Translate

29 de março de 2017

US ECONOMICS

BEA. 03/29/2017. U.S. International Investment Position, 4th quarter and year 2016 

The U.S. net international investment position decreased to -$8,109.7 billion (preliminary) at the end of the fourth quarter of 2016 from -$7,807.3 billion (revised) at the end of the third quarter, according to statistics released today by the Bureau of Economic Analysis (BEA). The $302.3 billion decrease reflected a $954.8 billion decrease in U.S. assets and a $652.5 billion decrease in U.S. liabilities.



The net investment position decreased 3.9 percent in the fourth quarter, compared with an increase of 2.7 percent in the third quarter and an average quarterly decrease of 6.0 percent from the first quarter of 2011 through the second quarter of 2016.

U.S. assets decreased $954.8 billion to $23,916.7 billion at the end of the fourth quarter.

  • Financial derivatives decreased $566.1 billion to $2,209.0 billion, reflecting a decrease in single-currency interest rate contracts that was partly offset by an increase in foreign exchange contracts.
  • Assets excluding financial derivatives decreased $388.7 billion to $21,707.7 billion, mostly reflecting decreases in portfolio investment and other investment. The $388.7 billion decrease resulted from other changes in position of -$285.6 billion and financial transactions of -$103.1 billion (table A). Other changes in position reflected decreases from exchange-rate changes, as depreciation of major foreign currencies against the U.S. dollar lowered the value of assets in dollar terms. These decreases were partly offset by price increases on equity assets of portfolio and direct investments.




U.S. liabilities decreased $652.5 billion to $32,026.3 billion at the end of the fourth quarter.

  • Financial derivatives decreased $572.2 billion to $2,147.7 billion, reflecting a decrease in single-currency interest rate contracts that was partly offset by an increase in foreign exchange contracts.
  • Liabilities excluding financial derivatives decreased $80.3 billion to $29,878.6 billion, reflecting decreases in portfolio investment and other investment that were partly offset by an increase in direct investment. The $80.3 billion decrease was driven by other changes in position of -$89.9 billion that reflected decreases from exchange-rate changes, as depreciation of major foreign currencies lowered the value of foreign-currency-denominated liabilities in dollar terms.


Table A. Quarterly Change in the U.S. Net International Investment PositionBillions of dollars, not seasonally adjusted
Position, 2016:IIIChange in position in 2016:IVPosition, 2016:IV
TotalAttributable to:
Financial transactionsOther changes in position 1
U.S. net international investment position-7,807.3-302.3-113.1-189.2-8,109.7
Net international investment position excluding financial derivatives-7,862.5-308.4-112.7-195.7-8,171.0
Financial derivatives other than reserves, net55.26.1-0.46.661.3
U.S. assets24,871.4-954.8(2)(2)23,916.7
Assets excluding financial derivatives22,096.4-388.7-103.1-285.621,707.7
Financial derivatives other than reserves, gross positive fair value2,775.1-566.1(2)(2)2,209.0
U.S. liabilities32,678.8-652.5(2)(2)32,026.3
Liabilities excluding financial derivatives29,958.9-80.39.6-89.929,878.6
Financial derivatives other than reserves, gross negative fair value2,719.9-572.2(2)(2)2,147.7
1. Disaggregation of other changes in position into price changes, exchange-rate changes, and other changes in volume and valuation is only presented for annual statistics released in June each year. 

2. Financial transactions and other changes in financial derivatives positions are available only on a net basis; they are not separately available for gross positive fair values and gross negative fair values of financial derivatives.
Updates to Statistics
The statistics for the third quarter of 2016 have been updated to incorporate new and revised source data (table B).
Table B. Updates to Third Quarter 2016 International Investment Position AggregatesBillions of dollars, not seasonally adjusted
 Preliminary estimateRevised estimate
U.S. net international investment position−7,781.1−7,807.3
  U.S. assets24,861.224,871.4
    Direct investment at market value7,349.37,364.8
    Portfolio investment10,137.110,137.1
    Financial derivatives other than reserves2,775.12,775.1
    Other investment4,142.64,137.4
    Reserve assets457.1457.1
  U.S. liabilities32,642.332,678.8
    Direct investment at market value7,193.67,246.5
    Portfolio investment17,514.017,498.1
    Financial derivatives other than reserves2,719.92,719.9
    Other investment5,214.95,214.3
Year 2016

The U.S. net international investment position decreased to -$8,109.7 billion (preliminary) at the end of 2016 from -$7,280.6 billion at the end of 2015. The $829.0 billion decrease reflected a $575.9 billion increase in U.S. assets and a $1,404.9 billion increase in U.S. liabilities.

U.S. assets increased $575.9 billion to $23,916.7 billion at the end of 2016.

  • Assets excluding financial derivatives increased $762.3 billion to $21,707.7 billion, mostly reflecting increases in direct investment and portfolio investment. The $762.3 billion increase resulted from other changes in position of $431.3 billion and financial transactions of $331.0 billion (table C). Other changes in position reflected price increases on equity assets that were partly offset by decreases from exchange-rate changes. Financial transactions were driven by net U.S. acquisition of direct investment assets.
  • Financial derivatives decreased $186.4 billion to $2,209.0 billion, mostly reflecting a decrease in single-currency interest rate contracts.

U.S. liabilities increased $1,404.9 billion to $32,026.3 billion at the end of 2016.

  • Liabilities excluding financial derivatives increased $1,595.3 billion to $29,878.6 billion, mostly reflecting increases in direct investment and portfolio investment. The $1,595.3 billion increase resulted from other changes in position of $836.0 billion and financial transactions of $759.4 billion. Other changes in position were driven by price increases on equity liabilities. Financial transactions reflected net U.S. incurrence of direct investment liabilities and net foreign purchases of U.S. debt securities that exceeded net foreign sales of U.S. equity and investment fund shares.
  • Financial derivatives decreased $190.4 billion to $2,147.7 billion, mostly reflecting a decrease in single-currency interest rate contracts.

Definitions

  • The International Investment Position (IIP) is a statistical balance sheet that presents the dollar value of U.S. financial assets and liabilities with respect to foreign residents at a specific point in time. BEA presents IIP statistics at the end of a quarter or year (March, June, September, and December). For the June release, BEA also presents statistics on changes in the yearend position that are disaggregated into financial transactions, price changes, exchange-rate changes, and other changes in volume and valuation not included elsewhere (n.i.e.).
  • The U.S. net international investment position is defined as the value of U.S. assets less the value of U.S. liabilities.
  • Financial transactions are transactions between U.S. residents and nonresidents in financial assets and liabilities. They are also recorded in the financial account of the International Transactions Accounts (ITAs). See Related Statistics below.
  • Other changes in position are changes in the value of U.S. assets or liabilities arising from any source besides a financial transaction. Other changes in position include price changes, exchange-rate changes, and changes in volume and valuation not included elsewhere (n.i.e.).
  • Price changes (only presented for annual statistics in the June news release) are changes in the value of an asset or liability due to changes in the market price of a financial instrument.
  • Exchange-rate changes (only presented for annual statistics in the June news release) are changes in the value of foreign-currency denominated assets and liabilities due to changes in the values of foreign currencies relative to the value of the U.S. dollar.
  • Changes in volume and valuation n.i.e. (only presented for annual statistics in the June news release) reflect changes in position due to year-to-year shifts in the composition of reporting panels, the incorporation of more comprehensive annual and benchmark survey results, and revaluations (holding gains and losses) on assets and liabilities that are not explained by price changes or exchange-rate changes.
  • Functional categories are the primary classification system used in the IIP accounts and in the financial account of the International Transactions Accounts. The five functional categories are direct investment, portfolio investment, financial derivatives other than reserves, other investment, and reserve assets. While the functional categories are based on features that are relevant for understanding cross-border financial transactions and positions, they also take into account some aspects of the relationship between transactors and the economic motivation for the investment. Within the functional categories, the IIP accounts are classified by type of financial instrument.
  • Direct investment is a category of cross-border investment associated with a resident in one economy having control or a significant degree of influence on the management of an enterprise resident in another economy. Ownership or control of 10 percent or more of the voting securities of an entity in another economy is the threshold for separating direct investment from other types of investment. Direct investment positions include positions in equity and debt instruments. BEA's IIP statistics feature the market value measure of direct investment positions, a measure that values owner's equity at current-period prices using indexes of stock market prices.
  • Portfolio investment consists of cross-border positions involving equity and investment fund shares and debt securities, excluding those included in direct investment or reserve assets. Debt securities are classified by original maturity (short term vs. long term at the time of issue).
  • Financial derivatives other than reserves consist of cross-border positions arising from financial contracts that are linked to underlying financial instruments, commodities, or indicators. Positions in financial derivatives consist of contracts with positive and negative fair values. A contract with a positive fair value is a U.S. asset and represents the amount that a foreign resident would have to pay to a U.S. counterparty if the contract were terminated or settled. A contract with a negative fair value is a U.S. liability and represents the amount that a U.S. resident would have to pay to a foreign counterparty if the contract were terminated or settled. The gross positive (negative) fair value is the sum across all contracts with positive (negative) fair values. Fair values differ from notional values, which are the underlying amounts used to calculate payments on contracts. Gross positive and gross negative fair values for financial derivatives positions are available separately in table 1. However, transactions and other changes in financial derivatives positions are only available for the net position in financial derivatives. For other changes in position for financial derivatives presented in the June news release, statistics are not separately available for price changes, exchange-rate changes, and changes in volume and valuation n.i.e.
  • Other investment includes cross-border positions other than those included in direct investment, portfolio investment, financial derivatives, and reserve assets. Other investment positions consist of positions in currency and deposits, loans, insurance technical reserves, trade credit and advances, and, for liabilities, special drawing rights allocations.
  • Reserve assets are those external assets that are readily available to and controlled by U.S. monetary authorities for meeting balance of payments financing needs, for intervention in exchange markets to affect the currency exchange rate, and for other related purposes such as maintaining confidence in the currency and the economy and serving as a basis for foreign borrowing. The major published components are monetary gold, International Monetary Fund (IMF) special drawing rights (SDRs), reserve position in the IMF, and other reserve assets.

FULL DOCUMENT: https://www.bea.gov/newsreleases/international/intinv/2017/pdf/intinv416.pdf


________________


IBGE. 29/03/2017. Em janeiro, setor de serviços cai 2,2% frente a dezembro de 2016

PeríodoVolumeReceita Nominal
Janeiro 2017 / Dezembro 2016
-2,2%
-1,0%
Janeiro 2017 / Janeiro 2016
-7,3%
-2,0%
Acumulado em 2017
-7,3%
-2,0%
Acumulado em 12 meses
-5,2%
-0,2%
No mês de janeiro de 2017, o setor de serviços apresentou recuo de 2,2% no volume de serviços prestados, frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, após ter registrado crescimento de 0,7% em dezembro e de 0,0% em novembro. Na série sem ajuste sazonal, no confronto com igual mês do ano anterior, o setor apontou queda de 7,3%. Com esses resultados, a taxa acumulada no ano ficou em -7,3% e em 12 meses, -5,2%. 

Tabela 1
Indicadores de Serviços com Ajuste Sazonal, Segundo Grupos de Atividades
Brasil - Janeiro 2017

AtividadesTaxa de Variação Mês/Mês Anterior (%)
Variação de VolumeVariação de Receita
Nominal
Nov
Dez
Jan
Nov
Dez
Jan
Brasil
0,0
0,7
-2,2
0,2
0,5
-1,0
1 - Serviços prestados às famílias
0,1
3,3
-3,6
-0,5
2,4
-4,3
   1.1 - Serviços de alojamento e alimentação
0,0
3,3
-5,6
-0,7
1,5
-3,1
   1.2 - Outros serviços prestados às famílias
-0,6
1,7
0,7
-0,3
3,0
-0,6
2 - Serviços de informação e comunicação
0,0
-3,1
5,5
0,3
-2,9
4,7
   2.1 - Serviços TIC
-0,5
-3,8
7,0
-1,5
-4,0
7,3
      2.11 - Telecomunicações
-0,8
-0,7
6,1
-0,8
-1,0
6,4
      2.12 - Serviços de tecnologia da informação
-2,3
-5,5
4,2
0,8
-6,8
6,9
   2.2- Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias
5,0
0,3
0,3
5,8
1,6
1,3
3 - Serviços profissionais, administrativos e complementares
0,6
-1,3
-14,5
1,2
-1,3
-12,8
   3.1 - Serviços técnico-profissionais
2,5
2,7
-17,2
3,0
0,6
-9,8
   3.2 - Serviços administrativos e complementares
0,7
-2,8
-8,4
-0,2
-1,7
-6,9
4 - Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio
3,7
1,2
-0,7
2,3
1,8
0,9
   4.1 - Transporte terrestre
1,6
3,3
-4,7
3,6
3,7
-3,8
   4.2 - Transporte aquaviário
2,0
-1,4
12,5
1,5
0,0
11,3
   4.3 - Transporte aéreo
3,3
4,4
-18,9
2,7
-0,3
0,2
   4.4 - Armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio
1,1
0,2
16,7
1,3
0,5
16,6
5 - Outros serviços
3,0
-1,6
-3,0
2,8
0,7
-4,2
Atividades turísticas
0,5
3,1
-11,0
0,4
2,1
-5,2
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.

Tabela 2
Indicadores de Volume dos Serviços sem Ajuste Sazonal, Segundo Grupos de Atividades
Brasil - Janeiro 2017


AtividadesTaxa de Variação (%)
Mês/Igual Mês do Ano Anterior Acumulado
Nov
Dez
Jan
No Ano
12 Meses
Brasil
-4,6
-5,7
-7,3
-7,3
-5,2
1 - Serviços prestados às famílias
-5,6
-1,5
-11,4
-11,4
-5,0
   1.1 - Serviços de alojamento e alimentação
-4,9
-2,0
-12,9
-12,9
-5,5
   1.2 - Outros serviços prestados às famílias
-9,9
1,3
-0,7
-0,7
-1,9
2 - Serviços de informação e comunicação
-3,0
-6,5
-1,1
-1,1
-3,1
   2.1 - Serviços TIC
-2,2
-6,1
0,9
0,9
-2,3
      2.11 - Telecomunicações
-4,0
-5,6
0,6
0,6
-3,1
      2.12 - Serviços de tecnologia da informação
4,2
-7,6
1,3
1,3
0,3
   2.2- Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias
-8,3
-9,2
-11,3
-11,3
-8,0
3 - Serviços profissionais, administrativos e complementares
-3,6
-4,9
-15,2
-15,2
-5,9
   3.1 - Serviços técnico-profissionais
-14,3
-9,2
-23,9
-23,9
-12,0
   3.2 - Serviços administrativos e complementares
0,2
-3,3
-10,1
-10,1
-3,7
4 - Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio
-7,9
-7,2
-5,3
-5,3
-7,6
   4.1 - Transporte terrestre
-10,4
-8,9
-11,5
-11,5
-10,4
   4.2 - Transporte aquaviário
-21,3
-21,5
-7,1
-7,1
-10,4
   4.3 - Transporte aéreo
0,4
7,0
-19,8
-19,8
-1,9
   4.4 - Armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio
-3,7
-5,4
10,4
10,4
-3,9
5 - Outros serviços
-0,3
0,6
-4,8
-4,8
-2,5
Atividades turísticas
-2,6
0,7
-12,5
-12,5
-3,7
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.
Na série livre de influências sazonais, o segmento de Serviços de informação e comunicação apresentou crescimento de 5,5%, enquanto que os demais segmentos registraram recuos, na seguinte ordem: Serviços profissionais, administrativos e complementares (-14,5%), Serviços prestados às famílias (-3,6%), Outros Serviços (-3,0%) e Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (-0,7%). O agregado especial das Atividades turísticas apresentou recuo de 11,0%, na comparação com o mês imediatamente anterior.
Em termos de composição da taxa global de volume, sem ajuste sazonal, as contribuições dos segmentos foram as seguintes: Serviços profissionais, administrativos e complementares, com -3,2 pp; Serviços prestados às famílias, com -1,9 pp; Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com -1,1 pp; Outros serviços, com -0,9 pp e Serviços de informação e comunicação, com -0,2 pp.
A receita nominal em janeiro registrou variação de -1,0% em relação a dezembro, na série livre de influências sazonais, e a variação sem ajuste sazonal ficou em -2,0%, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. A taxa acumulada no ano, sem ajuste sazonal, ficou em -2,0% e, em 12 meses, -0,2%.
Mato Grosso (31,1%), Alagoas (13,8%) e Piauí (12,6%) registraram crescimentos nos serviços em janeiro frente a dezembro
Os resultados regionais do setor de serviços, em janeiro, mostraram as maiores variações positivas de volume, em relação à dezembro, no Mato Grosso (31,1%), Alagoas (13,8%) e Piauí (12,6%). As maiores variações negativas foram observadas em Roraima e Amapá (ambas com -13,1%), Sergipe (-12,8%) e Maranhão (-8,1%).
Na comparação com janeiro de 2016, as maiores variações positivas foram registradas em Alagoas (14,7%), Piauí (8,1%) e Ceará (2,6%). As maiores variações negativas foram registradas em Rondônia (-25,6%), Tocantins (-24,5%) e Amapá (-24,4%).
Pernambuco (16,1%) e Minas Gerais (12,1%) apresentaram maiores altas nas atividades turísticas
Os resultados de volume de serviços, na comparação janeiro 2017/dezembro 2016, segundo as Unidades da Federação selecionadas, por ordem de variação, foram: Pernambuco (16,1%), Minas Gerais (12,1%), Santa Catarina (5,5%), Bahia (4,7%), Goiás (4,3%), Espírito Santo (3,7%) e Ceará (2,5%). As variações negativas foram registradas em São Paulo (-28,6%), Distrito Federal (-21,4%), Rio Grande do Sul (-8,9%), Rio de Janeiro (-4,0%) e Paraná (-1,5%).
Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, as variações positivas foram as seguintes: Pernambuco (19,8,%), Goiás (11,9%), Minas Gerais (5,7%) e Bahia (4,1%). As variações negativas foram as seguintes: Distrito Federal (-34,9%), São Paulo (-23,2%), Rio de Janeiro (-13,6%), Espírito Santo (-9,4%), Rio Grande do Sul (-7,6%), Ceará (-6,4%) e Paraná (-5,1%).

DOCUMENTO: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=3398

BACEN. 29/03/2017. Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro

I - Operações de crédito do sistema financeiro

O saldo das operações de crédito do sistema financeiro atingiu R$3.070 bilhões em fevereiro (-0,1% no mês e -3,5% em doze meses). As operações com pessoas jurídicas, saldo de R$1.504 bilhões, decresceram 0,3% no mês, enquanto a carteira de pessoas físicas permaneceu estável em R$1.567 bilhões. A relação crédito/PIB declinou 0,2 p.p, para 48,7%, ante 52,7% em fevereiro de 2016.

A carteira com recursos livres totalizou R$1.530 bilhões (-0,2% no mês e -4,6% em doze meses). O saldo com pessoas físicas diminuiu 0,5% no mês, para R$805 bilhões, destacando-se as retrações em cheque especial e cartão de crédito à vista, e o crescimento no crédito consignado. Na carteira de empresas, o saldo cresceu 0,1%, alcançando R$724 bilhões, com destaque para financiamento às exportações, conta garantida e adiantamentos sobre contratos de câmbio.

Nas operações com recursos direcionados, o saldo alcançou R$1.541 bilhões, reduções de 0,1% no mês e de 2,5% em doze meses. Na carteira das empresas, observou-se declínio de 0,7%, para R$779 bilhões, com destaque para liquidações em financiamentos de investimentos com recursos do BNDES. Em sentido inverso, o saldo registrou crescimento no segmento de pessoas físicas, para R$761 bilhões (+0,6%), com aumentos em crédito rural e imobiliário.

Na segmentação por atividade econômica, o crédito para a indústria registrou queda mensal de 0,4%, totalizando R$732 bilhões, refletindo reduções nos segmentos de transformação (-0,5%, para R$398 bilhões) e de construção (-0,9%, para R$98 bilhões). No setor de serviços, contração de 0,2%, para R$719 bilhões, com reduções em comércio (-0,5%, R$259 bilhões) e transportes (-0,6%, R$138 bilhões).

Consideradas as operações acima de R$1 mil, a carteira de crédito não registrou alteração nas regiões Sudeste (R$1.629 bilhões), Sul (R$550 bilhões) e Norte (R$115 bilhões). Nas regiões Nordeste e Centro-Oeste, expansões de 0,2% no mês, alcançando R$397 bilhões e R$329 bilhões, respectivamente.

Taxas de juros e inadimplência

A taxa média de juros das operações de crédito do sistema financeiro, consideradas as contratações com recursos livres e direcionados, situou-se em 32,2% a.a. em fevereiro, com redução de 0,6 p.p. no mês (+0,4 p.p. em doze meses). O custo médio atingiu 53,2% a.a. no crédito livre (+0,3 p.p. no mês) e 9,9% a.a. no direcionado (-1.4 p.p. no mês).

A taxa média alcançou 41,4% a.a. nas operações com pessoas físicas (-0,5 p.p. no mês e + 1,4 p.p. em doze meses). No crédito livre, a taxa registrou aumento de 0,5 p.p. no mês, para 73,2% a.a. A despeito dessa alta, destacou-se a retração de 5,2 p.p. da taxa de juros do cartão de crédito rotativo no mês, primeira queda desde outubro. A taxa média do cartão de crédito total, contudo, se elevou refletindo o efeito composição, isto é, a diminuição no mês (por razões sazonais) da participação das operações à vista, nas quais não incidem taxas de juros. Nas contratações do crédito direcionado, a taxa recuou para 9,1% (-1,3 p.p.), com redução de 1,9 p.p. nos financiamentos imobiliários com taxas reguladas.

No segmento de pessoas jurídicas, a taxa média atingiu 20,3% a.a. (-0,8 p.p. no mês e -2,3 p.p. em doze meses). No crédito livre, o custo médio alcançou 28,7% (-0,1 p.p. no mês), com reduções em capital de giro (-0,7 p.p.), desconto de duplicatas (-4,3 p.p.) e financiamento a exportações (-1,8 p.p.). No crédito direcionado, a taxa situou-se em 10,9% a.a (-1,6 p.p.), com destaque para financiamentos de investimentos do BNDES (-1,8 p.p).

O spread médio das operações com recursos livres e direcionados situou-se em 23,9 p.p. (+0,1 p.p. no mês e +3,1 p.p. em doze meses), alcançando 42,5 p.p. no crédito livre (+0,7 p.p. no mês) e 4,1 p.p. no direcionado (-0,5 p.p.). O indicador aumentou 0,5 p.p. no segmento das famílias, para 33,3 p.p., e diminuiu 0,6 p.p. nas contratações com empresas, para 11,7 p.p.

A taxa de inadimplência das operações de crédito do sistema financeiro, correspondente à participação dos saldos com atrasos superiores a noventa dias, manteve-se estável pelo terceiro mês consecutivo em 3,7%, mas com variação de +0,2 p.p. em doze meses. No mês, o nível de atrasos permaneceu inalterado nas operações com famílias (4,0%) e empresas (3,5%). A inadimplência alcançou 5,6% na carteira livre (-0,1 p.p.) e 1,9% no crédito direcionado (+0,1 p.p.).

II - Evolução dos agregados monetários

A média dos saldos diários da base monetária totalizou R$251,6 bilhões em fevereiro, refletindo decréscimo de 3,4% no mês, decorrente da redução de 11,8% nas reservas bancárias e de 1,8% no saldo do papel-moeda emitido. Em doze meses, o saldo da base monetária cresceu 3%.

Entre os fluxos mensais dos fatores condicionantes da base monetária, destacaram-se as operações do Tesouro Nacional e as do setor externo, com impactos expansionistas respectivos de R$17,2 bilhões e R$3,2 bilhões. Em contraposição, as operações com títulos públicos federais provocaram contração de R$17 bilhões, resultante de colocações líquidas de R$56,5 bilhões no mercado primário e compras líquidas de R$39,5 bilhões no mercado secundário.

O saldo médio diário dos meios de pagamento restritos (M1) atingiu R$315,7 bilhões em fevereiro, após declínio mensal de 2,9%, correspondente às variações negativas de 4,1% nos depósitos à vista e de 2,1% no papel-moeda em poder do público. Em doze meses, o M1 avançou 1,7%.

O saldo dos meios de pagamento no conceito M2, que corresponde ao M1 acrescido de depósitos de poupança e títulos privados, registrou crescimento mensal de 0,3% em fevereiro, somando R$2,3 trilhões. Esse resultado traduziu o aumento de 2,1% no M1 e de 0,3% nos depósitos de poupança, cujo saldo alcançou R$664 bilhões. O saldo dos títulos emitidos por instituições financeiras permaneceu estável em R$1,3 trilhão. No mês, ocorreram resgates líquidos de R$1,7 bilhão em depósitos de poupança e captações líquidas de R$2,4 bilhões em depósitos a prazo.

O conceito M3, que compreende o M2, as quotas de fundos de renda fixa e os títulos públicos que lastreiam as operações compromissadas entre o público e o setor financeiro, apresentou expansão de 0,8% no mês, atingindo R$5,4 trilhões, resultado das elevações de 1,7% nas quotas de fundos e da retração de 8,9% nas compromissadas, que somaram, respectivamente, R$2,9 trilhões e R$168,9 bilhões. O M4, conceito que acrescenta ao M3 os títulos públicos de detentores não financeiros, cresceu 0,5% no mês e 9,7% nos últimos 12 meses, totalizando R$6,2 trilhões.

DOCUMENTO: http://www.bcb.gov.br/htms/notecon2-p.asp

MF. STN. REUTERS. 29/03/2017. Governo anunciará corte de cerca de R$30 bi e reoneração da folha, dizem fontes

BRASÍLIA (Reuters) - O governo anunciará nesta quarta-feira corte de cerca de 30 bilhões de reais no Orçamento de 2017 e reoneração da folha de pagamentos como medidas para cobrir o rombo adicional de 58,2 bilhões de reais nas contas públicas deste ano, disseram à Reuters fontes com conhecimento sobre o assunto.

Outros aumentos de alíquota de tributos, como o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), também devem ser anunciados no final desta tarde, mas em menor proporção do que a originalmente pensada pela equipe econômica capitaneada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Em relatório divulgado nesta manhã, o Ministério da Fazenda argumentou que seria impossível contingenciar totalmente o rombo adicional de 58,2 bilhões de reais deste ano, porque "seriam eliminadas 61 por cento de todas as despesas discricionárias do governo central".

Na prática, esse montante significaria a impossibilidade de o governo federal terminar o ano fiscal de 2017 sem comprometer despesas importantes nas áreas de saúde e educação"

A resistência em elevar tributos foi grande dentro do Palácio do Planalto, em especial do presidente Michel Temer, que não queria onerar mais o setor produtivo em meio ao cenário de recuperação da economia depois de dois anos de recessão.

A meta de déficit primário deste ano é de 139 bilhões de reais para o governo central (governo federal, INSS e Banco Central). O governo tem até o dia 30 para publicar decreto especificando as despesas discricionárias que precisará cortar para cumpri-la.

Meirelles já chegou a afirmar que o governo estimava receitas extras de cerca de 17 bilhões de reais para 2017 com devolução à União de hidrelétricas e com questão envolvendo precatórios, sendo 8,6 bilhões de reais somente com estes últimos.

(Por Alonso Soto; Texto de Patrícia Duarte)

FGV. IBRE. 29/03/2017. Confiança da Indústria avança e consolida a tendência de recuperação

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas avançou 2,9 pontos em março de 2017, para 90,7 pontos, o maior nível desde maio de 2014 (92,2). Com o resultado, a média do primeiro trimestre fecha em 89,2 pontos, 3,5 pontos acima do trimestre anterior.

“Com a alta de março, o ICI consolida a tendência de recuperação e atinge um nível próximo ao registrado no início da atual recessão. O resultado parece retratar um setor em fase de transição no ciclo econômico: traz boas notícias, como o expressivo espalhamento setorial da alta e a melhora das expectativas, combinadas à persistente insatisfação com a situação dos negócios. O cenário econômico é propício à gradual elevação da confiança industrial ao longo dos próximos meses, embora condicionado a sobressaltos e aos riscos inerentes ao ainda elevado grau de incerteza.”, afirma Aloisio Campelo Junior, Superintendente de Estatísticas Públicas da FGV/IBRE.

Alta espalhada entre setores, indicadores e horizontes de tempo

A alta da confiança atingiu 17 de 19 segmentos industriais e se espalhou  por todos os quesitos da pesquisa. Houve melhora também nos dois horizontes de tempo: o Índice de Expectativas (IE) avançou 3,8 pontos, para 93,1 pontos, o maior nível desde abril de 2014 (96,9); e o Índice da Situação Atual (ISA) subiu 2,1 pontos, para 88,5 pontos, o maior desde janeiro de 2015 (89,1).

A maior contribuição para a alta do IE foi dada pelo quesito que mede as expectativas com a evolução da produção. Após cair 2,0 pontos em fevereiro, o indicador de produção prevista subiu 4,6 pontos em março, atingindo 93,3 pontos. Neste período, houve elevação da proporção de empresas prevendo aumentar a produção nos três meses seguintes, de 27,6% para 30,9% do total, e relativa estabilidade na parcela das que preveem reduzir a produção, que passou de 19,3% para 19,0% do total.

Em março o indicador que mensura a avaliação do nível de estoques exerceu a maior contribuição para a evolução do ISA no mês. A evolução ocorreu pelo aumento da parcela de empresas que avaliam o nível de estoques atual como insuficiente, que passou de 4,9% para 6,1% do total, enquanto a das que o consideram excessivo passou de 12,8% para 12,9%. Com o resultado, os estoques industriais ficam muito próximos à situação de normalização que já haviam alcançado em setembro passado.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) subiu 0,1 ponto percentual (p.p.) em março, para 74,4%. No primeiro trimestre de 2017, a média do indicador fechou também em 74,4%, 1,0 p.p. acima do trimestre anterior.
 
A edição de março de 2017 coletou informações de 1.086 empresas entre os dias 02 e 24 deste mês.

DOCUMENTO: http://portalibre.fgv.br/main.jsp?lumPageId=402880972283E1AA0122841CE9191DD3&lumItemId=8A7C82C5593FD36B015B19990F76366C

FGV. IBRE. 29/03/2017. Incerteza da Economia cresce em março

O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas subiu 3,9 pontos em março, ao passar de 118,8 para 122,7 pontos. O resultado sucede quedas de 9,1, em janeiro, e de 8,5 pontos em fevereiro.

“Mesmo com a economia dando sinais de recuperação e após uma evolução favorável do IIE-BR no primeiro bimestre do ano, os níveis de incerteza econômica são ainda muito elevados no Brasil, mostrando as dificuldades que a economia enfrentará ao sair de uma das maiores recessões da nossa história. Alta incerteza atrapalha investimentos e afeta consumo, mesmo em momentos em que a taxa de juros da economia é baixa. Medidas econômicas paliativas colaboram para melhorar o ambiente de negócios, mas não serão suficientes para promover uma retomada do crescimento de forma sustentada. Para que os níveis de incerteza se reduzam consistentemente, colaborando assim para uma aceleração mais rápida da economia, serão necessárias medidas que sinalizem mudanças estruturais, como a aprovação das reformas da previdência e política.”, afirma o economista Pedro Costa Ferreira da FGV\IBRE.

Em março, pela primeira vez desde outubro passado, a principal contribuição para a variação do IIE-BR foi dada pelo componente de expectativas de mercados: o IIE-Br Expectativa subiu 9,4 pontos, contribuindo com 2,4 pontos para o IIE-BR, puxado pelo aumento expressivo da volatilidade das previsões dos especialistas em relação ao preço futuro do câmbio. O IIE-Br Mídia, por sua vez, subiu 2,3 pontos, contribuindo com 2,0 pontos para o índice geral. O componente IIE-Br Mercado foi o único que registrou queda, de 0,5 ponto, mostrando que o mercado de capitais começa a ganhar mais confiança nas perspectivas de curto prazo para o país.

DOCUMENTO: http://portalibre.fgv.br/main.jsp?lumPageId=402880972283E1AA0122841CE9191DD3&lumItemId=8A7C82C5593FD36B015B19A421C76C38

ECONOMÁTICA. PORTAL G1. 28/03/2017. Maiores estatais de capital aberto somam prejuízo pelo 3º ano seguido. Petrobras, Eletrobras e Banco do Brasil fecharam 2016 com prejuízo consolidado de R$ 3,36 bilhões, aponta Economatica.
Por G1

Pelo terceiro ano consecutivo, Petrobras, Eletrobras e Banco do Brasil acumularam prejuízo na consolidação dos balanços anuais. Segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica, as 3 maiores estatais brasileiras de capital aberto fecharam 2016 com um prejuízo consolidado de R$ 3,36 bilhões.
O resultado do ano passado foi afetado principalmente pelo prejuízo da Petrobras, que acumulou perdas de R$ 14,8 bilhões em 2016 – o terceiro prejuízo anual consecutivo.
O Banco do Brasil registrou lucro de R$ 8,03 bilhões em 2016, e a Eletrobras teve lucro de R$ 3,43 bilhões.
Na série iniciada em 1993, as empresas registram prejuízo consolidado em 5 anos. O maior prejuízo desde 1993 aconteceu no ano de 2015, quando o prejuízo foi de R$ 34,8 bilhões.
O Banco do Brasil registrou prejuízo somente nos anos de 1995 e 1996. A Petrobras acumula prejuízos desde 2014. Já a Eletrobrás, após quatro anos de prejuízos (2012 a 2015), registra lucro de R$ 3,4 bilhões no ano de 2016.

Maiores estatais de capital aberto somam prejuízo pelo 3º ano seguido (Foto: Divulgação)

APEX-BRASIL. PROMOÇÃO COMERCIAL. 22/03/2017. PROWEIN GERA US$ 1,5 MI NEGOCIADO POR VINÍCOLAS BRASILEIRAS

A projeção das 10 vinícolas brasileiras que participaram da ProWein – a maior feira de vinhos do mundo – foi superada em quase 60% e deve atingir US$ 1,5 milhão em vendas para o Exterior. O montante será atingido nos próximos 12 meses e foi resultado de mais de 250 contatos comerciais feitos em três dias de realização do evento. Entre os países com maior interesse pelos vinhos brasileiros estão importantes mercados para a bebida no mundo, como Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e China, e também países com procura mais recente pelo produto nacional, como Canadá e Peru.

As vinícolas que representaram o Brasil em sua 13ª participação na exposição encerrada nesta terça-feira (21), em Düsseldorf, na Alemanha, foram a Aurora, Basso, Casa Perini, Casa Valduga, Don Guerino, Lidio Carraro, Miolo, Peterlongo, Pizzato e Salton. A ação é do projeto setorial Wines of Brasil, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), por meio do Fundo de Desenvolvimento da Vitivinicultura do RS (Fundovitis), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Como de costume, a mesa coletiva que apresentou alguns rótulos campeões de concursos internacionais esteve entre as atrações principais do estande. O destaque da Get to know our Champions (em tradução livre, Conheça nossos Campeões) foram os espumantes, com 12 dos 17 produtos apresentados.

“O Brasil, hoje, é reconhecido pelo trade especializado como um importante país produtor de vinhos do Novo Mundo. Além disso, somos reconhecidos internacionalmente como um produtor de espumantes de excelente qualidade. Outro destaque é a consolidação e a ampliação dos canais de distribuição dos nossos vinhos nos principais países-alvo das exportações brasileiras”, resumiu o gerente de Promoção do Ibravin, Diego Bertolini.

O dirigente também relatou a presença de grandes críticos no estande brasileiro na ProWein. Entre eles, o responsável pelo lendário Julgamento de Paris e fã declarado do vinho brasileiro, Steven Spurrier, da revista britânica Decanter, e Felicity Carter, editora da alemã Meininger’s Wine Business Magazine. Ambas as publicações estão entre as principais do segmento na Europa. Durante o período da feira, a vitivinicultura brasileira também figurou na capa da revista austríaca Falstaff. A matéria especial aborda os produtores sul-americanos da bebida, com destaque para o Brasil.

Exportação de vinho brasileiro em alta

Em 2016, as vinícolas brasileiras ampliaram o valor das exportações para os países europeus em 10% em relação ao ano anterior, com a comercialização de US$ 1,24 milhão. Em volume, as vendas atingiram 272,2 mil litros, alta de 7,6% sobre 2015, remetidos para 11 países. No total, o vinho brasileiro foi comercializado para 36 países no ano passado. As vendas resultaram em US$ 5,9 milhões em 2016, o que representou um aumento de 45% em relação a 2015. Em volume o crescimento foi semelhante: 43% a mais, com a venda de 2,2 milhões de litros. Nos espumantes, o incremento foi de 20%, com a comercialização de 174 mil litros.

Wines of Brasil

O Wines of Brasil é um projeto de promoção comercial dos vinhos, espumantes e suco de uva brasileiro no mercado externo, desenvolvido entre o Ibravin e a Apex-Brasil. O projeto conta atualmente com a participação de 32 vinícolas e tem como mercados-alvo os Estados Unidos, Reino Unido e China. Nos últimos anos, cerca de 95% das empresas que aderiram ao Wines of Brasil conseguiram dar continuidade em suas exportações, devido ao suporte e aos programas de capacitação oferecidos, entre outras ações.

IBRAVIN: http://www.winesofbrasil.com e http://www.ibravin.org.br.

APEX-BRASIL. PROMOÇÃO COMERCIAL. 27/03/2017. PROJETO COMPRADOR ASSINTECAL E ABRAMEQ GERAM US$ 4,5 MILHÕES

US$ 4,5 milhões em negócio quatro dias. Esse é o balanço do Projeto Comprador realizado de 13 a 16/03 na FIMEC (Feira Internacional de Couros, Produtos Químicos, Componentes, Máquinas e Equipamentos para Calçados e Curtumes). A ação envolveu os participantes do projeto By Brasil Components and Chemicals e do Brazilian Machinery – ambas ações de promoção às exportações realizadas pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) em conjunto com as entidades Assintecal e Abrameq.

Com compradores de países como México, Colômbia, Peru, Bolívia e Equador China, Estados Unidos, Alemanha e Índia, foram atendidas 93 empresas, e os participantes realizaram 242 rodadas de negócios. As rodadas de negócios do Projeto Comprador colocam frente a frente compradores e associados interessados em expandir seus contatos e criarem laços estreitos entre empresa e empresário.

Do montante gerado, as empresas participantes do By Brasil, da Assintecal, geraram US$ 1.459.000,00 em negócios diretos e US$ 2.830.000,00 consolidados ao longo de 12 meses. Já o projeto da Abrameq teve negócios imediatos de US$ 502.000,00 e a longo prazo mais US$ 1.690.000,00.

Assintecal

Há três décadas a Associação Brasileira de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal) atua diretamente na expansão de seu setor coureiro-calçadista. Seu trabalho é reconhecido pela força e diálogo com todas as esferas governamentais, pela consolidação do mercado internacional e pelo desenvolvimento em pesquisas e conteúdo de moda. A entidade responde por um setor que possui 3 mil empresas. Sediada em Novo Hamburgo (RS), possui também escritórios em São João Batista (SC), Nova Serrana (MG), Birigui (SP), Franca (SP) e Jau (SP).

ASSINTECAL: http://www.assintecal.org.br


_________________

LGCJ.: