelo IPC-S

O IPC-S de 22 de agosto de 2016 registrou variação de 0,39%, 0,09 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa divulgada na última apuração. Cinco das sete capitais pesquisadas registraram decréscimo em suas taxas de variação.

A tabela a seguir, apresenta as variações percentuais dos municípios das sete capitais componentes do índice, nesta e na apuração anterior.
Capturar22ago

DOCUMENTO: http://portalibre.fgv.br/main.jsp?lumPageId=402880972283E1AA0122841CE9191DD3&contentId=8A7C82C5557F25F20156BC157FC70BCD

IBGE. 24/08/2016. Em agosto, IPCA-15 fica em 0,45%

PERÍODO
TAXA
Agosto
0,45%
Julho
0,54%
Agosto 2015
0,43%
Acumulado no ano
5,66%
Acumulado em 12 meses
8,95%
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) variou 0,45% em agosto. Com este resultado, o acumulado no ano está em 5,66%, bem abaixo dos 7,36% registrados em igual período do ano anterior. Já o acumulado dos últimos 12 meses ficou em 8,95%, próximo dos 8,93% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em agosto de 2015 a taxa havia sido 0,43%.
Os preços dos alimentos tiveram alta de 0,78% e mostraram desaceleração quando comparados a julho (1,45%). Os maiores resultados do grupo foram registrados nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte (1,31%), Rio de Janeiro (1,15%) e Fortaleza (1,10%), enquanto o mais baixo ficou com a região metropolitana de Recife (0,32%). O feijão-carioca, tipo mais consumido no País, que havia pressionado o resultado do mês anterior com o forte aumento (58,06%), desacelerou de forma acentuada, passando para 4,74%, embora os preços tenham continuado a subir. Alguns produtos chegaram a ficar bem mais baratos de julho para agosto, a exemplo da cebola (-22,81%), da batata-inglesa
(-18,00%) e das hortaliças (-9,01%). Mesmo assim, Alimentação e Bebidas exerceu impacto de 0,20 p.p. sobre o IPCA-15 do mês, sendo responsável por uma parcela de 44% do índice. Na tabela a seguir, os resultados dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados:

Grupo
Variação (%)
Impacto (p.p.)
Julho
Agosto
Julho
Agosto
Índice Geral
0,54
0,45
0,54
0,45
Alimentação e Bebidas
1,45
0,78
0,37
0,20
Habitação
0,04
-0,02
0,01
0,00
Artigos de Residência
0,27
0,34
0,01
0,01
Vestuário
-0,08
-0,13
0,00
-0,01
Transportes
0,17
0,10
0,03
0,02
Saúde e Cuidados Pessoais
0,56
0,87
0,06
0,10
Despesas Pessoais
0,52
0,85
0,06
0,09
Educação
0,10
0,90
0,00
0,04
Comunicação
0,00
0,01
0,00
0,00
Além dos alimentos (0,78%), outros três grupos de produtos e serviços apresentaram desaceleração na taxa de crescimento em relação ao mês de julho: Vestuário (-0,13%), Habitação (-0,02%) e Transportes (0,10%).
No grupo Habitação (-0,02%), o destaque ficou com o item energia elétrica (-1,87%), devido às quedas registradas nas seguintes regiões metropolitanas: Curitiba (-4,76%), cuja redução de 13,83% nas tarifas passou a vigorar em 24 de junho; São Paulo (-3,94%), onde a redução nas tarifas foi de 7,30% a partir de 04 de julho, em uma das concessionárias; e Porto Alegre (-0,34%), com redução de 7,50% em vigor desde 19 de junho, também em uma das concessionárias. Além disso, houve redução nas alíquotas do PIS/COFINS em seis das 11 regiões pesquisadas. Já em Belém a alta de 1,12% reflete o reajuste de 7,50% em vigor a partir do dia 7 de agosto.
Nos demais grupos pesquisados, destaca-se a alta de 0,90% em Educação, a maior de grupo, que reflete o resultado apurado na coleta de agosto, a fim de captar a realidade do segundo semestre do ano letivo. Os cursos regulares tiveram variação de 0,97%, enquanto os cursos diversos (informática, idioma, etc.) subiram 1,13%.
Quanto aos índices regionais, o maior foi registrado na região metropolitana do Rio de Janeiro (0,88%), pressionado pela alta de 69,97% nas diárias dos hotéis, aliado à alta de 1,15 % dos alimentos, que ficou bem acima da média nacional (0,78%). O menor índice foi o de Curitiba, com 0,01%, sob influência da queda de 4,76% no item energia elétrica, que refletiu a redução de 13,83% nas tarifas em vigor a partir de 24 de junho.

Região
Peso Regional (%)
Variação Mensal (%)
Variação Acumulada (%)
Julho
Agosto
Ano
12 meses
Rio de Janeiro
12,46
0,46
0,88
5,89
9,49
Salvador
7,35
0,50
0,75
6,54
9,34
Belo Horizonte
11,23
0,59
0,60
6,15
8,67
Fortaleza
3,49
0,64
0,52
6,94
10,94
Goiânia
4,44
0,91
0,47
5,08
9,26
Porto Alegre
8,40
0,20
0,45
6,09
8,99
Belém
4,65
0,69
0,39
6,19
10,04
São Paulo
31,68
0,60
0,34
5,52
8,83
Brasília
3,46
0,60
0,34
3,71
8,05
Recife
5,05
0,58
0,15
5,69
8,51
Curitiba
7,79
0,38
0,01
4,19
7,61
Brasil
100,00
0,54
0,45
5,66
8,95
Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 14 de julho a 12 de agosto (referência) e comparados com aqueles vigentes de 15 de junho a 13 de julho (base). O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.

DOCUMENTO: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=3238

ECONOMÁTICA. PORTAL G1. 24/08/2016. Dívida de curto prazo de empresas atinge maior patamar desde 2010. Em junho, valor somou R$ 255 bilhões ou de 20,8% do total das dívidas. Economatica avaliou endividamento de 213 empresas de capital aberto.
Do G1, em São Paulo

Com a queda do dólar, a dívida total das empresas brasileiras de capital aberto recuou nos últimos dois trimestres. Por outro lado, a dívida de curto prazo aumentou e atingiu o maior patamar desde dezembro de 2010, segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica.
saiba mais
Com recuo do dólar, dívida das empresas com ações na bolsa diminui
Em junho, a dívida total bruta de 213 empresas com ações na bolsa somou R$ 1,22 trilhão contra R$ 255 bilhões de dívida de curto prazo – com vencimento nos próximos 12 meses. Em dezembro de 2010, a dívida de curto prazo era de R$ 107 bilhões ante uma dívida total de R$ 556 bilhões.
Já relação entre a dívida de curto prazo e a dívida total atingiu 20,8%, o maior percentual desde dezembro de 2011, quando a fatia chegou a 20,5%.
Em junho do ano passado, a dívida de curto prazo estava em junho R$ 217 bilhões, ou o equivalente a 17,9% da dívida total de R$ 1,21 trilhão.
Segundo a Economatica, as empresas com maior estoque de dívida de curto prazo em junho eram: Oi (R$ 46,6 bilhões), Petrobras (R$ 36,5 bilhões), JBS (R$ 18,4 bilhões), Vale (R$ 10,12 bilhões) e Pão de Açúcar (R$ 6,1 bilhões).

Empresas com maior estoque de dívida de curto prazo em junho de 2016 (Foto: Divulgação)Empresas com maior estoque de dívida de curto prazo em junho de 2016 (Foto: Divulgação)

ANP. REUTERS. 24/08/2016. Vendas de diesel no Brasil em julho caem 5%, diz ANP

RIO DE JANEIRO (Reuters) - As vendas de óleo diesel no Brasil caíram 5 por cento em julho ante o mesmo mês de 2015, para 29,5 milhões de barris, segundo dados publicados nesta quarta-feira pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Já as vendas de gasolina, no mesmo período, subiram 0,6 por cento, para 21,6 milhões de barris.

(Por Marta Nogueira)

BACEN. 23/08/2016. Setor Externo em Julho de 2016

I - Balanço de pagamentos

Em junho, as transações correntes apresentaram deficit de US$4,1 bilhões, acumulando, nos últimos doze meses, deficit de US$27,9 bilhões, equivalente a 1,57% do PIB. Na conta financeira, as captações líquidas superaram as concessões líquidas em US$3,6 bilhões, destacando-se os ingressos líquidos de US$3,4 bilhões em passivos de investimentos em carteira.

A conta de serviços registrou despesas líquidas de US$2,3 bilhões no mês, redução de 30,4% comparativamente ao resultado de julho de 2015, em decorrência de recuos nas receitas e nas despesas brutas de 4,2% e 18,0%, respectivamente. As despesas líquidas com serviços de transportes e de aluguel de equipamentos reduziram, na ordem, 46,2% e 13,8%, em relação ao ocorrido em mesmo mês do ano anterior. A conta de viagens internacionais registrou despesas líquidas de US$895 milhões, recuo de 25,9%, na mesma base de comparação, resultado de relativa estabilidade nas receitas referentes a turistas estrangeiros no Brasil, e recuo de 18,8% nas despesas de turistas brasileiros no exterior.

As despesas líquidas de renda primária somaram US$6,3 bilhões em julho de 2016, aumento de 20,3% na comparação com o mesmo período do ano anterior. As despesas líquidas de lucros e dividendos atingiram US$1,6 bilhão, decorrente de retração de 24,0% nas receitas e expansão de 75,1% nas despesas. As despesas líquidas de juros somaram US$4,7 bilhões, comparativamente a US$4,6 bilhões ocorridos em mês correspondente do ano anterior. As saídas líquidas de renda de investimento direto totalizaram US$1,9 bilhão, ante saídas líquidas de US$671 milhões observadas em mês equivalente do ano anterior. As despesas líquidas de renda de investimentos em carteira totalizaram US$4,2 bilhões, compostas por despesas líquidas de lucros e dividendos, US$223 milhões, de juros de títulos negociados no mercado externo, US$1,1 bilhão, e de juros de títulos negociados no mercado doméstico, US$2,8 bilhões. A despesa líquida de renda de outros investimentos atingiu US$474 milhões, aumento de 10,2% em comparação ao mesmo mês do ano anterior, enquanto a receita de juros gerada pela carteira de reservas internacionais cresceu 21,3%, em igual período comparativo.

A conta de renda secundária registrou ingressos líquidos de US$226 milhões em julho de 2016. As receitas líquidas de transferências pessoais alcançaram US$83 milhões no mês, 27,4% inferiores ao observado em período correspondente do ano anterior.

INVESTIMENTOS

Os investimentos diretos no exterior expandiram US$178 milhões no mês, concentrados em participação no capital e incluído o reinvestimento de lucros, ante aplicações líquidas no exterior de US$1,5 bilhão ocorridas no mesmo mês do ano anterior.

Os investimentos diretos no país somaram ingressos líquidos de US$78 milhões, resultado de saídas líquidas de US$2,0 bilhões em participação no capital, incluídos os ingressos líquidos de US$758 milhões decorrentes de lucros reinvestidos, e créditos recebidos do exterior de US$2,1 bilhões em operações intercompanhia. Em doze meses, os ingressos líquidos dos investimentos diretos no país totalizaram US$72,0 bilhões, equivalentes a 4,06% do PIB.

Os investimentos em carteira passivos registraram ingressos líquidos de US$3,4 bilhões em julho, compostos por receitas líquidas em ações, US$2,3 bilhões, em fundos de investimentos, US$611 milhões, e em títulos de renda fixa negociados no mercado externo, US$756 milhões, incluída a emissão do Global 47, realizada pela República, no valor de US$1,5 bilhão. As saídas líquidas em títulos de renda fixa negociados no mercado doméstico totalizaram US$328 milhões.

Os outros investimentos ativos cresceram US$3,9 bilhões, compreendendo redução de US$9,0 bilhões em depósitos de bancos brasileiros mantidos no exterior, concessão de US$4,1 bilhões em créditos comerciais e adiantamentos, e ampliação de US$1,0 bilhão em depósitos de propriedade de empresas não financeiras.

Os outros investimentos passivos apresentaram ingressos líquidos de US$1,6 bilhão. Os créditos comerciais e adiantamentos cresceram US$2,8 bilhões, fundamentalmente em operações de curto prazo. As amortizações líquidas de empréstimos de longo e de curto prazo atingiram, respectivamente, US$1,0 bilhão e US$31 milhões, no mês.

II - Reservas internacionais

Em julho, o estoque de reservas internacionais no conceito liquidez totalizou US$377,5 bilhões, aumento de US$809 milhões em relação ao mês anterior. O estoque de linhas com recompra atingiu US$8,2 bilhões, diminuição de US$4,4 bilhões em relação à posição de junho de 2016. A receita de remuneração das reservas somou US$257 milhões. O estoque de reservas recuou US$119 milhões em função das variações de preços dos ativos que compõem a carteira, e aumentou US$487 milhões por variações de paridade. No conceito caixa, o estoque de reservas atingiu US$369,3 bilhões em junho, aumento de US$5,2 bilhões em relação ao mês anterior.

III - Dívida externa

A posição da dívida externa bruta estimada para julho de 2016 totalizou US$338,1 bilhões, aumento de US$3,4 bilhões em relação ao montante apurado em março de 2016. A dívida externa estimada de longo prazo atingiu US$274,1 bilhões, aumento de US$815 milhões, enquanto o endividamento de curto prazo somou US$64 bilhões, incremento de US$2,6 bilhões, no mesmo período.

Dentre os determinantes da variação da dívida externa de longo prazo no período, destacam-se as amortizações de empréstimos e de títulos de dívida do setor financeiro, US$3,6 bilhões; o aumento de preço dos títulos da República, US$2,9 bilhões, e variações por paridade, que aumentaram o estoque em US$885 milhões. A elevação do estoque de dívida externa de curto prazo no período é explicada, principalmente, pelas amortizações de empréstimos pelo setor financeiro de US$2,5 bilhões.

DOCUMENTO: http://www.bcb.gov.br/htms/notecon1-p.asp

DÓLAR/ANÁLISE

BACEN. PORTAL G1. 24/08/2016. Dólar opera instável, à espera de discurso do Fed. Na terça, a moeda norte-americana subiu 1%, vendida a R$ 3,2335. No mês e no ano, o dólar tem queda de 0,29% e 18%, respectivamente.
Do G1, em São Paulo

O dólar opera instável nesta quarta-feira (24), após o Congresso aprovar nesta madrugada o texto-base do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017, mas com investidores ainda adotando cautela antes do discurso da chefe do Federal Reserve (Fed), Janet Yellen, na sexta-feira.
Às 13h09, a moeda norte-americana caía 0,08%, a R$ 3,2309 na venda. Veja a cotação do dólar hoje.
Acompanhe a cotação ao longo do dia:

  • Às 9h09, alta de 0,12%, a R$ 3,2375
  • Às 10h19, alta de 0,26%, a R$ 3,2419
  • Às 10h49, alta de 0,1%, a R$ 3,2369
  • Às 11h40, queda de 0,09%, a R$ 3,2305

O mercado acompanha a participação do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em audiência pública na comissão especial que avalia a proposta de emenda constitucional que institui um teto para os gastos públicos pelos próximos 20 anos. O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, também participa da audiência.
O Banco Central anunciou mais um leilão de swap cambial reverso, equivalente a compra futura de dólares, com oferta de até 10 mil contratos.
De olho em juros nos EUA
"O evento mais importante da semana é o discurso de Yellen na sexta-feira. Se não tivermos muitas surpresas até lá, o mercado vai evitar grandes movimentos", disse à Reuters o operador da corretora Correparti Ricardo Gomes da Silva.
Yellen falará na conferência anual de bancos centrais em Jackson Hole, nos EUA, e investidores buscarão pistas sobre a possibilidade de os juros norte-americanos subirem neste ano, após declarações recentes de autoridades do banco central fortalecerem as apostas nesse sentido.
Dúvidas sobre ajuste fiscal
No Brasil, o cenário fiscal também era motivo de cautela, destaca a Reuters. O governo do presidente em exercício Michel Temer vem enfrentando dificuldades para angariar apoio legislativo a medidas de ajuste fiscal, em especial o projeto que limita o crescimento das despesas federais.
"O governo sofre para aprovar matérias consideradas pouco polêmicas na Câmara e Senado. Essa sinalização é péssima para quem tem grandes desafios pela frente", escreveram analistas da corretora Lerosa Investimentos em relatório.
A maioria dos investidores ainda aposta, porém, que o governo enrijecerá sua postura após a confirmação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, cujo julgamento no Senado começará na quinta-feira.
Último fechamento
O dólar fechou em alta nesta terça-feira (23), após dados mais fortes que o esperado sobre a economia dos Estados Unidos alimentarem expectativas de alta de juros neste ano e depois do cancelamento de audiência pública com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, no Senado. Operadores seguem ainda à espera do início do julgamento do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.
A moeda norte-americana subiu 1%, vendida a R$ 3,2335. No mês e no ano, o dólar acumula queda de 0,29% e 18,1%, respectivamente.

BACEN. PORTAL UOL. 24/08/2016. Dólar opera quase estável, perto de R$ 3,23; Bolsa passa a subir

O dólar comercial operava praticamente estável e a Bovespa passava a subir nesta quarta-feira (24). Por volta das 13h10, a moeda norte-americana tinha leve queda de 0,08%, a R$ 3,231 na venda, e o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 0,22%, a 58.146,11 pontos. Na madrugada desta quarta-feira, o Congresso Nacional aprovou o texto-base do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017. O Banco Central voltou a atuar no mercado de câmbio nesta sessão. No exterior, investidores adotavam cautela antes do discurso de Janet Yellen, presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) na sexta-feira. (Com Reuters)

BACEN. REUTERS. 24/08/2016. Dólar recua ante real, à espera de Yellen e de olho em fiscal no Brasil
Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar tinha leve queda frente ao real nesta quarta-feira, com investidores ainda preferindo a cautela antes do discurso na sexta-feira da chair do Federal Reserve, Janet Yellen, e diante de preocupações com a capacidade do governo brasileiro de avançar com o ajuste fiscal no Congresso Nacional.

Às 11:44, o dólar recuava 0,12 por cento, a 3,2295 reais na venda, após subir 1 por cento na sessão anterior. O dólar futuro rondava a estabilidade nesta manhã.

"O evento mais importante da semana é o discurso de Yellen na sexta-feira. Se não tivermos muitas surpresas até lá, o mercado vai evitar grandes movimentos", disse o operador da corretora Correparti Ricardo Gomes da Silva.

Yellen falará na conferência anual de bancos centrais em Jackson Hole, nos EUA, e investidores buscarão em suas palavras novas pistas sobre a possibilidade de os juros norte-americanos subirem neste ano, após declarações recentes de autoridades do banco central fortalecerem as apostas nesse sentido.

No Brasil, o cenário fiscal também era motivo de cautela. O governo do presidente interino Michel Temer vem enfrentando dificuldades para angariar apoio legislativo a medidas de austeridade fiscal, em especial o projeto que limita o crescimento das despesas federais.

"O governo sofre para aprovar matérias consideradas pouco polêmicas na Câmara e Senado. Essa sinalização é péssima para quem tem grandes desafios pela frente", escreveram analistas da corretora Lerosa Investimentos em relatório.

A maioria dos investidores ainda aposta, porém, que o governo enrijecerá sua postura após a confirmação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, cujo julgamento no Senado começará na quinta-feira.

Outro fator que vem suscitando dúvidas no mercado é a postura do Banco Central no mercado de câmbio. Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total de até 10 mil swaps reversos, que equivalem a compra futura de dólares, atendo-se ao script dos últimos dias.

(Por Bruno Federowski)

________________

LGCJ.: